Pesticidas contaminam ervas da medicina chinesa, alerta Greenpeace

 

Pesticidas contaminam ervas da medicina chinesa, alerta Greenpeace

 

Ervas da medicina tradicional chinesa são contaminadas por um coquetel tóxico de pesticidas, que representam um risco à saúde do consumidor e ao meio ambiente, indicou nesta segunda-feira o grupo ambientalista Greenpeace. Matéria da AFP, no UOL Notícias, com informações adicionais do EcoDebate.

Segundo testes realizados para o estudo do Greenpeace “Ervas chinesas: elixir da saúde ou coquetel de pesticidas?”, o mais recente a abordar os efeitos nocivos da indústria agropecuária chinesa de larga escala, alguns níveis de resíduos superaram em centenas de vezes os padrões de segurança da União Europeia.

“Estes resultados expõem as falhas do atual sistema de agricultura industrial, que é amplamente dependente de produtos químicos às custas da saúde humana e ambiental”, informou o ativista de agricultura ecológica do Greenpeace, Jing Wang.

“As ervas chinesas são usadas como ingredientes alimentares para fins curativos por milhões de pessoas em todo o mundo. São parte simbólica do nosso patrimônio que precisamos preservar. As ervas chinesas devem curar e não prejudicar as pessoas e devem ser livres de pesticidas”, acrescentou.

Segundo o Greenpeace, a exposição a resíduos de pesticidas faz com que produtos químicos tóxicos se acumulem no organismo, provocando dificuldades de aprendizagem, disfunção hormonal e anomalias reprodutivas.

A organização coletou amostras de 65 produtos derivados de ervas e encontrou 51 diferentes tipos de resíduos de pesticidas. Vinte e seis amostras continham pesticidas ilegais na China.

Alguns pesticidas foram encontrados em “concentração extremamente alta”. Os resíduos na flor de San Qi estavam 500 vezes acima dos limites de segurança e mais de cem vezes superior na madressilva.

A publicação do relatório segue uma pesquisa realizada pelo Greenpeace em abril, que revelou que montanhas de lixo perigoso da enorme indústria de fertilizantes fosfatados da China estão poluindo comunidades e reservas hídricas vizinhas.

A China, maior produtor mundial de fertilizantes fosfatados, viu a produção mais que dobrar na década passada para 20 milhões de toneladas no ano passado, gerando 300 milhões de toneladas de um subproduto denominado fosfogesso, que pode conter substâncias nocivas.

O setor agrícola chinês expandiu-se rapidamente nos últimos anos e métodos “intensivos” de agricultura têm sido responsabilizados pela mídia estatal pelos recentes casos de alerta relacionados à indústria alimentar, incluindo um surto mortal de gripe das aves, no começo deste ano.

Nota do EcoDebate: Para acessar o relatório ‘Chinese Herbs: Elixir of Health or Pesticides Cocktail?’, na íntegra e no formato PDF, clique aqui.

 

EcoDebate, 25/06/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top