Belo Monte é um erro, artigo de Cesar Sanson

O governo acaba de anunciar a concessão da licença ambiental para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. A decisão é um erro. Belo Monte, configura-se na análise do movimento social como um projeto economicamente, socialmente e ambientalmente devastador. Considerada a maior obra de infra-estrutura já realizada no país desde Itaipu e o terceiro maior empreendimento hidrelétrico do planeta, atrás apenas do projeto chinês de Três Gargantas e da própria Itaipu, o projeto impactará 11 municípios, nove territórios indígenas, desalojará milhares de pessoas e desmatará grandes áreas de floresta e secará parte do rio Xingu.

Belo Monte foi projetada pela primeira vez pelos militares em 1975 no âmbito dos grandes projetos de ocupação da Amazônia. Em 1989, o projeto foi retomado com o nome de usina Kararaô, mas foi abortado pela resistência dos povos indígenas. Há um episódio que marcou simbolicamente a suspensão do projeto. Durante um encontro realizado em Altamira (PA) entre os povos índígenas com a Eletronorte para discutir a barragem, a indígena kayapó Tuíra encostou a lâmina de um facão no rosto do então presidente da Eletronorte, José Antonio Muniz Lopes – hoje presidente da Eletrobrás – em um gesto de advertência contra o então projeto do governo de inundar 1,7 milhão de hectares com a construção de cinco barragens no Xingu. A foto correu mundo e a pressão internacional fez com que o Banco Mundial desistisse do empréstimo.

Tudo é superlativo na obra. Belo Monte é um gigante na selva. Ninguém sabe ao certo o custo da obra. Orçada em R$ 20 bilhões pelo governo e R$ 30 bilhões por empresários, a previsão é que a construção da usina mobilize 100 mil pessoas, incluída os 18,7 mil trabalhadores empregados nas obras, 23 mil nas atividades que orbitam o empreendimento e um contingente de 55 mil pessoas em busca do “novo Eldorado”. Para os críticos, a conta está subestimada e avaliam que a obra mobilizará o dobro, 200 mil pessoas. Apenas a construção dos canais de desvio do rio, necessários para controlar a vazão do Xingu, vai revolver mais terra do que a obra do Canal do Panamá – serão escavadas toneladas de terras e rochas para formar dois canais com 12 quilômetros de cumprimento e 20 metros de profundidade.

A região da Volta Grande do Xingu ficará praticamente seca com a construção da usina. A exemplo do que aconteceu com a cachoeira de Sete Quedas na construção da usina de Itaipu, também Belo Monte destruirá ou modificará cem quilômetros de uma sucessão de cachoeiras, corredeiras, canais naturais, e, além do enorme, trágico, irresponsável e irreversível desastre ambiental, a população que ficará na região não terá água suficiente para suas necessidades.”, afirma Dom Erwin Kräutler, bispo do Xingu, sobre a construção da obra.

Belo Monte é realmente necessária? O governo diz que sim, o movimento social contesta. Na avaliação dos movimentos contrários a obra, a mesma gerará pouca energia e produzirá muitos danos. Segundo especialistas a grande oscilação entre cheias e secas do rio Xingu vai transformar a hidrelétrica de Belo Monte numa imensa usina “vaga-lume”. Análises ainda dão conta que a hidrelétrica foi concebida para atender os grandes consumidores de energia.

O governo, por sua vez, afirma que a hidrelétrica é fundamental para garantir a oferta de energia para a expansão da economia brasileira. O último apagão acabou reforçando ainda mais a tese do governo, ou seja, Belo Monte é necessária para suprir a voracidade de uma sociedade produtivista e consumista que demanda muita energia.

Belo Monte, pensada sob a perspectiva da lógica imediata e pragmática encontra argumentos justificáveis e favoráveis; pensada, entretanto, a partir do princípio da ecologia da ação toda ação implica em efeitos nem sempre controláveis e que mesmo uma ação realizada com o melhor dos propósitos, pode fugir ao controle e se voltar contra o objetivo inicial se torna questionável, ou seja, Belo Monte desejável nesse momento pode ser lamentada mais tarde.

Cesar Sanson é Pesquisador do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores e doutor em sociologia pela UFPR.

Artigo socializado pela Radioagência Notícias do Planalto e publicado pelo EcoDebate, 10/02/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

4 comentários em “Belo Monte é um erro, artigo de Cesar Sanson

  1. Não tenho a pretensão de ser poeta nem escritor, porém, considerando que no Brasil tudo acaba em “samba”, aproveito a matéria e o precioso espaço para postar os seguintes versos:

    Amazônia “créu”, Amazônia “créu”, Belo Monte vai sair do papel
    Pa-pe-lão
    Por cima da legislação
    Vai fazer propaganda na eleição

    Não adianta índio reclamar
    O lobo conseguiu exorcizar
    Forças malignas
    Que queriam atrapalhar
    A hidrelétrica de funcionar

    Lula nem quis saber
    Recusou-se aos índios receber
    Aos pedidos disse não
    Para evitar receber reclamação

    Sem a mata o rio e o seu chão
    Nada será como antes
    Para os primeiros habitantes
    Irão sobrar só pães e refrigerantes

    Índio reclamou, o chocalho balançou
    Apitou, mas não adiantou
    Dinheiro fala mais alto
    E amanhã vamos dizer
    A natureza dançou

    Antigamente
    Índio também ‘não era gente’
    Era morto com espingarda e baioneta
    E hoje basta uma caneta

    Na Prelazia
    Dom Erwin Kräutler já dizia
    Esse povo vai chorar, vai gritar, se levantar…

    Amazônia créu, Amazônia créu, Belo Monte vai sair do papel
    Pa-pe-lão
    Por cima da legislação
    Vai fazer propaganda na eleição…

Comentários encerrados.

Top