Relatório avalia os impactos das mudanças climáticas na Europa, confirmando necessidade urgente de adaptação

 

Relatório avalia os impactos das mudanças climáticas na Europa, confirmando necessidade urgente de adaptação

 

A mudança climática está afetando todas as regiões da Europa, causando uma série de impactos sobre a sociedade e o meio ambiente. Impactos são esperados no futuro, potencialmente causando custos elevados danos, de acordo com a última avaliação publicada pela Agência Européia do Ambiente.

O relatório “As mudanças climáticas, impactos e vulnerabilidade na Europa 2012” [Climate change, impacts and vulnerability in Europe 2012] indica que temperaturas médias mais elevadas foram observadas em toda a Europa, bem como diminuição da precipitação nas regiões no sul e aumento da precipitação no norte da Europa. A camada de gelo da Groenlândia, o gelo do mar Ártico e muitas geleiras em toda a Europa estão derretendo, a cobertura de neve diminuiu e a maioria dos solos permafrost estão descongelando.

Eventos climáticos extremos, como ondas de calor, inundações e secas causaram grandes danos, com custos crescentes, em toda a Europa nos últimos anos. Enquanto são necessárias mais provas para discernir o papel desempenhado pela mudança do clima nessa tendência crescente e avaliar a atividade humana em áreas sujeitas a risco tem sido um fator chave. Futuras alterações climáticas deverão potencializar essa vulnerabilidade, na medida em que eventos climáticos extremos devem se tornar mais intensos e freqüentes. Se as sociedades européias não se adaptarem, os custos dos danos também continuarão a crescer, de acordo com o relatório.

Algumas regiões serão menos capazes de se adaptar às mudanças climáticas do que outras, em parte devido a disparidades econômicas em toda a Europa, diz o relatório. Os efeitos da mudança climática poderiam aprofundar essas desigualdades.

Jacqueline McGlade, Diretora Executiva da AEA, disse: “A mudança climática é uma realidade em todo o mundo, e a extensão e a velocidade da mudança é cada vez mais evidente. Isto significa que todas as partes da economia, incluindo as famílias, precisam se adaptar, bem como reduzir as emissões.”

Observando a mudança do clima e projeções – as principais conclusões

A última década (2002-2011) foi a mais quente já registrada na Europa, com a temperatura do solo europeu 1,3° C mais quente do que a média no período pré-industrial. Várias projeções do modelo mostram que a Europa poderia ser de 2,5 a 4° C mais quente, ao final do século 21, em relação à média de 1961-1990.

As ondas de calor têm aumentado em freqüência e duração, causando dezenas de milhares de mortes ao longo da última década. O aumento projetado de ondas de calor pode aumentar o número de mortes nas próximas décadas, a menos que as sociedades se adaptem, diz o relatório. No entanto, mortes relacionadas ao frio devem diminuir em muitos países.

Enquanto que a precipitação está diminuindo nas regiões ao sul, ela é crescente no norte da Europa, de acordo com o relatório. As projeções indicam que estas tendências devem continuar. As projeções indicam que, em razão da mudança climática, devem aumentar as inundações, especialmente no norte da Europa, porque temperaturas mais altas devem intensificar o ciclo da água. No entanto, é difícil discernir a influência das alterações climáticas nas enchentes registradas no passado.

Por outro lado, as secas estão mais intensas e freqüentes no sul da Europa. As projeções indicam que as vazões dos rios devem diminuir significativamente durante o verão no sul da Europa, mas também em muitas outras partes da Europa em diferentes graus.

O Ártico está esquentando mais rápido do que outras regiões. O registro mais baixo do gelo no mar foi observado no Ártico em 2007, 2011 e 2012, caindo para cerca de metade da extensão mínima vista na década de 1980. O derretimento do gelo da Groenlândia dobrou desde a década de 1990, perdendo uma média de 250 bilhões de toneladas de massa a cada ano entre 2005 e 2009. As geleiras nos Alpes perderam cerca de dois terços do seu volume desde 1850 e estas tendências são projetadas para continuar.

O nível do mar está aumentando, potencializando o risco de inundações costeiras durante tempestades. O nível do mar, na média global, aumentou 1,7 milímetro por ano ao longo do século 20 e 3 milímetros por ano nas últimas décadas. As projeções futuras variam amplamente, mas é provável que, no século 21, o aumento do nível do mar será maior do que durante o século 20. No entanto, o aumento do nível do mar em costas européias varia muito, exigindo avaliações locais.

Além de impactos relacionados ao calor, outros efeitos importantes na saúde humana também são esperados, diz o relatório. A mudança climática tem um papel na transmissão de certas doenças. Por exemplo, isto permite que a espécie de carrapato Ixodes ricinus prospere mais a norte, enquanto que o aquecimento pode fazer com que parte da Europa torne-se mais adequada para vetores de doenças como os mosquitos. A temporada de pólen é maior e chega 10 dias mais cedo do que há 50 anos, também afetando a saúde humana.

Muitos estudos têm medido amplas mudanças nas características de adaptação de vegetais e animais. Por exemplo, as plantas estão florescendo mais cedo. Animais e plantas estão se movendo para o norte, na medida em que os habitats se aquecem. Uma vez que a taxa de migração de muitas espécies é insuficiente para manter o ritmo em relação à velocidade do aquecimento, muitas poderiam ser extintas por não terem tempo para adaptar-se às novas condições dos habitats.

Embora no sul da Europa possa haver menos água disponível para a agricultura, é possível que as condições de cultivo melhorem noutras zonas. Na Europa, o período de cultivo de várias culturas prolongou-se e essa tendência deverá manter-se, em paralelo com a expansão de culturas das estações quentes para latitudes mais setentrionais. Contudo, prevê-se uma redução de algumas culturas, devido às ondas de calor e a secas, no centro e no sul da Europa.

Com o aumento das temperaturas, a demanda por aquecimento caiu, economizando energia. No entanto, isso deve ser equilibrado com maiores demandas de energia para resfriamento durante os verões mais quentes.

Climate change, impacts and vulnerability in Europe 2012.pdf [32.0 MB]

EcoDebate, 29/11/2012, com informações da European Environment Agency (EEA)

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top