UnB lança site para ajudar vítimas das enchentes no Rio

Aplicativo foi desenvolvido pelo Centro de Estudos Avançados de Governo e Administração Pública da UnB. Programa recebe e envia pedidos de socorro e relatos por e-mail

Pesquisadores da Universidade de Brasília lançaram um serviço de apoio às vítimas das enchentes que atingiram a Região Serrana do Rio de Janeiro. Um aplicativo desenvolvido pelo Centro de Estudos Avançados de Governo e Administração Pública (CEAG) permite que relatos de emergência, de segurança e de outros assuntos de utilidade pública sejam publicados e acessados na internet pela população da área atingida.

O Mapa dos Relatos na Região Serrana está disponível no site http://mapacriserj.com. As denúncias para publicação também podem ser enviadas para o endereço de e-mail relatos.rj@gmail.com. O desastre no estado do Rio matou 872 pessoas, segundo a Polícia Civil fluminense, e deixou dezenas de milhares de desabrigados. Os municípios mais atingidos pela catástrofe foram Nova Friburgo, Teresópolis e Itaipava.

Reprodução/UnB Agência

Batizado de Mapa dos Relatos da Crise na Região Serrana, o aplicativo é baseado na plataforma Ushahidi, utilizada inicialmente há três anos para denunciar abusos após conturbada campanha eleitoral no Quênia. Ushahdi quer dizer “testemunha” em um dos dialetos locais. O software ganhou notoriedade internacional e passou a ser utilizado com diferentes finalidades como para denunciar crimes na cidade de Atlanta, nos Estados Unidos, e para auxiliar as vítimas de terremotos no Chile. Disponível para a população do Rio desde o dia 24 de janeiro, já apresenta informações de serviços oferecidos à comunidade e de novos estragados causados pelas chuvas.

INTERNET – A utilização do serviço é simples. O aplicativo funciona em uma página da internet que consiste em um mapa da Região Serrana e em links para ver e enviar relatos e receber alertas por e-mail. Textos, fotos e vídeos podem ser encaminhados por qualquer pessoa, sem necessidade de cadastro, e estão divididos em seis categorias: serviços disponíveis, condições da infra-estrutura, emergência, segurança, precisa-se de voluntários e pedidos de ajuda.

“O aplicativo pode ajudar na reconstrução dos municípios. A população tem um canal em que ela pode informar os relatos e contribuir de alguma forma. Acho que, nesses casos, qualquer tipo de integração de informações é bem vinda”, considera o pesquisador Marcel Pedroso, que coordenou a parte técnica da programação do serviço. Desenvolvedor do aplicativo, o pesquisador Sérgio Cruz ressalta a confiabilidade do serviço. “O interessante é que as denúncias podem ser acompanhadas de fotos e vídeos, o que garante mais confiabilidade”, explica. Eventuais relatos falsos, segundo Cruz, podem ser excluídos ou nem mesmo publicados, já que precisam de confirmação dos responsáveis pela página.

Segundo Marcel, o programa inova ao estimular a interatividade com a população, uma vez que os moradores são os responsáveis por reportar os acontecimentos. “É uma aplicativo de código aberto que usa a metodologia Crowd Source, que coloca a multidão e as pessoas como principal fonte de informação”, explica.

Reportagem de Hugo Costa, da Secretaria de Comunicação da UnB, publicado pelo EcoDebate, 10/02/2011

Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top