A Teoria da Conspiração e a Super Bactéria, artigo de Américo Canhoto

[EcoDebate] Ao que tudo indica; breve nós teremos um novo produto no mercado da sugestão do medo para vender produtos farmacológicos e vacinas com a ajuda da mídia.

A H1N1 rendeu muito dinheiro para alguns tanto na vertical quanto na horizontal da cadeia de comercialização – mas, o produto não rendeu o esperado; pois, ele sofreu a concorrência desleal dos terremotos do Chile e da copa do mundo de futebol como megaeventos midiáticos; claro que em cada comunidade as notícias básicas locais: política, crimes, fofocas…; também atrapalharam; mas, isso já estava computado na projeção da estratégia de divulgação do produto. Ás vezes, eles tentam reacender a procura com a notícia da morte de um gato pingado com suspeita de H1N1 – mas, esse produto não vende mais nem em liquidação.

Tal e qual na anterior; pequenas notícias soltas aqui e ali em alguns veículos de comunicação preparam terreno de indução de um futuro, possível, desastre na cabecinha das pessoas para o lançamento dos produtos: remédios, vacinas, kits de diagnóstico, etc.

A estratégia é parecida; veremos se os sócios neste novo mega negócio serão os mesmos – aguardemos de antenas ligadas.

NDM-1; as siglas se assemelham; porém o apelo do novo produto é mais forte; pois, vem acompanhado do superlativo: super – talvez seja mais assustador.

Vejamos a notícia:

* “Médicos alertam para disseminação de superbactéria
AE-AP – Agência Estado

Um novo gene bacteriano que permitiria a qualquer bactéria transformar-se em um superorganismo extremamente resistente a antibióticos chegou ao Reino Unido, aparentemente levado por pessoas submetidas a cirurgias plásticas na Índia, e poderia em breve espalhar-se pelo mundo, advertem cientistas britânicos em estudo publicado na revista médica The Lancet. Depois de ter-se espalhado pela Índia, o gene bacteriano capaz de desenvolver superbactérias é cada vez mais encontrado no Reino Unido e em outro países desenvolvidos, constataram os autores da pesquisa.

Os especialistas britânicos acreditam que a explosão da indústria do turismo médico na Índia e no Paquistão pode estimular um surto de resistência aos antibióticos, à medida que os pacientes passam a carregar consigo perigosas bactérias para seus países de origem. O gene da superbactéria, que pode ser compartilhado por diferentes bactérias e as tornar extremamente resistentes à maioria dos antibióticos, foi até agora identificado em 37 pessoas que retornaram ao Reino Unido depois de serem submetidas a cirurgias na Índia e no Paquistão.

O gene resistente também foi detectado na Austrália, no Canadá, nos Estados Unidos, na Holanda e na Suíça. Os pesquisadores acreditam na probabilidade de a superbactéria espalhar-se por todo o mundo, uma vez que muitos norte-americanos e europeus viajam para a Índia e o Paquistão para procedimentos como cirurgia plástica cosmética.

Em artigo publicado na edição online da revista média The Lancet, médicos relataram ter encontrado um novo gene, identificado como NDM-1, que altera a bactéria, tornando-a resistente a quase todos os antibióticos conhecidos. O gene foi detectado primeiro na bactéria E.coli, a causadora mais comum das infecções do trato urinário e cujas estruturas de DNA podem ser facilmente copiadas e passadas para outros tipos de bactéria.

Os pesquisadores disseram que o gene da superbactéria aparentemente tem ampla circulação na Índia, onde o sistema de saúde tem menos possibilidade de identificar sua presença ou de ter antibióticos adequados para tratar os pacientes. “O potencial do NDM-1 se tornar um problema de saúde mundial é grande e é necessária uma vigilância internacional”, escreveram os autores do artigo. Ainda assim, o número de pessoas nas quais o gene da superbactéria foi identificado é pequeno.

“Provavelmente estamos no início de outra onda da resistência a antibióticos, embora ainda tenhamos poder para impedi-la”, disse Christopher Thomas, professor de genética molecular da Universidade de Birmingham, que não tem ligação com o estudo. Thomas disse que uma vigilância mais estrita e procedimentos de controle de infecções podem barrar a disseminação do gene bacteriano. Ele afirmou que, embora as pessoas que vão a hospitais britânicos tenham pouca possibilidade de entrar em contato com uma bactéria com o gene, elas devem permanecer vigilantes sobre as medidas de higiene, como lavar as mãos adequadamente.

“A disseminação destas bactérias multirresistentes exige monitoração muito apurada”, escreveu Johann Pitout, da divisão de microbiologia da Universidade de Calgary, no Canadá, em comentário na Lancet. Pitout pediu a realização de uma vigilância internacional sobre a bactéria, particularmente em países que promovem o turismo médico. “As consequências serão sérias se médicos de família tiverem de tratar infecções causadas por bactérias multirresistentes diariamente”, escreveu ele”.)”. *

O problema da resistência bacteriana aos antibióticos sempre foi um problema de gravidade crescente; especialmente em países com cultura voltada para a doença – aqui entre nós, as pessoas cultivam o hábito da auto -medicação; os remédios são vendidos a granel; há uma farmácia em cada esquina; antibióticos são receitados em balcão de farmácia; e qualquer um pode ser comprado sem receita – as pessoas não tomam a dosagem correta, nem fazem uso pelo tempo necessário (assim que melhoram os sintomas eles interrompem a medicação); parece piada; mas entre nós o antibiótico é usado como sintomático.

Essa novidade, que esperamos seja apenas mais um golpe de mestre para tirar dinheiro das cobaias, provavelmente ainda vai dar o que falar.

Espero que eu tenha tido um surto psicótico estilo teoria da conspiração; e que não sobrecarreguem o campo magnético das pessoas e do planeta com mais medo – meio estilo super.

Turismo para cirurgias plásticas na Índia e no Paquistão – que é engraçado é. Visite Nova Delhi e saia com um nariz novo.

Imagino a estratégia de marketing para que o turismo médico em SJRP, considerada uma das ‘mecas’ da cardiologia: Visite RP, leve 3 pontes de safena e só pague 2…

Aguardemos…

Américo Canhoto: Clínico Geral, médico de famílias há 30 anos. Pesquisador de saúde holística. Uso a Homeopatia e os florais de Bach. Escritor de assuntos temáticos: saúde – educação – espiritualidade. Palestrante e condutor de workshops. Coordenador do grupo ecumênico “Mãos estendidas” de SBC. Projeto voltado para o atendimento de pessoas vítimas do estresse crônico portadoras de ansiedade e medo que conduz a: depressão, angústia crônica e pânico.

* Colaboração de Américo Canhoto para o EcoDebate, 26/08/2010

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

7 comentários em “A Teoria da Conspiração e a Super Bactéria, artigo de Américo Canhoto

  1. As autoridades em saúde pública deveriam ler esse artigo do Dr. Américo Canhoto. E8MR

  2. Muito bem lembrado.
    Onde está o H1N1, que apavorou o mundo e quase levou à falência os suinocultores?
    Ele sumiu. Melhor assim.

  3. Amigos.

    Cada grupo esteja no poder ou não procura sempre preservar seus interesses, seja quais forem.
    Nosso papel é preservar os nossos; entre nós.

  4. Me parece mais tentativa de indução mental para ñão ficarmos tão chocados quando explodirem aqueles países asiáticos com bomba (ou ‘desastre climático’). Porque as ‘super bactérias’ sempre vêm de lá?

Comentários encerrados.

Top