Deputados alemães ouvem denúncias de moradores sobre poluição da Siderúrgica do Atlântico (TKCSA)

 

Moradores de Santa Cruz, bairro do Rio de Janeiro, sofrem com partículas expelidas pelo processo industrial conhecidas como ‘chuva de prata’. Foto EBC
Moradores de Santa Cruz, bairro do Rio de Janeiro, sofrem com partículas expelidas pelo processo industrial conhecidas como ‘chuva de prata’. Foto EBC

 

Quatro deputados alemães se reuniram ontem (11) com representantes de moradores e pescadores, que moram em localidades próximas a maior siderúrgica da América Latina, a empresa alemã Thyssen Krupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA). Os parlamentares fazem parte da Comissão para o Desenvolvimento Econômico e da Subcomissão de Saúde em Países em Desenvolvimento do Congresso da Alemanha.

A empresa, inaugurada em Santa Cruz, zona oeste do Rio, em 2010, é acusada pelos moradores, pescadores e pelo Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (Pacs), de poluir o ar da região e as águas da Baía de Sepetiba. “Eles falam que acabou, mas não acabou. De oito em oito dias a chuva de prata cai e é dentro da nossa casa”, denunciou dona Celi, moradora há 57 anos no local.

Durante o encontro, os parlamentares ouviram diversos casos de problemas de saúde, que segundo os moradores e pescadores, começaram a surgir depois da instalação da empresa no bairro.

Jorge Pellegrini mora a menos de 200 metros da empresa, no conjunto residencial Alvorada. Ele disse que tem uma doença nos olhos e não pode ter contato com poluentes em suspensão. “Nunca na região teve tanto problema de saúde como agora”, declarou. Ele mora na região há 24 anos.

Para o pescador Jaci Nascimento, morador há 27 anos no conjunto habitacional Novo Mundo, além da questão da saúde, as atividades da empresa interferiram na pesca da região. “Só no Rio São Francisco com três horas de pesca eu saía com três caixas de peixe. Hoje pode passar o dia todo que não sai com 2 quilos de peixe e ainda contaminado. Tem muito peixe morto. E a gente? Não vai morrer também? “, indagou.

A economista do Pacs, Sandra Quintela, disse que desde a inauguração a empresa viola as legislações e até hoje não tem licença de operação. Além disso, ela informou que a TKCSA está em processo de venda e a preocupação, também, é com a possibilidade do passivo da companhia ficar sem solução. “Estamos sabendo da venda da empresa. Ela tem um passivo enorme, não só com financiamento público em empréstimos com BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social], mas também de isenção fiscal no âmbito federal, estadual e municipal. É um passivo enorme que esta empresa quer deixar aqui no Brasil”, disse.

No fim do encontro, o chefe da delegação alemã e presidente da Subcomissão de Saúde em Países em Desenvolvimento, Uwe Kekeritz, disse aos participantes que percebeu divergências entre as informações apresentadas pela empresa e pelos moradores e pescadores.”As informações da imprensa na Alemanha dizem que há emissão de metais pesados, agora, a empresa em si, disse não”, ressaltou. Os parlamentares pretendem também acessar os dados do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para comprovar a veracidade das informações. Eles disseram que para a empresa 115 pescadores estão com processos na Justiça, enquanto que para os representantes da categoria o número é 2.511.

O deputado adiantou que vai levar as folhas das plantas com resíduos da poeira exibidas pelos moradores aos parlamentares para comprovar a poluição causada pela empresa. “Eu vou levar essas folhas para serem analisadas em laboratórios na Alemanha”,disse.

Uwe Kekeritz ponderou, que como alemão, não pode interferir em questões de legislação brasileira dentro do país. “Se a empresa não fosse alemã, o governo brasileiro não permitiria que estivéssemos aqui. A firma é alemã e, por isso, viemos coletar as informações”, disse.

Em entrevista à Agência Brasil, o deputado Uwe Kekeritz informou que será elaborado um relatório com as informações colhidas na empresa e dos moradores para apresentar na comissão. ” Vamos confrontar as informações da ThyssenKrupp na Alemanha”, explicou o parlamentar.

Nesta sexta-feira (12), às 10h, a delegação alemã visita a Fundação Oswaldo Cruz. Eles vão aproveitar a ida à Fiocruz para buscar mais informações sobre os estudos da fundação sobre os reflexos das atividades da TKCSA na saúde dos moradores de Santa Cruz.

Reportagem de Cristina Indio do Brasil, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 12/04/2013

Nota do EcoDebate: Sobre a TKCSA e seus seguidos danos ambientais e riscos à saúde sugerimos que leiam, também:

ThyssenKrupp (CSA) é acusada de prejudicar meio ambiente e saúde de moradores na Baía de Sepetiba, RJ

Rio multa siderúrgica CSA em R$ 10,5 milhões por poluição e determina pagamento de medidas de compensação

Siderúrgica CSA pede desculpas por poluição do bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio

MPRJ requer fim de emissão de poluente da TKCSA

Justiça vai analisar liminar que proíbe siderúrgica TKCSA de despejar ferro-gusa em poços ao ar livre

CSA é uma ameaça grave à saúde do Rio de Janeiro, diz defensor público do estado do Rio de Janeiro

MPRJ denuncia Usiminas por apresentar relatório irregular de auditoria ambiental na TKCSA

Licença definitiva da CSA depende de resultado de auditoria, diz Inea

Thyssenkrupp CSA Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) é denunciada por crimes ambientais pela segunda vez

TKCSA e outros grandes empreendimentos afetam a saúde humana e ambiental, por Raquel Júnia

Fiocruz sugere que saúde de moradores vizinhos da CSA no Rio seja monitorada por 20 anos

Poluição do ar leva governo fluminense a embargar obras da unidade de produção de aço da CSA

TKCSA: População denuncia problemas ambientais e de saúde provocados por siderúrgica

TKCSA: mais uma obra do PAC desrespeita as leis ambientais. Entrevista com Alexandre Pessoa

TKCSA-Licença para impactar: os conflitos na Saúde Ambiental

Fiocruz pede ao Inea cópia do laudo da fuligem expelida pela CSA na zona oeste do Rio

RJ: A Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) será multada novamente por poluição ambiental

RJ: Instituto Estadual do Ambiente (Inea) multa CSA em R$ 1,8 milhão por poluir o ar com material particulado

Companhia Siderúrgica do Atlântico: Audiência pública recolhe queixas sobre obras da maior siderúrgica da América Latina

ONGs reivindicam suspensão de financiamento do BNDES à Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) no Rio

Baía de Sepetiba, RJ:: ThyssenKrupp e Vale do Rio Doce: consórcio que traz morte e destruição, artigo de Sandra Quintela

ThyssenKrupp-Vale contra o meio ambiente, entrevista com o ambientalista Sérgio Ricardo

RJ: MPF aponta erros em licenciamento ambiental da CSA. Estado e Ibama podem responder na Justiça por ilegalidades

Baía de Sepetiba, RJ: Pescadores denunciam siderúrgica por crime ambiental e contra os direitos humanos


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top