Brasil mais quente e seco pode desencadear crise nos setores agropecuário e energético

 

Com aumento da temperatura e queda das chuvas, estudo diz que floresta amazônica pode virar savana até 2100. Cenário ameaça desencadear crise nos setores agropecuário e energético.

Até 2100, a robusta floresta amazônica pode dar lugar a uma paisagem dominada pela savana. A Caatinga, bioma do semiárido mais rico em fauna e flora do mundo, vai virar deserto. Em todo o território nacional, a temperatura média pode aumentar 6ºC. As projeções fazem parte do primeiro estudo que analisa os efeitos das mudanças climáticas no Brasil, e estão sendo apresentadas no Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), que segue até a próxima sexta-feira (13/09).

Com um Brasil mais quente e mais seco, o setor energético e a agricultura serão os mais atingidos. “Essas informações científicas devem ser consideradas no planejamento energético do país. Para a agricultura é a mesma coisa”, avalia Andrea Santos, secretária-executiva do PBMC.

No futuro, a mudança de cenário vai forçar a migração de algumas culturas – como a do café, que precisa de um clima mais ameno. “Esses impactos no setor agrícola vão demandar melhoramento genético e recursos para a adaptação”, complementa Andrea.

“Daqui a 100 anos, a agricultura brasileira terá que ser diferente para se adaptar às mudanças climáticas”, sentencia por sua vez Carlos Nobre, membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e secretário do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. “Não é muito correto fazer previsões e dizer que não haverá adaptação que faça frente”, adiciona, lembrando que medidas de adaptação estão em curso.

 

Temperatura deve aumentar 6°C na Amazônia

Força-tarefa nacional

O relatório é fruto do trabalho de 345 pesquisadores. Eles vasculharam as publicações científicas dos últimos seis anos e o relatório do IPCC. Concluíram que, até 2100, a queda no volume de chuvas na Amazônia deve chegar a 45%, e a temperatura aumentará até 6°C na região. Somadas aos efeitos do desmatamento, as mudanças climáticas vão contribuir para a savanização.

Os cenários climáticos previstos pelo relatório apontam o aumento das secas e estiagens prolongadas não só na Amazônia, mas também no Cerrado e na Caatinga e uma elevação da temperatura em todo o país, causando alterações nos ecossistemas.

Para a Caatinga, é esperada uma elevação de até 4,5°C na temperatura e uma redução de até 50% da precipitação. “Essas mudanças podem desencadear o processo de desertificação”, conclui o relatório. No Cerrado, para o mesmo período, estima-se um aumento de 5,5°C e uma diminuição de 45 % no volume de chuva.

Já nos Pampas, deve ocorrer um aumento de 40% na precipitação e de 3°C na temperatura até 2100. Apesar de as previsões terem sido formuladas para ao longo do século, algumas transformações no clima já podem ser percebidas atualmente.

“Nós já observamos aumento de temperatura e alteração no padrão de precipitação em várias regiões do Brasil, bem como o aumento das frequências de eventos climáticos extremos como chuvas e inundações”, afirma Paulo Artaxo, coordenador do programa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) sobre estudos em mudanças climáticas, que também participou do relatório.

Crise anunciada

As periferias nas grandes cidades são as regiões mais expostas aos efeitos das mudanças climáticas. “O processo desordenado de ocupação gerou grande vulnerabilidade”, pontua Nobre. Há algumas décadas, catástrofes provocadas por chuvas intensas, por exemplo, eram registradas a cada dez anos. Atualmente, são de dois a três episódios por ano.

Outro impacto muito sério apontado por Nobre é a tendência de haver menos água disponível na região semiárida do Nordeste. “Essa é a região semiárida mais populosa do mundo. Vai faltar água para o abastecimento humano. Agricultura vai se tornar menos provável no futuro.” A região, marcada pela seca, já sofre especialmente com a falta de chuva dos últimos dois anos.

Se globalmente não houver uma rápida redução dos gases, a região da América do Sul deve ser uma das mais afetadas do mundo – a grande biodiversidade, principalmente da Amazônia, corre um sério risco. “Até 40% das espécies podem não conseguir sobreviver”, comenta nobre. A equação é intangível: ainda não existem estudos que quantifiquem economicamente o que o desaparecimento de espécies significaria.

 

No Cerrado as chuvas devem diminuir 45 %

Aumento do nível do mar

Além dessas mudanças, também já foram identificadas a elevação do nível do mar, alterações nas características das massas de água do oceano e aumento da salinidade em alguns locais.

“O nível do mar está aumentando e variações de 20 a 30 cm esperadas para o final do século 21 já devem ser atingidas, em algumas localidades, até meados do século ou até antes disso”, aponta o estudo.

No Brasil, essa alteração vem sendo reportada pela comunidade científica desde o final dos anos 1980. A intensificação do processo erosivo na costa brasileira na última década é consequência, além da mudança dos padrões de ventos e ondas, também dessa elevação.

O principal vilão do aquecimento global são as emissões de gases de efeito estufa. As maiores fontes de emissão no país são o desmatamento da Amazônia – apesar das reduções significativas nos últimos anos –, o setor agropecuário, a indústria e o setor de transporte com a queima de combustíveis fósseis.

“Colcha de retalhos”

Para o coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF Brasil, Carlos Rittl, o país ainda não desenvolveu uma política integrada para enfrentar o tema. “Apesar de algum progresso nos últimos anos, a agenda climática do Brasil ainda é marginal e não integrada aos grandes planos de desenvolvimento do país,” afirma Rittl.

A organização ambiental critica a destinação dos investimentos do setor de energia: cerca de 700 bilhões de reais vão para os combustíveis fósseis, ou seja, 70% do total destinado ao setor. Desta forma, o país desperdiçaria o grande potencial das fontes renováveis de baixo impacto, como a eólica, solar, biomassa e biocombustíveis, argumenta o WWF.

Outra contradição vista pelo grupo é o investimento de mais de 107 bilhões de reais para produção agrícola e expansão agropecuária, setor que liderou o ranking de emissões do país em 2010, responsável por 35% do total. “Além de representar imensa pressão sobre as florestas nativas do país”, adiciona.

Falta coerência, na opinião do WWF Brasil. Governos e instituições financeiras têm que aumentar os seus investimentos em energia renovável e sustentável e, aos poucos, devem eliminar os gastos em combustíveis fósseis. “O Brasil precisa seguir o mesmo caminho. E não é o que está acontecendo até agora,” conclui Rittl.

Matéria de Clarissa Neher / Nádia Pontes , da Agência Deutsche Welle, DW, publicada pelo EcoDebate, 12/09/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Brasil mais quente e seco pode desencadear crise nos setores agropecuário e energético

  1. Infelizmente para o PBMC e para os Big Greens (que mais atrapalham do que ajudam), matéria publicada ontem no Wall Street Journal anuncia, a partir de um vazamento do próximo relatório do IPCC (AR5) que a sensividade do clima ao CO2 baixou 30%.

    Isto já coloca o relatório brasileiro no sal. Isto torna todo o buzuzu que foi feito nesta semana sobre o tal aumento de 6 graus obsoleto.

    Segundo o vazamento, os números, ainda vagos, são:

    “is “extremely likely” to be above 1 degree Celsius (1.8 degrees Fahrenheit), “likely” to be above 1.5 degrees Celsius (2.4 degrees Fahrenheit) and “very likely” to be below 6 degrees Celsius (10.8 Fahrenheit). ”

    Istes número são abaixo do pior relatório do IPCC já elaborado em 2007 (AR4), mas ainda assim, estão inflados segundo uma razoável literatura produzida nos últimos anos sobre a sensividade do clima ao CO2.

    http://online.wsj.com/article/SB10001424127887324549004579067532485712464.html?mod=WSJ_article_comments#articleTabs%3Darticle

    Adicionalmente, matéria publicada ontem pela Academia Nacional de Ciências dos EUA agora diz que os modelos não estão prontos para fazerem predições acuradas e que será necessário décadas para serem úteis para tomada de decisões políticas:

    http://wattsupwiththat.com/2013/09/13/national-academy-of-sciences-climate-models-still-decades-away-from-being-useful/

    A insanidade está em utilizar estas saídas já comprovadamente erradas para traçar políticas públicas. Apenas interesses oportunistas – e nem sempre benéficos para as pessoas e para a natureza – estão se beneficiando, especialmente nas áreas da agricultura (transgênia e biocombustíveis) e na energia (novamente os biocombustíveis, nuclear e eólicas).

    É hora de parar para pensar, para refletir verdadeiramente e não deixar que grupos de pressão e ativismo nos levem à catastrofe que eles próprios dizem que querem evitar.

    Parece que ventos de sanidade estão soprando na ciência ultimamente. O que está acontecendo na Austrália nesta semana que passou é uma prova de que só com força política é possível desmontar a máquina alarmista que tomou conta dos órgãos científicos de todos os niveis nos últimos anos.

    http://joannenova.com.au/2013/09/coalition-starts-axing-australias-carbon-bureaucrat-machinery/

    Existem muitos e muitos problemas humanitários mais urgentes e pendentes de resolução do que as hipóteses não validadas dos modelos CO2-centrados e já comprovadamente falhos dos nossos cientístas.

    JFB

Comentários encerrados.

Top