O inverno francês de 2013/2014 foi um dos mais quentes desde 1900

 

Ondas violentas quebram no porto de Esquibien na Bretanha , em dezembro de 2013

Ondas violentas quebram no porto de Esquibien na Bretanha , em dezembro de 2013.REUTERS/Mal Langsdon

O inverno francês de 2013/2014 foi um dos mais quentes desde 1900 e as chuvas na região da Bretanha são as mais intensas desde 1959. As informações foram emitidas nesta sexta-feira (28) pelo instituto francês de meteorologia (Météo-France) em seu relatório climático provisório.

A temperatura média do que o instituto chama “inverno meteorológico”, que compreende os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, é 1,8°C superior ao normal para o período. Por toda a França, o volume de chuvas foi 20% maior do que se costuma registrar no período. Em termos de temperatura, a passagem de 1989 para 1990, quando a média ultrapassou em 2°C o normal, ainda é a mais quente, seguida por 2006/2007, em que as temperaturas foram pouco mais de 1,8°C acima da média.

Como o inverno de 2014 está virtualmente empatado com este último, é possível que no momento da publicação dos números consolidados, 2013/2014 torne-se o segundo inverno mais quente dos últimos 115 anos.

O índice pluviométrico poderia também ser maior, se a distribuição das chuvas pelo território não tivesse sido tão irregular: “Muito abundantes na face oeste e sudeste do país”, observa o relatório do Météo France, as chuvas “são, entretanto, esparsas do Herault aos Pirineus Orientais, assim como no nordeste”.

Bretanha atingida
De acordo com a meteorologista responsável pelo relatório, Christine Berne, a Bretanha foi a região mais atingida pelas tempestades. O volume na região variou de 35 cm a 1m, “ou seja, entre uma e meia e duas vezes maior do que o normal. Junto com as depressões marítimas das grandes marés de janeiro e fevereiro, estas chuvas excepcionais, provocaram graves inundações”, analisa a especialista.

No total, a Bretanha encarou entre 50 e 80 dias de chuvas consideradas “importantes” – superiores a 1 mm -, quando a média para o período é de 15 a 20 dias. Boa parte desse alto volume pluvial se deve as seguidas tempestades que abateram a região durante o inverno, como Xavier, Dirk e Ulla. De acordo com Christine Berne, elas foram “consequência de um anticiclone dos Açores, reforçado por uma depressão mais profunda do que o normal na Islândia”.

“O noroeste do país sofre o impacto de tempestades que, na verdade, passaram um pouco mais ao norte e que afetaram mais fortemente a Grã Bretanha, a Alemanha e os Países Baixos”, afirma. O Reino Unido, por exemplo, teve o inverno mais chuvoso dos últimos 100 anos, de acordo com o serviço britânico de meteorologia.

Matéria da RFI, reproduzida pelo EcoDebate, 03/03/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top