Especialistas alertam para banalização do uso de remédios tarja preta em crianças

 

remédio

Alexandra Martins
Marilene Proença (conselheira do Conselho Federal de Psicologia)
Marilene: chega-se a estabelecer que chorar a morte de um ente querido por mais de 15 dias seria indicativo de depressão.

Especialistas alertam para a banalização do uso de medicamentos de tarja preta para conter supostos distúrbios e transtornos em crianças e adolescentes. O tema foi debatido, nesta quarta-feira, em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

De acordo com o Conselho Federal de Psicologia, é cada vez mais comum médicos receitarem psicotrópicos para tratamento de dificuldades de aprendizagem, manifestada por dislexia, transtorno de déficit de atenção (TDA) e hiperatividade, por exemplo.

O Metilfenidato é o mais usado: sua comercialização subiu de 70 mil caixas vendidas em todo o mundo, no ano 2000, para mais de 2 milhões de caixas, em 2010. O Brasil é o segundo maior consumidor desse medicamento, análogo às anfetaminas e com sérios efeitos colaterais.

Medicalização
A representante do Conselho Federal de Psicologia, Marilene Proença, afirmou que esse é um típico caso da chamada “medicalização”, em que problemas de ordem social são tratados como doença, apesar da falta de base científica para o diagnóstico. “Elas estão sendo vítimas da compreensão de que o fenômeno educativo é algo apenas do âmbito do indivíduo. Então, quando se tem uma criança que não lê, não escreve e não presta atenção, não se questiona a escola que está sendo oferecida a ela, mas se considera que é ela quem não está tendo a atenção necessária e que isso seria uma patologia.”

Diante da abrangência do problema não só entre crianças e adolescentes, foi lançado o Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade, que denuncia a banalização do uso de vitaminas, ansiolíticos e de medicamentos fitoterápicos, alopáticos e homeopáticos. Alguns causam dependência.

De acordo com a professora do Departamento de Pediatria da Unicamp e integrante do Fórum sobre Medicalização, Maria Aparecida Moisés, os principais alvos da medicalização são as áreas de comportamento e de aprendizagem, “não por acaso, as mais difíceis de diagnosticar”. Ela acrescentou que o problema da medicalização é coletivo, social, político, econômico, cultural. “Esses problemas são individualizados. Em vez de se discutir a política educacional, as instituições e que sociedade é essa que estamos construindo – cada vez mais produtivista, mercadológica e competitiva -, a gente fica discutindo qual é o transtorno de cada uma das pessoas, como se elas é que tivessem o problema”.

Maria Aparecida afirmou ainda que agora surgiu outro transtorno, o TOD, que é o Transtorno de Oposição Desafiadora, que é quem questiona muito. “Quem sonha tem déficit de atenção. Eu não nego que há pessoas com mais dificuldade para aprender, que aprendem de modos diferentes e com comportamento muito fora do padrão. A questão é: o que está acontecendo com essas pessoas, que geralmente estão pedindo socorro? A gente está precisando reaprender a enxergar as crianças e os adolescentes e a escutar o que eles têm a nos dizer”.

Alexandra Martins
Audiência Pública. Tema: Aplicação de concepções
Roseli Caldas: a medicalização é um fenômeno presente nas redes pública e privada de educação.

Protocolos e questionários
Para a professora da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee) Roseli Fernandes Caldas, a medicalização é um fenômeno presente nas redes pública e privada. “A situação é grave e de nível nacional”. Ela manifestou preocupação com os protocolos seguidos pelos médicos para o diagnóstico de tais transtornos, baseados em questionários, de caráter opinativo, preenchidos por professores ou pais.

Na opinião da conselheira Marilene Proença, doenças neurológicas deveriam ser muito bem comprovadas para existirem. “As bases diagnósticas dessa pretensa doença neurológica estão baseadas simplesmente em opiniões e observações”.

Marilene assinala que sentimentos como tristeza, alegria e medo passaram a ser medidos e, se ultrapassarem uma determinada métrica geral para toda a população, são transformados de sentimentos legítimos em diagnósticos patológicos, tratados com anfetaminas, estimulantes e outros medicamentos de tarja preta que provocam dependência. “Nessa métrica, chega-se ao cúmulo de estabelecer que é possível chorar a morte de uma pessoa querida por 15 dias. Mais do que isso, seria indicativo de um quadro depressivo passível de medicação”.

Marketing da indústria farmacêutica
Os especialistas atribuem essa tendência ao marketing da indústria farmacêutica, que oferece brindes aos médicos pela quantidade de remédios de determinada marca receitados aos pacientes.

O consultor de saúde da criança do Ministério da Saúde, Ricardo Carafa, reconheceu a gravidade do tema e o mau preparo dos médicos para lidar com o problema. “A discussão sobre a medicalização é pouco feita no Brasil. Quer na sua formação, quer depois, na sua prática, o médico não tem muito conhecimento sobre isso. A indústria farmacêutica joga todo um peso por meio de material informativo, congressos e faz com que o médico comece a aceitar esse tipo de doença como realidade, quando, na verdade, não é”.

Carafa admitiu que o Ministério da Saúde não tem dados concretos sobre os diagnósticos, mas sim sobre o aumento vertiginoso na venda dos psicotrópicos. O processo teria começado por volta dos anos 1990, mais concentrado nas classes média e alta. Agora, estaria disseminado pela população de todas as classes sociais. “É assustador: uma epidemia de diagnósticos que gera uma enxurrada de medicação”.

O consultor defendeu ações intersetoriais (educação, saúde, assistência social, etc) para o desenvolvimento de alternativas terapêuticas.

Discussão no Legislativo
A deputada Erika Kokay (PT-DF) manifestou a intenção de promover um seminário na Câmara para debater a elaboração de uma política nacional para o tratamento adequado de pessoas com transtornos emocionais.

Marilene Proença citou um levantamento do Conselho Federal de Psicologia que constatou, de 2003 a 2011, a tramitação de 18 projetos de lei na Câmara, Senado, Assembleia Legislativa de São Paulo e Câmara Municipal de São Paulo que visam inserir, na rede pública de educação e saúde, programas de diagnósticos e de tratamento de supostos transtornos, com destaque para a dislexia e o transtorno de deficiência de atenção e hiperatividade (TDAH).

Ela criticou tais propostas, que estariam tentando criar novas instâncias de diagnósticos e de avaliação de crianças e adolescentes, em vez de reforçar formas de investir na melhoria da qualidade na escola. O conselho defende a rejeição de tais propostas e a adoção de campanhas educativas e de esclarecimento sobre os malefícios dos psicofármacos neste tipo de tratamento.

Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Regina Céli Assumpção

Matéria da Agência Câmara de Notícias, publicada pelo EcoDebate, 13/07/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

3 comentários em “Especialistas alertam para banalização do uso de remédios tarja preta em crianças

  1. Vivemos no tempo da banalização. Banaliza-se quase tudo, os valores, a saúde, as doenças e as soluções para elas. Neste quesito, a ignorância tem gerado ganhos sempre maiores para a saciar a ganância daqueles profissionais médicos sem consciência e para os laboratórios.

    No que tange às crianças, elas estão sendo vítimas de pais irresponsáveis e também de médicos despreparados que, sem um diagnóstico confiável, receitam sistematicamente remédios tipo Ritalina como se estivessem distribuindo doces a elas. Crianças submetidas a “drogas legais” na infância, correm o sério risco de quando adolescentes ou adultas, virem a usar “drogas ilegais”. E a responsabilidade é de todos que pela ação, omissão ou indiferença compactuam com isso.

  2. As agências reguladoras nacionais e a destruição da saúde pela Anvisa

    Por: José Ortiz Camargo Neto

    O povo brasileiro é extorquido hoje por tarifas de pedágio escorchantes nas rodovias, setor regulado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (Antt); é enganado, maltratado e até roubado por empresas concessionárias de telefonia, cuja atividade é regulada pela Anatel; médicos e pacientes pelo Brasil afora sentem-se lesados por planos de saúde que estão no âmbito de regulação da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar); finalmente, assistimos a uma verdadeira inquisição sanitária praticada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) contra práticas terapêuticas saudáveis e queridas pelo povo brasileiro, que são sistematicamente proibidas pela agência (como o aveloz, a babosa e a auto-hemoterapia), num sério prejuízo à saúde da polulação.

    Não é à toa que foram movidos 83 mil processos na Justiça brasileira contra tais agências, criadas entre 1996 e 2001 no Brasil, na esteira das privatizações, pois elas constituem uma anomalia, uma excrescência jurídica no ordenamento jurídico nacional, atrapalhando o funcionamento normal da Democracia; basta ver as derrotas que a Anvisa vem sofrendo na Justiça por serem consideradas ilegais e inconstitucionais muitas de suas resoluções. Mesmo nos EUA, pátria-mãe das agências, estes organismos são considerados antidemocráticos, despóticos e nocivos, motivo pelo qual tem sido empreendido enorme esforço para neutralizá-los.

    O objetivo desta obra é ajudar a restabelecer a ordem democrática plena em nosso país, devolvendo aos legítimos representantes políticos do povo o poder de governar – sem o entrave de um poder burocrático e tecnocrático paralelo, que impede o funcionamento normal da nação.

  3. É lamentável que os seres humanos se tratem dessa forma, por visar apenas o lucro. É certo que a prática pedagógica em muitos casos é a causa do desinteresse do aluno, porém verifica-se hoje o nível de desobrigação da família em relação à função de dar limites e educar seus filhos, transferindo-a para a Escola. Mais do que doenças psicológicas, as crianças sofrem de males como a falta de atenção dos pais, a falta de amor e muitas vezes só estão querendo chamar a atenção sobre isso. Antes dos médicos passarem psicotrópicos para as crianças, que tal tentar diagnosticar o TDAP (Transtorno de Deficit de Atenção dos Pais)?

Comentários encerrados.

Top