Belo Monte e as cobras, artigo de Rodolfo Salm

 

[Correio da Cidadania] Conta o artigo “Devemos ter medo de Dilma Dinamite?,” de Eliane Brum, repórter especial da revista ÉPOCA (publicado em setembro no blog Brigada Contra a Corrupção Brasileira), que, em 2004, a então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, concedeu uma audiência a Antônia Melo, liderança na luta contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte, sobre os estudos para a construção da barragem. Segundo Eliane, depois de ouvir brevemente as preocupações de seus interlocutores com o projeto, Dilma teria apenas dado um murro na mesa, dito “Belo Monte vai sair”, levantado e ido embora. Em 2009, o então presidente Lula pegou pelo braço Dom Erwin Kräutler, bispo do Xingu e disse: “Não vamos empurrar esse projeto goela abaixo de ninguém”. Empurraram. Dom Erwin voltou para Altamira com a promessa de Lula de que uma nova audiência seria marcada para conversarem mais sobre os receios da comunidade local, o que nunca aconteceu.

Durante o período do licenciamento ambiental da usina, Dilma e Lula se alternavam num padrão que lembra a rotina do “tira bom, tira mau” ( “good cop, bad cop”), dos policiais norte-americanos, em que um intimida o interlocutor enquanto outro se faz passar por seu protetor.

Além disso, quem acompanha de perto a questão da construção da usina vê que a tão falada “faxina contra a corrupção” que Dilma estaria fazendo não passa, se muito, de uma limpeza muito superficial. Isso porque se restringe a questões pontuais nos ministérios dos Transportes e do Turismo e não toca, por exemplo, na corrupção associada ao setor elétrico, onde se armam os maiores golpes da atualidade.

Toda a questão do enriquecimento inexplicado de Antonio Palocci é pequena se comparada às denúncias envolvendo seu irmão Adhemar Palocci, sempre diretor da Eletronorte. Ele é acusado em uma série de casos de corrupção envolvendo a indústria barrageira, inclusive do recebimento de propina da empresa Camargo Corrêa (segundo o relatório da Polícia Federal na Operação Castelo de Areia). Escândalos que o unem a Walter Cardeal, braço direito da Dilma desde os tempos da Secretaria de Energia do Rio Grande do Sul. Todos esses, apadrinhados de José Sarney, continuam atuando livremente.

Há evidências dos “malfeitos” (diga-se, a roubalheira) ligados a esta barragem? Sim e elas não poderiam ser mais abundantes. Para quem ainda precisa ver para crer, sugiro o vídeo “Corrupção comandou liberação de Belo Monte em Altamira, no Pará”, que tem circulado na internet e comprova a compra de votos de vereadores de Altamira para facilitar a implantação da hidrelétrica na nossa região. Logo no início do filme de cerca de 3 minutos, repleto de denúncias gravíssimas, pergunta-se: “Por que a Globo não mostra isso também?”. Bem, já estão correndo rios de dinheiro público nessa obra que favorece vários dos grandes grupos empresariais do país. A pauta da emissora obviamente não poderia ir contra tais interesses porque esse nunca foi o seu negócio.

A quem ainda tiver alguma dúvida, basta assistir o especial do Jornal Nacional sobre a construção da hidrelétrica (partes 1, 2 e 3), que em vários momentos parece mais um release da empresa construtora do que uma matéria jornalística. Sem nunca expor decentemente nossos argumentos contra a barragem, a matéria tanto exalta acriticamente os supostos benefícios da obra quanto coloca seus impactos como conseqüências “inevitáveis” do “progresso”. E divulga a maior mentira de todas, exibida no episódio do dia 28 de agosto , que é o chamado resgate da fauna:

Biólogos acompanham tudo. Os bichos que vivem na região têm que ser preservados. É uma das exigências do Ibama para reduzir os danos ao meio ambiente (…) Os que não conseguem fugir são resgatados e soltos em lugar seguro. Em dois meses e meio já foram salvos 1,2 mil animais”, diz a repórter Cristina Serra, apresentadora da matéria.

Citações como esta, “de primeira, eu achava até bonito derrubar uma árvore. Hoje, não. Hoje, para derrubar, eu tenho que pensar duas vezes”, do encarregado da obra, supostamente vacilante em cortar duas castanheiras que restavam de pé no canteiro de obras, são estratégicas para dar a impressão de que as coisas vão bem para a natureza no Xingu.

Ao invés de “salvar” algum animal, o “resgate” serve apenas para gerar imagens como a da jornalista se divertindo com uma cobra enrolada no braço (“parece uma pulseira, que barato!”), e de biólogos-de-aluguel passando para os desavisados a idéia equivocada de que a natureza está sendo de alguma forma protegida. Devem pensar que se até as cobras – esses rastejantes peçonhentos e desprezíveis – estão sendo bem tratadas e removidas para um “local seguro” é porque a natureza está sendo preservada.

Mentira. A enorme maioria dos animais atingidos por uma obra como essa morrem (afogados, por falta de comida e abrigo ou na competição com outros animais, ao serem expulsos de seus locais de vida) sem que ninguém se dê conta disso. E essa ínfima fração supostamente resgatada não tem nem onde ser solta, porque as áreas de floresta remanescentes geralmente estão saturadas com a sua própria fauna local. Na verdade, a implementação de obra desse porte em um dos últimos grandes rios do planeta preservados, no coração da última grande floresta tropical do mundo, é uma tragédia do começo ao fim, para a diversidade da vida na Terra e, em última instância, para a humanidade como um todo.

Rodolfo Salm, PhD em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia, é professor da UFPA (Universidade Federal do Pará) em Altamira, e faz parte do Painel de Especialistas para a Avaliação Independente dos Estudos de Impacto Ambiental de Belo Monte.

Artigo enviado pelo Autor e originalmente publicado no Correio da Cidadania, parceiro estratégico do EcoDebate na socialização da informação.

EcoDebate, 18/10/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

2 comentários em “Belo Monte e as cobras, artigo de Rodolfo Salm

  1. Meu caro professor, não vou entrar no mérito de belo monte, se deve ou não ser construída, mas em primeiro lugar gostaria que os profissionais de meio ambiente que trabalham nos grandes projetos desses país tivessem um minimo de respeito da sua parte, sem a ação desses, os estragos com certeza seriam muito maiores, com o trabalho desses profissionais tem uma efetividade conservacionista muito maior que alguém sentado na cadeira de uma universidade gritando ou escrevendo sobre matéria decidida (para o bem ou para o mal, Dilma fez Jirau e vai fazer Belo Monte). Eu fui em todas as audiências publicas de belo monte e a participação da classe acadêmica foi uma ridícula guerra entre quem fez o EIA/RIMA e seus colegas que perderam a “boquinha”, não houve nenhuma manifestação em prol do meio ambiente, todos só falavam em compensações financeiras pelo dano, não vi nenhuma manifestação no sentido de preservação ambiental, mais absurdo é uma recente ação dos “pescadores” de peixes ornamentais contra a usina, incrível… é uma guerra entre quem depreda e quem vai depredar? é por essas e outras que não tem eco na sociedade essa gritaria que alguns vem fazendo, não é culpa dessa ou daquela emissora, não digo que falta mérito, mas falta credibilidade.

  2. Eu trabalhei no “salvamento” de animais quando do represamento do Rio Tietê – Barragem de Nova Avanhandava e posso garantir a vocês que não se trata de salvamento, mas apenas de transferência para que não morram afogados. Ah, mas a sucuri não se afoga? Se afoga sim, ela na busca por alimentos fica emalhada na rede dos pescadores. E as outras cobras? Bem, as outras, milhares ( cascavéis, jararacas, caiçacas, urutus, caninanas, corais, verde, cipó, jiboia etc, ) são capturadas e encaminhadas para o Butantã e para reservas florestais da região. Mas e os sapos, rãs e aranhas, escorpiões? Ah, se salva pouco, pois a maioria é levada pelas águas. Os Peixes? Toneladas foram capturados pelos pescadores profissionais. Apenas para que você tenha ideia, a maioria foi de cascudos (Loricaridae) – os pescadores chegaram a interromper a pescaria, pois seus dedos ficaram feridos por conta da retirada da pele dos peixes. Os peixes também morrem quando da decomposição da matéria em face da demanda por oxigênio. Depois quando tudo parece estar resolvido, vez que o lago alcança o limite e possibilita a geração de energia, os peixes deixam de nascer. Isso decorre da mudança de comportamento das águas, essas que eram lóticas passaram a lênticas, assim impedindo a piracema. O lago parece o mar, pescadores lançam nas águas quilômetros de redes. Detalhe, antes do fechamento se capturava 100 quilos/dia – depois do fechamento 100, 70, 50, 30, agora 10 quilos/dia. O policiamento cumpre a função de fiscalizar com rigos os pescadores, (incoerência legal) esses, não podem armar redes que ultrapasse 1/3 da largura do ambiente – a menos de 100 metros uma da outra ou com malhas inferiores a 30 milímetros. A empresa geradora de energia por sua vez repovoa o lago com espécies do tipo CD’s, pescada do piauí, tilápias, tucunarés entre outros. Mas eu os peixes nativos? Ah, esses…era uma vez em que pais e avós pescavam com seus filhos e netos e graças a eles são tantas as histórias…. Quando da inundação dos rios para a formação dos lagos, os biólogos, ecólogos, zoólogos, polícia militar ambiental e ONGs ambientalistas, não deveriam participar, pois se trata de ação que contraria os princípios da vida.

Comentários encerrados.

Top