O economicismo continua governando o Brasil

 

economicismo

 

A conjuntura está esquisita. A intuição é do sociólogo Luiz Werneck Vianna em artigo recém-publicado. Pergunta ele: “A que se devem essa difusa sensação de mal-estar e esses pequenos abalos que vêm surpreendendo a rotina do cotidiano não só nos grandes centros metropolitanos?”.

Como compreender, prossegue Werneck Vianna, a “descrença generalizada nas pessoas e nas instituições diante da Constituição mais democrática da nossa história republicana e das políticas bem-sucedidas de inclusão social levadas a efeito nos últimos governos?”.

O que está acontecendo no país do futebol, a “pátria de chuteiras”, onde a Copa do Mundo, o maior e mais cobiçado evento mundial da bola seja rejeitada por metade da população? E que os militares execrados pela memória coletiva que deles se fez por ocasião dos 50 anos do golpe, continuem sendo mobilizadas para tudo? Como se sabe não haverá Copa sem eles.

E agora, como interpretar no 1º de maio as vaias ao governo que mais teria avançado em conquistas e benefícios aos trabalhadores? Considerando que não há nenhum abalo sísmico na economia, indicadores sob controle, mercado de trabalho estável e milhares ascendendo socialmente, como explicar a sensação de mal-estar generalizado?

Está esquisito, diz Werneck Vianna. A “dificuldade” de interpretar a conjuntura, de compreender o que está acontecendo vem desde as grandes manifestações de junho 2013. Desde aquele momento, o que até então tudo parecia normal passou a escapar à compreensão.

Werneck sugere uma hipótese para a ‘leitura’ da esquisita conjuntura. Segundo ele, é “debalde procurarmos as razões desse estado de coisas na dança dos indicadores econômicos. Elas estão noutra parte, visível o fio vermelho com que ele se liga às jornadas de junho, que denunciaram a distância entre o governo e a sociedade civil, especialmente da juventude”.

Na linha de raciocínio do pesquisador da PUC-Rio, as razões do mal-estar não se encontram no “consumidor”, mas no “cidadão”. Segundo ele, “o economicismo, ideologia reinante entre nós, fruto nativo do nosso longevo processo de modernização, retruca com acidez aos argumentos que lhe são estranhos com o bordão ‘é a economia, estúpido!’”.

Em princípio, diz Werneck “isso não era para ser assim, uma vez que o PT tem em suas marcas de fundação a vocação para agir na sociedade civil e favorecer sua organicidade”. O erro maior foi ceder ao economicismo e subordiná-lo à política. A Era Lula e agora seguido por Dilma, ainda com mais intensidade, não foi capaz de romper com o economicismo. O país dialoga muito com o mercado e pouco com a sociedade. Quando muito, a sociedade civil é vista como uma beneficiária indireta dos êxitos da acumulação capitalista resultante dos econômicos bem-sucedidos.

Werneck Vianna dá um exemplo: “O triunfo maior da lógica dos interesses sobre a política veio com a adoção, e o sucesso, do programa Bolsa Família, perfeitamente compatível com os princípios neoliberais de raiz economicista. Sob esse registro, a sociedade não se educou nem se organizou, e corre o risco de se converter na multidão dos profetas apocalípticos que estão por aí”.

Na opinião do sociólogo, “nessa visão rústica da dimensão do interesse, somente o que importa é o bolso, o poder de compra, e as ideias e as crenças de nada valem, dando as costas a lições de clássicos como Weber e Marx, que estudaram seu papel na produção da vida material”.

As forças vivas da sociedade, por outro lado, que poderiam empurrar o governo para além do economicismo foram sendo incorporadas ao Estado. Segundo Werneck, “no governo, porém, essa plataforma de lançamento cedeu, com uma guinada em favor da recuperação da política de modernização da nossa tradição republicana, aí compreendida até a vigente no regime militar. Nos seus fundamentos, passam a ser incorporados elementos da estratégia política de Vargas, com a ampliação do Estado a fim de nele incluir sindicatos e movimentos sociais, em alguns casos mesmo que informalmente, caso do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST)”.

“Ficou esquisito”, conclui Werneck Vianna.

A análise da Conjuntura da Semana é uma (re)leitura das Notícias do Dia publicadas diariamente no sítio do IHU. A análise é elaborada, em fina sintonia com o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, pelos colegas do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT e por Cesar Sanson, professor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN.

(EcoDebate, 05/05/2014) publicado pela IHU On-line, parceira estratégica do EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “O economicismo continua governando o Brasil

  1. O povo está cansado de ser enganado, de ter suas demandas desrespeitadas, de assistir a tanta iniquidade e impunidade, de ver sua democracia indo pelo bueiro, junto a enxurrada de corrupção que assola o pais. At´[e manipulação de numeros economicos e contábeis está acontecendo para apresentar numeros bonitos. A vitima mais recente é a Eletrobras, que apresenta um rombo de 13 bilhões de reais e sofre com as intervenções governistas (de acordo com Miriam Leitão da CBN).
    Nosso pais vem num processo de avanços sociais alinhado ao avanço social mundial, mas também causa desesperança este clima de “eu faço o que quizer e ninguém vai me parar” de nossos governantes. Em outras palavras, a corrupção, ou mais precisamente, a denuncia dela avançou ainda mais. A democracia no Brasil está esfacelada, uma vez que não há democracia forte sem instituições fortes e alinhadas as expectativas da sociedade.
    Ainda existe um projeto de poder em pleno desenvolvimento, que inverte todos os valores e implanta uma nova ética, causando confusão social, mas que não cede aos rogos. A confusão é tamanha que está causando incompreensão até nos sociólogos e filósofos de plantão.

  2. Eu tenho acompanhado a EcoDebate sempre. Hoje a analise de Luiz Verneck Viana me interessou bastante, minhas duvidas,me parece, tem o mesmo sentido que as dele e o seu foco me soa como algo que busco. Gostaria de continuar lendo o seguimento de suas ideias.

    Obrigada a ECODEBATE

Comentários encerrados.

Top