UTI ambiental: ‘limpando’ organogramas de instituições públicas, artigo de Osvaldo Ferreira Valente

 

No artigo da série “UTI ambiental”, publicado em 09/06/2014, eu falei das doenças que acometem as instituições públicas brasileiras, usando a estrutura do Ministério do Meio Ambiente (MMA) como exemplo. Em razão das críticas feitas à superposição de funções dentro do citado ministério, fui provocado por pessoas próximas a fazer uma prescrição de cura, já que o paciente está em estado grave. Relutei um pouco, mas como não sou dado a fazer críticas sem ter previamente buscado alternativas ao criticado, decidi apresentar o organograma que havia feito, numa tentativa de limpar o atual.

Comecei por analisar as funções que estão na ponta do sistema, ou seja, o que deve fazer o MMA, na prática, para produzir boas relações da sociedade com o meio ambiente. E aí dá para perceber que os três institutos atuais poderiam ser considerados pontas do sistema (ver organograma). À primeira vista, eu optaria por mantê-los, inclusive com os mesmos nomes, mas ajustando algumas responsabilidades e adicionando o Instituto de Recursos Hídricos (IRH). O Ibama seria o único encarregado de licenciamentos, fiscalizações e monitoramentos ambientais. Os brasileiros passariam a se acostumar, ao longo do tempo, com a existência de um ponto de convergência para as decisões de permitir ou não uma determinada atividade com potencial de produzir danos ao meio ambiente.

 

 

Quanto ao ICMBio, ele passaria a cuidar de todas as unidades de conservação, incluindo as de usos sustentáveis e englobando, portanto, o atual Serviço Florestal Brasileiro (SFB). Na verdade, eu tenho um pouco de implicância com o nome deste instituto. Por mais que Chico Mendes mereça todo o apreço dos brasileiros, não acho adequado colocar nomes de pessoas em organismos de estado, pois se assim for, muitos outros mereceriam as homenagens e teríamos um festival de nomes compondo títulos de instituições. Mas vá lá, não quero criar uma saia justa, esperando, apenas, que o exemplo não passe a ser copiado para novos casos.

O Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro é uma organização tradicional no país, um centro de referência e de pesquisa não só de botânica, mas de outras áreas da biologia e da biodiversidade. Não há o que mudar.

Quanto ao Instituto de Recursos Hídricos (IRH), eu proporia que ele seja responsável pela aplicação da Lei das Águas (Lei Federal 9.433), nos aspectos relacionados com a conservação de aquíferos e nascentes, tanto em quantidade como em qualidade de água. Parece, à primeira vista, um conflito com a Agência Nacional de Águas (ANA), mas que é uma agência reguladora. E as agências reguladoras foram formuladas para fiscalizar a prestação de serviços públicos praticados pela iniciativa privada, estabelecendo regras e garantindo qualidade de atendimento. São autarquias com autonomia administrativa e financeira e são vinculadas a um determinado ministério, ou seja, não ficam subordinadas ao Ministro. Mas como tudo no Brasil parte para a confusão, a lei que criou a ANA faz uma miscelânea de atribuições, que vão muito além da filosofia de implantação das agências. A ANA tem, inclusive, um Programa de Produtor de Água, muito bom, por sinal, mas que ficaria mais bem posicionado no Instituto de Recurso Hídricos.

No Gabinete e na Secretaria Executiva, ficariam as assessorias administrativas do Ministro, como a de orçamento e finanças, a de recursos humanos, a consultoria jurídica e mais algumas estritamente necessárias a uma burocracia saudável.

Quanto aos conselhos, existiria o Administrativo, formado pelos diretores dos institutos e por representantes do Gabinete e da Secretaria Executiva. Cada instituto teria um Conselho Consultivo, formado por profissionais e cientistas sem vinculações com o Ministério. Portanto, nada de cargos comissionados e remunerados, apenas despesas pagas. As universidades e as instituições de pesquisas, como a Embrapa, por exemplo, estarão dispostas a colaborar, tenho certeza. Faço questão de não tomar conhecimento de conselhos como o Conama e o Nacional de Recursos Hídricos, por considerá-los de pouca utilidade. A importância regimental dos mesmos não se transformou em portfólio de benefícios ambientais.

Veja o leitor que eu estou propondo uma estrutura profissional, encarregada de colocar em prática a legislação e a política estabelecidas pelos poderes legislativo e executivo. Os Estados poderiam adotar modelos semelhantes para suas secretarias de meio ambiente, o que facilitaria os intercâmbios, as descentralizações e os convênios de parcerias.

Osvaldo Ferreira Valente é engenheiro florestal, especialista em hidrologia e manejo de pequenas bacias hidrográficas, professor titular, aposentado, da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e autor de dois livros sobre o assunto: “Conservação de nascentes – Produção de água em pequenas bacias hidrográficas”e “Das chuvas às torneiras – A água nossa de cada dia”; colaborador e articulista do EcoDebate .( valente.osvaldo@gmail.com)

EcoDebate, 04/08/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “UTI ambiental: ‘limpando’ organogramas de instituições públicas, artigo de Osvaldo Ferreira Valente

  1. A governabilidade, especialmente esta que está posta é omissa, inenpta e é ainda responsável por se aliar ao poder econômico hegemônico para perpetrar toda sorte de degradações. Neste sentido o Estado tem se tornado mais que vilão,, “criminoso” impune e não tem MP que resolva o problema! É o retrato de um país entregue a gestores incapazes!

  2. E o capitalismo, que é o responsável por toda a destruição dos biomas, o que fazer com ele, Osvaldo Correia Valente?
    Na verdade – não sei se você concorda comigo – não devemos esperar nada significativo das alterações que se façam na estrutura do Estado capitalista; elas são apenas modificações operacionais que conduzem aos mesmos resultados obtidos antes, quando não os aprimoram.
    O capitalismo tem objetivos bem definidos, dos quais ele não se afastará por quaisquer motivos. Como já disse antes, ele é um ser absolutamente irracional, que vai em busca, sempre, do seu próprio desenvolvimento, por quaisquer meios e custos.

  3. Sou contra o consumismo e a obsolescência programada, que certamente têm imensas responsabilidades pela degradação ambiental, pois demandam cada mais vez recursos. Mas, infelizmente, não tenho receita para acabar como o capitalismo, já que esse assunto foge completamente de minha especialidade. Num assunto tão complexo, não me atrevo a dar palpites.

Comentários encerrados.

Top