Siderúrgica CSA pede desculpas por poluição do bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio

 

notícia

 

Multada em R$ 10,5 milhões pela Secretaria Estadual do Ambiente (SEA) por poluir o ar, a ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) desculpou-se hoje (1º) e disponibilizou uma linha telefônica para tirar dúvidas da população. Duas localidades do bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, onde vivem 5 mil pessoas, foram afetadas por um vazamento de resíduos.

É a terceira vez que a siderúrgica é autuada pelo crime ambiental chamado nuvem de prata. A companhia, que é uma das maiores da América Latina, foi multada em R$ 4,6 milhões – R$ 1,8 milhão em 2010 e R$ 2,8 milhões em 2011. Desta vez, também terá que pagar 4,5 milhões em medidas de compensação, como plantio de 15 mil árvores.

Na última segunda-feira (29), por falta de umidificação, que é feita com auxílio de carro-pipa, ventos associados ao tempo seco espalharam pelo ar, no entorno da CSA, resíduos de escória – subproduto da produção de ferro usado na construção civil –, que contém grafite. A companhia informou ter detectado o problema após minuciosa apuração interna.

“A TKCSA reconhece que o grafite é oriundo do seu processo de produção e desculpa-se com seus vizinhos pelo incômodo”, diz a siderúrgica, em nota.

Apesar da preocupação de técnicos da SEA com o agravamento de problemas respiratórios, alérgicos e dermatológicos entre os moradores de Santa Cruz, a CSA diz que a substância não é tóxica e informa que tomou todas as medidas para “ajustar procedimentos como o aumento da frequência da umidificação para o caso de condições climáticas semelhantes”.

De manhã, em entrevista coletiva, o secretário Carlos Minc disse que não vai mais tolerar acidentes deste “em uma das companhias mais modernas do planeta”. Minc prometeu endurecer mais ainda nas multas e ameaçou embargar a companhia, se a situação se repetir. “A paciência acabou. Eles não podem brincar com a saúde das pessoas.”

Cumprindo um termo de ajustamento de conduta, a CSA passou dois anos sem registrar vazamento de resíduos, em função de modificações nos procedimentos e de investimentos em novos equipamentos. Somente o revestimento para “enclausurar” um dos poços onde substâncias são tratadas, conforme determinado pela secretaria, custou R$ 40 milhões.

“Não é aceitável que, pela terceira vez, uma empresa cause um incômodo a 5 mil pessoas. Não é que mate [a nuvem de prata], mas quem tem asma entra em crise, quem tem doença de pele empola”, exemplificou Minc, que também criticou o aumento da poeira no bairro de Santa Cruz.

O telefone da CSA para tirar dúvidas sobre o vazamento é 0800 021 51 23. A ligação é gratuita.

Reportagem de Isabela Vieira, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 03/11/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top