Metabolismo intestinal faz carne vermelha elevar risco de doenças cardiovasculares

 

carne

 

Não bastasse a gordura e o colesterol, cientistas descobriram mais uma razão pela qual o consumo de carne vermelha aumenta o risco para doenças cardiovasculares. Segundo uma pesquisa publicada [Intestinal microbiota metabolism of l-carnitine, a nutrient in red meat, promotes atherosclerosis] na revista Nature Medicine, o metabolismo da substância L-carnitina por bactérias no intestino produz uma substância que favorece o acúmulo de gordura nas paredes arteriais, podendo desencadear um processo de aterosclerose. Matéria de Herton Escobar, em O Estado de S.Paulo, com informações adicionais do EcoDebate.

A L-carnitina é um nutriente natural da carne vermelha, também presente em bebidas energéticas e consumido como suplemento alimentar, com a promessa de que ajuda a queimar gordura e emagrecer mais rápido. Os resultados da pesquisa, porém, mostraram que um consumo excessivo da substância pode ser prejudicial à saúde. Não por conta da L-carnitina diretamente, mas de uma substância derivada dela, chamada TMAO.

Em uma série de experimentos comparativos, os cientistas demonstram que há uma relação direta entre a produção de TMAO e risco elevado de doenças cardiovasculares. Um risco que ainda não está totalmente quantificado, mas que “parece ser bastante significativo”, segundo o autor principal do estudo, Stanley Hazen, do Departamento de Medicina Celular e Molecular da Cleveland Clinic, em Ohio.

“Há tempos já se sabe que há um fator de risco para doenças cardiovasculares associado ao consumo de carne vermelha; só que as gorduras saturadas e o colesterol não são suficientes para explicar isso. O que estamos mostrando nesse estudo é um novo mecanismo que ajuda a explicar porque esse risco existe”, disse Hazen ao Estado. “Agora temos mais uma coisa para prestar atenção, e mais um mecanismo no qual podemos intervir na busca de tratamentos.”

As análises foram realizadas com camundongos e seres humanos, incluindo comparações entre veganos, vegetarianos e onívoros. Os resultados indicam fortemente que, quanto maior o nível de TMAO no organismo, maior o risco de desenvolver aterosclerose e outras doenças cardiovasculares. Isso porque o TMAO altera a maneira como o colesterol e os esteroides são metabolizados no organismo e inibe um processo chamado “transporte reverso de colesterol”, que resulta num aumento do acúmulo de gordura nas paredes internas das artérias – mesmo que os níveis de colesterol circulante no sangue continuem normais, ressalta Hazen. “Talvez isso explique porque algumas pessoas desenvolvem aterosclerose mesmo sem ter colesterol alto”, pondera o médico.

Serviço de bactérias. Os resultados também revelam que quem faz a conversão de L-carnitina em TMAO (passando antes por uma molécula intermediária chamada TMA) são bactérias intestinais – estabelecendo, assim, uma relação inédita entre hábitos alimentares, composição da flora intestinal e doenças cardiovasculares. Sem essa mediação metabólica das bactérias, a L-carnitina não é transformada em TMAO e o risco desaparece.

Camundongos que receberam antibióticos para eliminar sua flora intestinal não produziram TMAO e não desenvolveram aterosclerose, mesmo quando alimentados com níveis elevados de L-carnitina. O mesmo fenômeno foi observado em pessoas vegetarianas ou veganas, o que indica que a dieta influencia a composição da flora intestinal: pessoas que deixam de comer carne aparentemente perdem as bactérias que fazem o metabolismo da L-carnitina e têm níveis naturalmente menores de TMAO no sangue.

“A mensagem principal não é que se deva parar de comer carne, mas que a moderação é importante, com uma redução na frequência de consumo e no tamanho das porções”, afirma Hazen.

Para aqueles que usam a L-carnitina ou TMAO como suplemento alimentar, o pesquisador também recomenda cautela. “Não é só o que você consome em cada refeição. A exposição prolongada à L-carnitina altera a composição da flora intestinal, tornando a pessoa mais vulnerável à doenças cardiovasculares”, reforça Hazen.

Um segundo estudo com estimativas mais quantitativas do risco associado a essas substâncias deve ser publicado no fim deste mês.

Intestinal microbiota metabolism of l-carnitine, a nutrient in red meat, promotes atherosclerosis
Nature Medicine (2013) doi:10.1038/nm.3145
http://www.nature.com/nm/journal/vaop/ncurrent/full/nm.3145.html

EcoDebate, 09/04/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Metabolismo intestinal faz carne vermelha elevar risco de doenças cardiovasculares

  1. Bastante complexo o estudo. Muito difícil entender todas as variáveis a partir de um artigo tão curto. As pesquisas em torno da flora bacteriana humana estão só no começo e este estudo, acredito, deve contribuir. No entanto é importante ressaltar duas coisas. Primeiro, toma-se por incontestável que carne vermelha faz mal. Há estudos que contestam essa afirmação, chamando a atenção para a origem da carne consumida. Segundo, não fica claro neste artigo que carne é consumida pelos grupos de controle, nem como era a alimentação em geral das cobaias e dos grupos humanos. Tudo isso influencia na maneira como o corpo processa os alimentos.

    Resposta do EcoDebate:

    Prezada Luciana,

    A matéria jornalística apresenta uma síntese das conclusões do estudo, visando socializar a informação. Na matéria está identificado o acesso ao estudo na íntegra, que, melhor do que qualquer outra fonte, pode melhor esclarecer os seus questionamentos.

    Veja o estudo: Intestinal microbiota metabolism of l-carnitine, a nutrient in red meat, promotes atherosclerosis
    Nature Medicine (2013) doi:10.1038/nm.3145
    http://www.nature.com/nm/journal/vaop/ncurrent/full/nm.3145.html

    Atenciosamente

    Redação do Portal Ecodebate

  2. Eu acho que a resposta dada a Luciana Camara pela Redação do Portal Ecodebate é mais do que completa e coerente, existe muito mais malefícios do que benefícios no consumo de carne vermelha.
    Sou ovo-lácteo-vegetariano e graças a Deus não possuo nenhum tipo de doenças ou indícios de doenças relacionadas ao sistema cardio vascular.

Comentários encerrados.

Top