Dez curiosidades sobre a Castanha do Brasil que você provavelmente não sabia

 

Castanha do Brasil
Castanha do Brasil. Foto: Gazeta do Mato Grosso

 

Tem gente que diz que tudo com castanha do Brasil fica bom! Além de muito gostosa, ela também é bastante saudável. Não é a toa que essa iguaria brasileira é cada vez mais cobiçada no exterior. As Mulheres do Cantinho da Amazônia, uma associação que trabalha com o beneficiamento e venda de castanha no município de Juruena, Mato Grosso, sabem muito bem do poder desse alimento. Elas produzem farinha, macarrão e azeite, sempre com a castanha como matéria-prima principal. Este ano elas estão iniciando o projeto CultivAção, que com o patrocínio da Petrobras, através do Programa Desenvolvimento e Cidadania, vai ampliar a produção, gerar mais renda e inclusão para quem vive da extração da castanha. Para celebrar o inicio do projeto a gente preparou algumas curiosidades que você provavelmente não sabia sobre esse super alimento.

1. Um produto com vários nomes
O nome científico da castanha é Bertholletia excelsa. Ela é conhecida por vários nomes como castanha-do-pará, castanha-do-acre, ocari e tururi. No exterior, é comumente associada ao Brasil (Brazil nut, noce del Brazile, noix du Para,etc.). Entretanto, a Bolívia é o maior exportador do produto do mundo. Legalmente, desde 1961, para efeito de comércio exterior, é denominada como castanha-do-brasil.

2. Um super alimento que faz bem pra saúde
Por ser altamente nutritiva (duas castanhas têm o mesmo valor nutritivo de um ovo), a castanha é recomendada para pessoas desnutridas e lactantes. De sua composição, 18% é pura proteína e tem minerais como fósforo, potássio e vitamina B, além de ferro, selênio e zinco.

3. “Carne vegetal”
Apenas três amêndoas podem substituir uma refeição, devido ao alto teor de proteínas, lipídios e vitaminas que possui. Por isso, é popularmente chamada de “carne vegetal”. A castanha é consumida, normalmente, “in natura”, cozida ou cristalizada. É usada, também, em confeitarias e indústrias de chocolates.

4 Alimento radioativo?
Sim, as raízes das castanheiras são tão extensas e crescem tão profundamente no solo que absorvem níveis elevados de rádio, uma fonte natural de radiação. Mas não se preocupe, os níveis presentes não são prejudiciais à saúde e nem causam mutações no organismo, pelo contrário, a maior parte da radiação é eliminada na urina e nas fezes.

5. Tudo se aproveita
O óleo da castanha, por suas características semissecativas, é um ótimo ingrediente para elaboração de tintas. Na cozinha, ele pode substituir facilmente o azeite de oliva. Da prensagem da amêndoa no processo de extração do óleo podemos obter a farinha e o farelo.

6. Um alimento com a cara do Brasil
A castanha-do-Brasil é uma árvore intimamente ligada à cultura das populações tradicionais da Amazônia. Seus produtos e subprodutos são utilizados há várias gerações, como fonte de alimentação e renda. Sua comercialização é positiva econômica e sustentavelmente, uma vez que as castanheiras protegem o meio ambiente e ajudam a preservar o equilíbrio da natureza.

7. O selênio da castanha ajuda no combate ao câncer
A castanha do Brasil é fonte privilegiada de selênio, que em conjunto com a vitamina E, impede a degeneração da membrana que envolve a célula, protegendo-a da oxidação e contribuindo para melhorar as defesas do organismo. Pode atuar na redução dos níveis de colesterol, Alzheimer, câncer de mama e outras doenças crônico-degenerativas.

8. O perigo dos fungos
O consumidor deve ficar atento a respeito da procedência do produto e nunca ingerir castanhas mofadas. Os fungos presentes nelas produzem as aflatoxinas que, num efeito inverso ao do selênio, causam problemas de saúde com alto potencial cancerígeno.

9. É uma fonte de renda para comunidade rurais
A castanha é encontrada nas matas de terra firme em vários países da região amazônica, com destaque para o Brasil, a Bolívia e o Peru. No Amazonas, a espécie ocupa, principalmente, as regiões de Maués e dos rios Purus, Negro, Solimões e Madeira – onde sua exploração é uma atividade econômica realizada pela maioria das comunidades rurais.

10. Gigante da Amazônia
A castanheira-do-pará é uma grande árvore, chegando a medir entre 30 e 50 metros de altura. Está entre as maiores árvores da Amazônia e pode viver de 500 até 1.600 anos.

Informe do projeto CultivAção, publicado pelo EcoDebate, 16/01/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

6 comentários em “Dez curiosidades sobre a Castanha do Brasil que você provavelmente não sabia

  1. A situação da castanheira é similar ao pinheiro brasileiro. o seu fim está sacramentado. O produtor rural na sua maioria desmatada e bosqueia a floresta deixando apenas as árvores adultas (castanheira e pinheiro). Como não existe nenhum estímulo para a sua produção, os produtores impedem o crescimento das formas juvenis. Agindo assim, impedem a regeneração florestal e a manuteção do meio. Dessa maneira, as duas espécies se extinguirão por si só.

  2. Excelente comentário Sr. Emilio Mori. É fundamental que se estabeleçam projetos e políticas que revertam esta possibilidade, através do apoio aos sistemas agroflorestais e a valorização das espécies nativas. Na Região Sul existem alguns projetos para a preservação das araucárias (pinheiro brasileiro), mas são tímidos e ficam limitados aos interesses imediatistas, já que esta árvore leva aproximadamente 20 anos para tornar-se adulta e sua produção (os pinhões) é pouco explorada comercialmente.

  3. Sim, existe certo risco de extinção, mas não é bem assim. Há muita floresta em, pé ainda e um bom incentivo à castanha sim, aqui no Acre há, é claro que precisa melhorar, mas há. / O Vale do Rio Purus só produz castanha em metade dele, do lado direito, do lado esquerdo não há, ou seja, olhando o mapa, é só a porção à direita do Purus toda, no Acre, que produz castanha, mas é uma boa área, boa produtividade. / O selênio da castanha é ótimo ajudante antidepressivo e componente para auxiliar nos distúrbios emocionais e psíquicos (ligado à produção da serotonina). / Parabéns a este pessoal de Juruena !! Abraços, Roberta Graf, do Acre.

  4. Muito Obrigado Roberta Graf pelos parabéns e pelo incentivo ao consumo da amêndoa da castanha do Brasil. Este é o caminho da conservação desta espécie. Quanto maior o consumo da amêndoa, maior será o valor financeiro e mais interesse haverá pela sua conservação, inclusive pelo plantio dela, como já existe aqui em Mato Grosso. São castanheiras que iniciaram a produção de frutos aos 7 anos de idade e daí em diante só aumentaram a produtividade.

Comentários encerrados.

Top