Pesquisa mostra que distribuição das diferentes espécies no ecossistema depende tanto do processo neutro como do nicho ecológico

Pesquisador na coleta de fitoplâncton. Foto: IRD/Dupouy-Douchement
Pesquisador na coleta de fitoplâncton. Foto: IRD/Dupouy-Douchement

[EcoDebate] Questão da biodiversidade – Uma espécie se torna extinta a cada vinte minutos, é uma taxa de 100 a 1000 vezes superior ao que é reconhecido para os períodos anteriores ao aparecimento do homem. Os cientistas estão cada vez mais propensos a considerar neste século, como a 6a extinção, com referência aos cataclismos responsáveis pelo desaparecimento dos dinossauros, há 65 milhões de anos, ou o desaparecimento da fauna pré-cambriana, há 500 milhões de anos.

Essa extinção afeta mais particularmente os trópicos, onde existem maiores concentrações de espécies. Manter a riqueza do mundo vivo para a gestão sustentável dos recursos naturais é um dos grande desenvolvimento nos países em desenvolvimento. Para melhor proteger essa diversidade é preciso compreender os princípios ecológicos básicos que o regem. Como as espécies que coexistem? Como eles dividem o espaço e recursos, etc. ? Agora, depois de mais de um século de pesquisas, os cientistas ainda não compreendem muito bem como a diversidade é mantida no mesmo ecossistema.

A hipótese de nicho: quando adaptação rima com dominação.

Desde que a teoria das espécies de Darwin em 1859 e seu princípio de seleção natural que favorece as espécies mais adaptadas ao ambiente, os ambientalistas têm dado o seu crédito para a hipótese chamada de “nichos”.

Esta último explicou a distribuição desigual de espécies em um ecossistema. Na verdade, esta hipótese pressupõe que uma espécie tem um nicho ecológico que é específico e em que domina. Isso significa que ele ocupa um habitat e desempenha uma função do nível trófico, ou seja, na dieta (presas, predadores), determinada no ecossistema. Segundo esta hipótese, duas espécies de nichos idênticos podem coexistir. Apenas espécies suficientemente diferentes, incluindo a utilização dos recursos para evitar a concorrência, podem partilhar o mesmo habitat.

No entanto, na natureza, principalmente quando a biodiversidade é rica, pode haver dois, três ou mais espécies que competem e coexistem.

Hipótese neutra: perfeita harmonia

Para explicar a manutenção da biodiversidade, os pesquisadores optam por um princípio completamente oposto: a doutrina do ‘neutro’. Assume-se que todas as espécies colocadas sob as mesmas condições ambientais, apresentam o mesmo desempenho em termos de taxa de natalidade, mortalidade, dispersão e especiação. Em suma, nenhum domina os demais.

Serão estes pressupostos extremos que explicam uma realidade biológica? Estudos anteriores mostraram que não são incompatíveis: a natureza é uma combinação de ambas as hipóteses.

Quando os processos são combinados

Os pesquisadores do IRD e seus parceiros fornecem a primeira evidência empírica, isto é, com base em uma população real, que nenhum dos dois modelos pode explicar sozinho a diversidade dentro de uma comunidade. Na pesquisa [Niches versus neutrality : uncovering the drivers of diversity in a species-rich community] eles simularam a distribuição de diferentes espécies de fitoplâncton em um ecossistema.

Para isso eles usaram dados sobre a abundância de organismos coletados fora de Plymouth, pelo Canal da Mancha Ocidental. O fitoplâncton é um bom exemplo para estudar a influência combinada de ambos os tipos de processos em diferentes espécies que são, aparentemente, similares em termos de funcionamento do ecossistema (nutrientes, mesmo predatória, até mesmo as condições hidrodinâmicas, etc.) e interagem com seu ambiente de uma forma previsível.

Na verdade, a competição por nutrientes depende inteiramente do tamanho das espécies: os corpos pequenos dominam em baixas concentrações de nutrientes e os maiores em concentrações elevadas. Resultado? A simulação na pesquisa mostra que a distribuição das diferentes espécies no ecossistema depende tanto do processo neutro como do nicho ecológico.

Estes estudos fornecem a introspecção na coexistência de espécies em uma comunidade. Em um contexto de mudança global, eles podem, eventualmente, ajudar a estabelecer cenários de mudança do ecossistema e fornecer a oportunidade para melhor preservar o patrimônio natural.

VERGNON RÉMI , DULVY N. K., FRECKLETON R. P. Niches versus neutrality : uncovering the drivers of diversity in a species-rich community. Ecology Letters , 2009, 12 (10), p. 1079-1090, doi:10.1111/j.1461-0248.2009.01364.x

Informações do Institut de Recherche pour le Développement, Paris (IRD)

EcoDebate, 21/01/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top