Impactos sociais do turismo, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] Os impactos sociais do turismo tem maior complexidade e não podem ser classificados em positivos ou negativos. Identificam-se estágios diferenciados de convivência das comunidades receptoras com as atividades turísticias (RODRIGUES, A. B. Turismo: Desenvolvimento Local Organizado, HUCITEC, 1997).

O estágio inicial pode ser denominado de magia eufórica. As pessoas estão entusiasmadas e vibram com o desenvolvimento do turismo ainda que não esteja convenientemente planejado. Recebem os turistas e registram sentimentos de satisfação. As oportunidades de emprego, geração de negócios e lucratividade são abundantes e aumentam com o crescimento da presença dos turistas. Ninguém ainda consegue vislumbrar a necessidade de prever, ordenar e organizar os fluxos turísticos.


A segunda fase pode ser denominada de apatia, na medida em que a atividade cresce e se consolida. A população receptora considera a rentabilidade e continuidade como garantidas, e o turista passa a ser concebido como um meio para obtenção do lucro fácil. Neste estágio os contatos humanos são mera formalidade e não existe mais euforia ou satisfação.

Depois, começa uma fase de irritação, quando a atividade turística começa a atingir níveis de saturação, ou quando a localidade não consegue atender as exigências da demanda, seja por falta de infra-estrutura, seja por falta de planejamento. Os equipamentos existentes não correspondem mais às necessidades.
O quarto estágio na evolução deste processo social pode ser caracterizado pela denominação de antagonismo. Os moradores locais não escondem e já não disfarçam mais sua irritação e responsabilizam os turistas por todos os seus males. Os problemas da comunidade que tendem a crescer também são atribuídos às atividades turísticas. Destacam-se em geral, aumentos de impostos, de criminalidade, de desajustes na juventude, etc. A polidez e o respeito desaparecem e dão lugar ao antagonismo, com a hostilização do turista pela população local receptora.

O último estágio pode ser denominado conscientização da realidade. Nesta fase a população se conscientiza de que na ânsia de obter todas as vantagens da atividade turística a qualquer preço, não foram planejadas as atividades e todas as mudanças de paradigma tendem a se tornar rupturas sociais de gravidade variável.

Aqui, um dos principais itens afetados é o meio-ambiente e os ecossistemas, que agredidos, nunca mais voltarão a ser o que eram antes do advento turístico, pela falta de planejamento, organização ou tarefas de controle ou compensação.

Por outro lado, a presença de grande número de turistas, de diversas procedências, estimula hábitos de consumo desconhecidos ou inacessíveis para a população receptora. Ocorrem drásticas alterações nos padrões de moralidade em função das mudanças de paradigma, com aumento da prostituição, criminalidade e do jogo organizado, com todas as conseqüências.

Além disso muitas vezes o turismo pode atuar como veículo ou agente de disseminação de doenças que a infra-estrutura local não está preparada para enfrentar. E a importação de recursos humanos, geralmente deixa para as populações locais receptoras as ocupações de menor qualificação e renda.
O turismo é a indústria do futuro, pode ser a redenção econômica de muitas comunidades. Estados do Nordeste, Norte e Centro-oeste brasileiro tem belezas naturais, potencial e vocação turística.

Mas está claro que planejar, organizar, controlar e interceder sempre que necessário são necessidades que o setor público não pode deixar de praticar. Num estado que tem se notabilizado pela sua ausência nas suas funções precípuas de planejamento e regulação, um grande sonho pode se tornar um pesadelo.

Roberto Naime, Professor no Programa de pós-graduação em Qualidade Ambiental, Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo – RS, é colunista do EcoDebate.

EcoDebate, 28/07/2010

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo
Top