Grupo Móvel liberta 52 pessoas de trabalho análogo ao de escravo em três fazendas no Pará

 

Ação ocorreu em Tailândia e foram pagos R$ 168,9 mil em verbas rescisórias

Ação realizada por fiscais do Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) no município de Tailândia (PA) resgatou 52 empregados encontrados em situação análoga a de escravo, num conjunto de três fazendas. Entre os resgatados, foram encontrados quatro adolescentes: uma garota de 15 anos, cozinheira; dois garotos com idades entre 13 e 14 anos, que lapidavam mourões e estacas com machado; e outro de 16 anos, que roçava o mato com foice para abrir ramal por onde passavam com as toras.

Em um dos acampamentos – num total de sete, espalhados pela fazenda – também foi encontrada uma trabalhadora grávida, de cinco meses, que era cozinheira, além de famílias que residiam com crianças, em barracos de lona, na mata.

Os trabalhadores receberam R$ 168,9 mil em verbas rescisórias. Foram emitidas 15 CTPS, lavrados 24 autos de infração e apreendidas 11 armas.

Fonte: MTE

EcoDebate, 03/02/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Grupo Móvel liberta 52 pessoas de trabalho análogo ao de escravo em três fazendas no Pará

  1. Infelizmente moro num estado que está na UTI, acometido de dois grandes tumores malignos, um é o agronegócio e o outro chama-se setor madeireiro,essas duas chagas juntas são responsáveis por todas as mazelas sociais e ambientais que este estado ora vem sofrendo sem dó nem piedade, pois os dois só almejam lucros e mais lucros, restando ao Pará apenas miséria e destruição.

Comentários encerrados.

Top