Impactos do turismo sobre o meio antrópico, artigo de Roberto Naime

Prof. Roberto Naime
Prof. Roberto Naime

[EcoDebate] A dimensão antrópica do meio ambiente engloba fatores econômicos, sociais e culturais. Existem com certeza mais impactos positivos sobre o meio ambiente do que negativos, embora muitas simplificações imaginem que não seja assim.

O primeiro impacto positivo decorre da criação de planos e programas de conservação e preservação de áreas naturais, sítios arqueológicos ou monumentos históricos e arquitetônicos. Ocorrem em geral algum tipo de investimento em medidas preservacionistas, a fim de manter a qualidade e atratividade dos recursos naturais e sócio-culturais.


A própria renda decorrente da atividade turística proporciona as condições financeiras necessárias para a implantação de equipamentos de infra-estrutura ou outras medidas preservacionistas. Com freqüência os diversos tipos de empresa interessados na atividade se cotizam e adotam programas comuns de preservação e valorização.

O turismo opera grandes descobertas. Com freqüência certos aspectos naturais em regiões que antes não eram valorizadas passam a ser em função do interesse turístico.

O turismo possibilita a interação cultural e o aumento da compreensão entre os povos. Na medida que os usos e costumes das comunidades são conhecidos e compreendidos, a conseqüência direta é um avanço no entendimento.

A utilização mais racional dos espaços e a valorização do convívio direto com a natureza são itens de relevância e que devem ser ressaltados. A recuperação psicofísica dos indivíduos, resultante do descanso, das atividades de entretenimento e do distanciamento temporário do cotidiano profissional e social, encerram os importantes tópicos de impactos positivos da atividade turística sobre o meio antrópico.

Os impactos negativos do turismo nesta mesma dimensão são bem mais limitados. A existência de barreiras sócio-psicológicas entre as comunidades receptoras e os turistas certamente é um dos impactos negativos que mais merece atenção.

Muitas vezes, os recursos da atividade turística circulam de modo restrito, privilegiando a organização do núcleo receptor, enquanto a população como um todo não é beneficiada pela atividade, ficando com uma parcela menor dos recursos.

Também ocorre a ocupação e destruição de áreas naturais, que se tornam urbanizadas ou antropomorfizadas de uma forma desordenada, gerando poluição por ausência de saneamento básico, ausência de infra-estrutura para tráfego de veículos e até mesmo de pessoas.

Este último item é muito comum nas praias do litoral brasileiro, desde o sul até o nordeste, onde o uso e ocupação desordenados do solo produz situações de difícil reparação e danos ambientais relevantes e muitas vezes irreversíveis.

Roberto Naime, Professor no Programa de pós-graduação em Qualidade Ambiental, Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo – RS, é colunista do EcoDebate.

EcoDebate, 06/08/2010

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Top