Belo Monte: O Brasil está patrocinando o maior desastre socioambiental do Planeta, artigo de Antonio Germano Gomes Pinto

 

[EcoDebate] O governo brasileiro do Partido dos Trabalhadores, esta patrocinando o maior desastre Sócio Ambiental de todos os tempos, a nível mundial, indo contra a opinião quase unânime do povo brasileiro, construindo ao arrepio da lei e da vontade popular, o grupo de usinas intitulado Belo Monte.

Um partido que se diz democrata está atropelando a opinião publica e desrespeitando a Legislação Ambiental Brasileira.

Então vejamos:

Desgaste político com decisões injustificáveis:

a) O Governo baseou sua decisão num EIA-RIMA encomendado pelos futuros empreiteiros que apesar de bastante tendencioso, aponta vários e sérios impactos negativos.

b) Apesar do clamor dos brasileiros que vêm denunciando tão nefasto empreendimento, através da mídia e das audiências públicas, vêm sendo ignorado, simplesmente porque repudia as pretensões duvidosas do Governo defendendo seus obscuros interesses, numa demonstração de prepotência e arrogância;

c) Um painel de quarenta especialistas condena a construção das usinas de Belo Monte, avaliando e analisando o custo benefício da desastrosa empreitada;

d) Usinas só funcionarão quatro meses por ano, no período das cheias;

e) Que se tenha conhecimento, nenhuma ONG ou instituição isenta ou que não tenha interesse econômico sobre o empreendimento Belo Monte defende os “ideais” do Governo;

f) Diria mesmo que nenhum cidadão esclarecido será capaz de aplaudir o conglomerado de usinas Belo Monte!

Destruição do Meio Ambiente:

a) Para execução da obra, haverá a necessidade de uma gigantesca movimentação de terra;

b) Construção de infra estruturas de entorno, vias de acesso, alojamentos, residências, comércio, estações de tratamento de água e esgoto, etc,

c) Além do alagamento natural com destruição das florestas no local da represa, as florestas vicinais também serão destruídas para construção dos prédios e galpões administrativos;

d) O impacto destrutivo na fauna e na flora será incomensurável e irreversível. Muitas espécies deixarão de existir;

e) O clima da região será alterado com tendência à longas e imprevisíveis estiagens porque o verde, a floresta será substituída por um espelho de água. A explicação é simples: Tomemos como exemplo uma folha viva, presa em uma arvore com dez centímetros quadrados. Essa folha recebe do tranco do vegetal onde está presa, sob pressão capilar, água em estado quase molecular em seus dois lados. A evaporação dos dois lados da folha vegetal será maior ou menor, dependendo dos ventos, calor ambiente, pressão do ar e quantidade de seiva (água) fornecida pelo tronco. A superfície evaporativa, no exemplo, será de vinte centímetros quadrados, dos dois lados da folha. Imaginemos a evaporação das florestas com seus milhões de folhas! As folhas criam uma maior intimidade entre o ar e o vapor de água porque a tensão superficial da água deixa de existir, conseqüência do efeito capilar. No espelho de água, o vapor da própria água terá de vencer a tensão superficial antes de se formar, além de ter sua superfície evaporativa muito menor. Tantas vezes menor quanto a quantidade de folhas verdes existentes na floresta. Podemos nos preparar para termos em torno da represa um “deserto ciliar” que irá se expandindo ao longo dos anos.

f) A represa irá cobrir a vegetação, provocando a decomposição anaeróbia da massa verde submersa. A biomassa se decompondo irá liberar para atmosfera o gás metano vinte e uma vezes mais poluidor do que o gás carbônico.

g) A massa de água acumulada pela represa poderá causar, devido ao seu peso, alterações geológicas capazes de induzir tremores e terremotos de terra nos países situados na borda Oeste da Placa Tectônica, como por exemplo, no Chile.

Diante do exposto, ficam as perguntas:

a) O que leva o Governo a praticar tamanha aberração?

b) O que existe realmente por traz desta obra faraônica?

c) Será que nossa Presidente também não estará sendo enganada por nossos “honestíssimos políticos”?

Antonio Germano Gomes Pinto, Engenheiro Químico, Químico Industrial, Bacharel em Química com Atribuições Tecnológicas, Licenciado em Química, Especialista em Recursos Naturais com ênfase em Geologia, Geoquímico, Especialista em Gestão e Tecnologia Ambiental, Perito Ambiental, Auditor Ambiental e autor de duas patentes registradas no INPI, no Merco Sul, na UE, na World Intellectual Property Organization números WO2000/027503 and WO 1996/015081 e em grande número de países.

Registros Profissionais:
Engenheiro Químico – CONFEA 200136654-0 e CREA/RJ 1998103814
Químico Industrial: CRQ 3ª Re. 03302170.
Professor: MEC 19.563.
World Intellectual Property Organization numbers WO2000/027503 and WO 1996/015081

EcoDebate, 07/12/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

4 comentários em “Belo Monte: O Brasil está patrocinando o maior desastre socioambiental do Planeta, artigo de Antonio Germano Gomes Pinto

  1. Caros compatriotas,

    Vi na TV e recebi e-mail com o seu manifesto contra a construção da “Hidroelétrica de Belo Monte”. Na sua maioria, vocês são artistas extremamente talentosos que nos comovem com suas maravilhosas interpretações e que nos fazem acreditar que os personagens das novelas e peças de teatro são reais. Por isso mesmo vocês são queridos, populares e influentes. Como popularmente se diz, têm o dom “de fazer a cabeça” de muitos de nós que somos platéia. De muitos, mas não de todos.

    Vocês perguntam: “sabe o que é desenvolvimento sustentado?; o que é energia limpa?; já foi à Amazônia?; etc. Presume-se que, ao formularem tais perguntas sabem todas as respostas e através de um manifesto vão nos dar uma aula sobre esses temas. Nós, que não sabemos tanto, com o conhecimento adquirido de vocês vamos todos nos alinhar com a sua causa. Mesmo por que, se não o fizermos não estaremos “defendendo o Brasil”.

    Pessoalmente, portanto falando apenas por mim, sem mídia, sem produção, sem maquiagem e até sem coragem para falar em público, escondo-me atrás do computador e timidamente me exponho através desse correio para devolver-lhes outras perguntas. Vocês sabem o que é “subdesenvolvimento?; miséria?; má distribuição de renda?; desemprego?; precário acesso a serviços básicos (educação, saúde, saneamento)?; marginalidade e degradação social?”. Certamente também se posicionaram contra a transposição DE UM FILETE INSIGNIFICANTE das águas do Rio São Francisco PARA MATAR A SEDE DE 12 MI DE PESSOAS DO SEMIÁRIDO, com os absurdos e ilógicos argumentos daqueles que buscavam impedir a sua realização.

    Pergunto-lhes, ainda, de onde vem a energia que lhes assegura conforto em suas casas, escritórios, teatros, estúdios, iluminação de vias públicas etc. Qual a fonte de energia que move nossas fábricas e irriga nossas lavouras? Como garantir a contínua expansão da economia, garantindo a geração de empregos formais, de qualidade, para todos. Seria energia eólica + energia solar?

    Outra coisa: que autoridade tem uma atriz norte-americana (Daryl Hannah) para criticar a construção de “Belo Monte”. Será que ela conhece a matriz energética de seu país? Já se manifestou contra ela? Algum de vocês foi lá fazer isso?

    Portanto compatriotas, a não ser que deixem de consumir energia gerada em Itaipú, Tucuruí, Furnas/MG, Paulo Afonso, Sobradinho, Três Marias, São Simão, Ilha Solteira etc., proponho que repensem o seu manifesto e passem a se preocupar mais com as condições de vida dos grandes contingentes populacionais de nosso Brasil – atuais e futuras gerações.

    Desculpem o desabafo. Adoro vê-los e ouvi-los nos teatros e na TV.

    Mauro Santos Ferreira (73 anos)
    Aposentado

  2. O amigo tem toda a razão!
    A vida animal, na qual se inclue nós seres humano, não pode sobreviver sem energia.
    Mas por que vamos gerar energia destruindo o Meio Ambiente? Por que não usarmos a inteligência, o engenho humano para produzir energia limpa?
    Um País Tropical como o nosso tem em abundância vento, sol o ano todo, as ondas do mar, a biomassa, etc.
    Por que vamos deixar um bando de oportunista destruir nossas florestas, nossa fauna e flora?
    Pelo menos vamos protestar, gritar, até que nos ouçam!

  3. Mauro Santos Ferreira finaliza seu comentário fazendo referência aos “GRANDES CONTINGENTES POPULACIONAIS”. É aí que está o problema. Os grandes contingentes populacionais humanos destruirão, inevitavelmente, as condições de vida no planeta Terra.
    Muitas espécies já foram extintas, e muitas outras se encontram em processo de extinção.
    E poderemos vislumbrar a reversão desse caos?
    Não.

  4. Mais uma vez a voz do Povo não está sendo ouvida e somos obrigados a aceitar decisões que vão beneficiar somente os cofres dos políticos com suas promessas falsas de amparo às famílias que serão desabrigadas, comércios que serão perdidos e dados como falidas e animais e plantas totalmente devastadas e extinguidas. Homem brincando de Deus!…Isto é Democracia?
    QUE PAÍS É ESSE???? QUE PAÍS É ESSE….?????? JÁ DIZIA RENATO RUSSO…A TANTOS ANOS…..

Comentários encerrados.

Top