Civilização e barbárie, artigo de Montserrat Martins

 

opinião

 

29/07/2014 – A única usina que fornece energia para a Faixa de Gaza foi danificada em um dos 60 ataques aéreos de Israel, que também atingiram locais associados ao Hamas, o grupo palestino que controla Gaza. Na foto, um bombeiro palestino tenta enfrentar as chamas na principal usina de energia da Faixa de Gaza, na região central. Foro: BBC Brasil

 

[EcoDebate] Nos 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial, ao final de julho de 1914, o mundo vive uma crise civilizatória com evidentes focos de barbárie, que resistem aos esforços de evolução da comunidade internacional. Em pleno século XXI ainda resistem práticas imperialistas e colonialistas tais como os Estados Unidos invadirem o Iraque, a Rússia cobiçar territórios da Ucrânia armando rebeldes a seu favor, a China mantendo a ocupação do Tibet.

Esperança de renovação política, os jovens que se mobilizaram em massa pelas redes sociais na “primavera árabe” promoveram mudanças sem precedentes naquela região, como um prenúncio de que entramos mesmo em um novo século e milênio. Mas nesse início de novos tempos, ainda não surgiram novas formas de governo capazes de praticar a democracia participativa que se anseia.

Na História da humanidade, como na transição das Eras e dos sistemas socioeconômicos (da Idade Média para a Idade Moderna, do feudalismo para o capitalismo), não se mede o tempo em anos, nem mesmo em décadas, mas mais precisamente em séculos. As velhas práticas de dominação política não se mudam da noite para o dia, por isso a derrubada de alguns ditadores da região não foi capaz ainda de gerar uma renovação democrática. O Egito segue conflagrado e o povo sírio é vítima da guerra civil com um governo genocida e uma oposição não menos violenta, segundo diversos relatos jornalísticos.

Nesse contexto de disputa entre a civilização e a barbárie no século XXI é que temos de tentar compreender o incompreensível e contextualizar o injustificável. O que choca no recrudescimento da guerra entre Hamas e Israel em julho de 2014, além da morte de crianças e mulheres, entre mais de mil civis, é o fato de um Estado reagir de modo desproporcional, a pretexto de mera defesa, a ataques qualificados por ele como de uma organização terrorista.

Vozes lúcidas da comunidade judaica internacional contestam o governo de Israel, violento até mesmo na retórica contra os próprios aliados, criticando Estados Unidos, Nações Unidas e retaliando as críticas de outras nações – incluindo o Brasil – que participaram da própria criação do Estado de Israel, quando Oswaldo Aranha era o secretário-geral da ONU. A grande maioria das nações apoia a coexistência dos Estados de Israel e da Palestina, não obstante os extremistas de ambos os lados insistam em negar a existência da outra nação.

A cultura política predominante do mundo árabe não é fácil, sabemos. Mas se espera que num povo que já foi vítima do holocausto surjam formas de se proteger que não reproduzam o genocídio sofrido – e compreendam que a morte de inocentes é uma fábrica de ódio dos parentes enlutados. Na cultura judaica se formaram algumas das mais brilhantes mentes da humanidade, desde as científicas como Einstein e Freud, até as artísticas como Spielberg ou Adam Sandler. No Brasil e no mundo todo há ícones como Moacyr Scliar, referência de qualidade literária internacional. A luta contra a guerra registra as cartas de Einstein a Freud sugerindo uma aliança de lideranças intelectuais contra essa loucura; Marshall Rosenberg criou o método da CNV (Comunicação Não Violenta), o mais eficaz para a mediação de conflitos sociais. Que essa egrégora desautorize o governo de Israel, para que haja soluções que preservem a vida.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é Psiquiatra.

 

EcoDebate, 30/07/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “Civilização e barbárie, artigo de Montserrat Martins

  1. Desde sempre o homem possui em seu DNA o gene da dominação pela força e pelas armas. Assim é desde o Império Romano, para ficarmos apenas na época do nascimento de Jesus Cristo. Agem, ou agiram dessa forma Inglaterra, França, Alemanha, Espanha, Portugal e mais modernamente Estados Unidos e Rússia. Nos dias que correm, e também após 1948, o agressor é Israel. Além da Bomba Atômica, possui um arsenal armamentista, principalmente fornecido pelos EUA, que daria para varrer do mapa todo o Oriente Médio. E o pior, nunca quiseram paz com os vizinhos. Se assim fosse, não teriam invadido e construído nas terras palestinas limítrofes. A própria imprensa israelita responsável diz isso.

  2. A História da espécie humana é, em síntese, uma história de guerras, dominação e exploração, e muito dessa história foi embasada em crenças religiosas, como ainda são, atualmente.
    Solução?
    Somente os defensores da exploração da grande maioria pela minoria conseguem formular discursos otimistas. Entre eles estão a grande maioria dos políticos, a mídia e os Estados capitalistas.

  3. Por ventura conhece o ideário do Hamas?
    Por ventura conhece o ideário de quem governa atualmente o Irão. Certamente que terá também a noção exata dos vizinhos de Israel: Líbano, Síria, Egito? por outro lado é ver o que se passa no momento, na Síria, na Líbia, na Tunísia e no Egito.
    O Ocidente anda cego.
    Financia o Hamas e a Autoridade Palestiniana, para comprarem misseis e abrir tocas e usar as pessoas como escudos humanos, que numa manifesta falta de pudor civilizacional percorrem as ruas com corpos, que deviam ser preservados independentemente do culto.
    Será que os civis não estão a ser coniventes com esta situação? e a querem?
    Israel tem neste momento razões mais que suficientes para não sair de Gaza, nem da Cisjordânia. Alias, nunca deveria ter saído de Gaza. Cabe aos Palestinianos optar por uma cultura de respeito e tolerância, para com os outros Povos, neste caso, todos os cristãos.

Comentários encerrados.

Top