BA: Empresa de alimentos é processada por trabalho escravo

 

trabalho escravo: vamos abolir de vez essa vergonha

 

Mauricéa Alimentos foi acionada na Justiça por se recusar a pagar trabalhadores explorados

O Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação civil pública contra a empresa Mauricéa Alimentos por prática de trabalho escravo. A ação, assinada pelo procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo, e por mais oito procuradores, pede o pagamento imediato da indenização aos 29 trabalhadores, resgatados em uma granja da empresa em Barreiras (BA) no dia 12 abril.
/
O processo foi protocolado junto a Justiça do Trabalho de Barreira na terça-feira (30), após audiência realizada pelo MPT com a empresa. No encontro, a Mauricéa se recusou a quitar as rescisões de contrato e a reconhecer o vínculo com os funcionários, alegando que eles trabalhavam para a empresa Madonna, que assinava as carteiras de trabalho do grupo.

“Retirar os trabalhadores dessas condições absolutamente degradantes continuará sendo nosso principal objetivo, mas também precisamos enfrentar de uma forma mais eficaz as reincidências, pois não podemos permitir que permaneça a ideia de impunidade”, avaliou Luís Camargo.

A empresa já havia sido processada anteriormente pela prática. Em 2010, o MPT encerrou ação contra a Mauricéa, após assinatura de acordo judicial, em que ela se comprometia a não usar mais mão de obra escrava e a garantir condições de saúde e segurança para seus empregados.

Condições degradantes – Os trabalhadores cumpriam jornadas de trabalho de aproximadamente 14 horas diárias, não utilizavam equipamentos de proteção, estavam em alojamento improvisado, sem água potável e acesso a sanitários. Também não havia local para armazenamento de alimentos e nem para as refeições.

Parte do grupo havia sido recrutado em Brasília e levado para trabalhar no apanhamento de frango (pegar as aves e colocá-las em caixas para transporte). O flagrante de trabalho análogo ao de escravo aconteceu em uma operação conjunta do MPT, do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério do Trabalho e Emprego (MPT), com o apoio das polícias Federal e Rodoviária Federal.

Informações: MPT na Bahia

EcoDebate, 03/05/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top