Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprova PEC do Trabalho Escravo

 

trabalho escravo: vamos abolir de vez essa vergonha

 

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quinta-feira (27) por unanimidade a chamada PEC do Trabalho Escravo (PEC 57-A/1999). O texto, que há 14 anos tramita no Congresso – permite a expropriação de terras onde houver exploração de trabalhadores. Nesses casos, as terras seriam destinadas à reforma agrária ou a programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao proprietário.

Sob o argumento de que antes de votar a proposta o Congresso precisa definir o que é trabalho escravo, um grupo de senadores, tentou impedir a votação da PEC na CCJ. A votação só foi possível depois de um acordo proposto pelo presidente da CCJ, Vital do Rêgo (PMDB -PB).

O acerto prevê que antes de seguir para a votação em dois turnos no plenário da Casa, uma Comissão Especial Mista de senadores e deputados vai simultaneamente trabalhar na regulamentação desse tipo de crime.

Segundo o relator da proposta, senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), a proposta de emenda à constituição não pode ser aplicada automaticamente. “É preciso que haja uma definição clara sobre o que é o trabalho escravo”, disse. Ele explicou ainda que atualmente os tribunais têm julgamentos conflitantes sobre essa definição. “Também é preciso que haja uma lei que defina qual será o processo judicial de expropriação, porque essa determinação só pode se dar por meio de decisão judicial. São duas leis necessárias para que a emenda constitucional seja eficaz”, disse.

Para dar celeridade à tramitação da PEC, o presidente da CCJ vai definir o prazo para o trabalho da comissão mista com os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN). A expectativa é que a PEC do Trabalho Escravo esteja pronta para votação no plenário do Senado logo depois da volta do recesso parlamentar em agosto.

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, elogiou a iniciativa dos parlamentares: “A CCJ compreendeu a importância dessa PEC”. Ao divulgar na manhã de hoje dados sobre violência homofóbica, Maria do Rosário lembrou que nos últimos dez anos, 540 mil pessoas foram libertadas da condição de trabalhador escravo.

Reportagem de Karine Melo, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 28/06/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprova PEC do Trabalho Escravo

  1. Este pode ser um início interessante não só para se dar um fim a esta grave questão como também para a expansão de sua utilização. Assim sendo, qualquer grande desmatador deveria TER SUAS TERRAS CONFISCADAS. Com certeza, recuperar uma área desmatada demanda muitos anos e tem um custo muito elevado. O confisco deve virar Lei nacional imediatamente, já que os “ruralóides” só pensam em aumentar seus lucros. ESTA É UMA GRANDE BANDEIRA DE LUTA PELA MANUTENÇÃO DE NOSSAS FLORESTAS.

Comentários encerrados.

Top