O Problema Econômico (Keynes) está prestes a ser solucionado? artigo de John Stutz

Possibilidades econômicas para os nossos netos: PROGRESSOS E PERSPECTIVAS APÓS 75 ANOS


Introdução

Em 1930,quando a Grande Depressão estava começando, John Maynard Keynes escreveu um ensaio, Possibilidades econômicas para os nossos netos. (1) Neste ele olhou para 100 anos à frente, para um futuro em que aprender a viver bem houvesse substituído a luta pela subsistência, como o problema básico a ser enfrentado pela humanidade. O futuro discutido por Keynes está, agora, apenas 25 anos à frente. Começando com os dados atuais sobre a renda, este artigo mostra que o progresso para além da luta pela subsistência foi limitada para os Países Desenvolvidos e provavelmente vai continuar assim até 2030. Entre os Países Desenvolvidos, o excesso de trabalho, em vez de viver bem está aumentando. Uma mudança fundamental em valores é sugerida como uma resposta a esta situação. Formas nas quais tal mudança poderia ocorrer, para melhorar as perspectivas dos Países em Desenvolvimento, são discutidas. O artigo conclui com uma breve declaração de direções para futuras pesquisas.

O Problema Econômico

Keynes começou seu ensaio observando que, historicamente, a humanidade tem enfrentado o que ele chamou de Problema Econômico, que é a luta pela subsistência. Ele observou que, desde a Revolução Industrial, o padrão médio de vida na Europa e nos EUA havia aumentado quatro vezes. Ele previu que haveria um aumento de quatro a oito vezes nos próximos 100 anos (isto é, por volta de 2030). Supondo um aumento de oito vezes, Keynes esperava que o problema econômico seria solucionado. Ele esperava que isso resultasse em uma mudança, da “busca de riqueza” para “viver bem.” Depois de 75 anos, é razoável perguntar se as mudanças previstas por Keynes estão de fato ocorrendo.

Discussões sobre o crescimento econômico rotineiramente usam o Produto Interno Bruto (PIB) real per capita, desenvolvido com base na paridade do poder de compra, como uma medida de “renda” que reflete o nível médio de bem-estar material de um país (2) O incremento de quatro a oito vezes, de Keynes, correspondem a aumentos de crescimento na renda de 1,4 e 2,1 por cento por ano por 100 anos.

A Tabela 1 coloca esses números em uma perspectiva de longo prazo, mostrando que as hipóteses de Keynes foram bastante razoáveis para os Países Desenvolvidos, isto é, a Europa Ocidental, os seus “filhotes” e Japão.

Como Keynes esperava, houve um crescimento substancial na renda. Olhando para 2030, o crescimento na taxa histórica irá elevar a renda média nos Países Desenvolvidos a 36.476 dólares. Esta é o incremento de 32 vezes que Keynes esperava (quatro vezes até 1930 e outro de oito vezes ao longo dos próximos 100 anos).


Tabela 1- PIB Per Capita

Antes e Depois da Revolução Industrial (3)

Nível ($ 1990) Crescimento

(% ao ano)

População (1998)
1000 1820 1998 1000-1820 1820-1998 (Milhões)
1. Países Desenvolvidos 405 1.130 21.470 0,13 1,67 838
2. Países em Desenvolvimento 440 573 3.102 0,03 0,95 5.009
3. Razão (1 como uma porcentagem de 2) 92 197 692 433 175 17


Para os Países Desenvolvidos, a questão é se eles tiveram suficientes ganhos para que o problema econômico possa ser considerado resolvido. Uma maneira de abordar essa questão é examinar os dados que mostram como os indivíduos com níveis de renda diferentes gastam seu dinheiro. Este tipo de análise indica que, em 1988, o grupo de trabalho com menor renda nos EUA (trabalhadores) estava dedicando apenas 67 por cento do seu rendimento disponível para “básicos”, que são as compras necessárias para desempenhar suas funções social e economicamente. As duas classes de trabalho melhor remuneradas – comissionados e assalariados dedicaram substancialmente menos renda ao básico (4). Os três grupos mencionados – trabalhadores, os comissionados e trabalhadores assalariados – account for the bulk of those in the 20th to 80th percentiles de renda nos EUA.

Estes resultados sugerem que, em 1988, o problema econômico foi “resolvido” para a maioria dos trabalhadores nos EUA. E quanto ao resto dos Países Desenvolvidos? A renda, nos EUA, em 1988, foi, mais ou menos, a média de 1998 para os Países Desenvolvidos. Além disso, aqueles mais próximos da parte inferior de distribuição de renda, geralmente ganham melhor, nos outros Países Desenvolvidos, do que nos EUA (5) Assim, por hora, todos os residentes mais pobres dos Países Desenvolvidos são capazes de comprar substancialmente mais do que “o básico”. Isto sugere que, nos Países Desenvolvidos, o Problema Econômico foi amplamente resolvido.

Uma abordagem um pouco diferente para a medida do progresso na resolução do Problema Econômico faz uso da relação entre renda e Bem-Estar Subjetivo (SWB – Subjective Well-Being), uma medição do senso médio de bem-estar individual em um país desenvolvido com base nas respostas às perguntas da pesquisa padrão (6). SWB obedece à Lei de Retornos Decrescentes: conforme o nível de renda em um país aumenta, o impacto sobre a SWB diminui. Os principais pesquisadores descrevem a situação da seguinte forma:

“Acima de 13.000 dólares, de paridade do poder de compra, em 1995, não há nenhuma ligação significativa entre riqueza e bem-estar subjetivo. A transição de uma subsistência economia para a segurança econômica moderada tem um grande impacto sobre a felicidade e satisfação de vida, mas acima do nível de Portugal ou Espanha, o crescimento econômico não faz mais diferença.”

Esta linha geral de análise – considerando a média nacional SWB como uma função da renda e vice-versa, e então utilizando essa função para escolher um ponto de transição – é uma prática padrão entre aqueles que estudam o SWB. O ponto de transição particular selecionado é, no entanto, uma questão de julgamento (7). O exame visual dos dados em questão sugere que $ 15.000 é uma escolha razoavelmente conservadora.


Os Países Desenvolvidos têm rendimentos médios que variam de $15.000 a mais de $30.000 dólares (em US $ de 1995). Não há nenhuma evidência de um aumento do SWB conforme a renda mais do que dobra. A mesma ausência de impacto fica evidente quando se examina a evolução da renda e do SWB para um país individual. Nos EUA, por exemplo, a renda aumentou substancialmente desde a década de 1950, sem aumento conjunto no SWB. Resultados semelhantes foram obtidos para outros Países Desenvolvidos. Se o Problema Econômico fosse ainda significativo para os Países Desenvolvidos, seria de esperar ver algum aumento do SWB com a renda entre países ou dentro de cada país, ao longo do tempo (8). A ausência de tais aumentos sugere que o Problema Econômico, de Keynes, foi resolvido nos Países Desenvolvidos.

A última linha da Tabela 1 evidencia uma característica fundamental do crescimento histórico: diferenças significativas nas taxas de crescimento levando a grandes diferenças de rendimentos entre Países Desenvolvidos e em Desenvolvimento. . Um estudo recente descreve a situação da seguinte forma:

Hoje a renda per capita varia de país para país muito mais do que era de costume. Tais
diferenças foram pequenas até o século XIX. Eles começaram a aumentar com a Revolução Industrial, e se expandiram mais nos últimos cem anos. Além disso, embora as diferenças de renda per capita entre os países ricos tenham diminuído no período pós-Segunda Guerra Mundial, a disparidade entre países ricos e pobres aumentou. Ao mesmo tempo, o número de países de renda média tem diminuído. Agora temos dois clubes econômicos polarizados: um rico, o outro pobres. “(9)

Convergência, não divergência, é tanto o objetivo de muitas iniciativas de política global como o
resultado assumido delas (10). Vamos voltar à questão da convergência mais tarde.

O problema permanente
Depois de discutir as perspectivas de solução do problema econômico (nos Países Desenvolvidos), Keynes passou a analisar o que ele descreveu como o problema real e permanente de “homem” (ou seja, a humanidade,):

“Como usar sua liberdade de cuidados com a tensão econômica, como se ocupar do lazer, que a ciência e os juros compostos terão ganho para ele, para viver sabia, agradavelmente e bem “.

Keynes antecipou dificuldades em aprender a viver bem. Em particular, ele esperava que seria difícil passar de um exercício de afluência material para um estilo de vida que enfatizasse o “lazer”. Apesar do comportamento materialista entre os ricos de sua época, Keynes expressou otimismo sobre o futuro:

“Tenho certeza de que, com um pouco mais de experiência, utilizaremos a recém-encontrada benção da natureza de uma maneira completamente diferente da que os ricos a usam, hoje em dia, e desenharemos, para nós, um plano de vida bem diferente do que o deles”.

Ao considerar se o otimismo de Keynes foi justificado, é útil revisar a experiência atual, nos países ricos, particularmente nos EUA, uma vez que as normas e estilos de vida dos EUA se tornaram mais e mais típicos do mundo como um todo (11).

O fato de que, nos EUA, as jornadas de trabalho são longas é bem conhecido. (12) Algum conhecimento dos detalhes da experiência dos EUA é útil quando se considera se ” um pouco mais de experiência” conduz ao progresso no aproveitamento das oportunidades de lazer, como Keynes esperava. Nos EUA, entre 1990 e 2000, as horas trabalhadas, por cada adulto, em uma família com dois pais aumentaram. Para os 20 por cento mais ricos, as horas trabalhadas foram as maiores de qualquer grupo, em 1990 e novamente em 2000 (13). Hoje, o “stress do tempo” é significativo entre os ricos, nos EUA e em todo o mundo. A análise sugere que “tempo insuficiente para desfrutar de sua riqueza” é uma causa significativa de “stress do tempo” para os ricos (14).

Porque os ricos simplesmente não trabalham menos, disponibilizando tempo para desfrutar a vida? Há um número de fatores que explicam esta situação: Em uma sociedade móvel, como as nossas há uma necessidade de construir e, em seguida, reconstruir a identidade social de cada um. Consumo – escolha de uma casa, carro, roupas, etc – exercem um papel importante neste processo. Consumo posicional, ou seja, o consumo não para atender uma necessidade absoluta, fome, sede, etc, mas sim para criar superioridade, leva a insaciabilidade, como Keynes observou. Infelizmente, o consumo de posicionamento, por exemplo, ter uma “boa” casa, carro, etc, (isto é, maior e mais luxuosa do que a média) tornou-se uma característica central do processo de criação de identidade. Uma vez que o consumo de adaptação posicional está em andamento, um elemento básico da psicologia humana, ajuda a empurrar o processo. Adaptação, não apenas para um elevado nível de renda, mas também ao seu aumento constante, cria uma “roda viva” da qual é difícil sair, mesmo quando alguém se torna “rico” (15) Tem havido muitas tentativas para modificar estes mecanismos. Até agora, eles revelaram-se, em grande parte, ser em vão (inúteis). Um estudo sobre os EUA (16) durante o período 1900-2000 descreve o resultado:

“O consumismo, a crença de que as mercadorias dão sentido para os indivíduos e seus papéis na sociedade, foi vitorioso, apesar de não ter nenhuma filosofia formal, nem partidos, e nem líderes óbvios. O consumismo foi o “ismo”, que ganhou, apesar dos repetidos ataques a ele como uma ameaça às culturas popular e alta, às ” verdadeiras” comunidades e individualidades, e ao meio ambiente. ”

Cada vez mais, o consumismo está tornando-se típico de todos os países desenvolvidos, bem como da parcela mais rica da população nos Países em Desenvolvimento (17).

Olhando para o futuro, como poderiam as coisas mudar para que possamos reconhecer o Problema Permanente de Keynes e enfrentá-lo como ele esperava que fosse? Um bom ponto de partida seria uma mudança fundamental de valores, provocada, talvez, por uma consciência de nossas perdas associadas com o excesso de trabalho. O movimento mundial Slow Movement fornece um exemplo de tal mudança. Para avaliar como lentidão (“ir mais devagar”) pode desencadear uma mudança fundamental de valores, considere a reação de Carl Honoré, uma atormentada correspondente internacional e mãe que, enquanto corria para pegar um avião, notou um anúncio de um livro intitulado The One-Minute Bedtime Story (Estórias de Ninar Um-Minuto) :

“Assim, à primeira vista, a série One-Minute Bedtime soa quase demasiado bom para ser VERDADEIRO. Contar de seis ou sete “estórias”, e ainda terminar dentro de dez minutos – o que poderia ser melhor? Então, enquanto eu começo a me perguntar quão rapidamente Amazon pode enviar-me o conjunto completo, a redenção vem na forma de uma contra-pergunta: Eu me tornei completamente louca? Enquanto a programação de partidas cobra para a verificação final do bilhete, guardo o jornal e começo a pensar. Minha vida inteira se transformou em um exercício de pressa, em compactar mais e mais atividades em cada hora. Eu sou o tio Patinhas com um cronômetro, obcecado com a economia de cada pedaço de tempo, um minuto aqui, uns poucos segundos lá. E eu não estou sozinha. Todos ao meu redor, colegas, amigos, família – são pegos no mesmo vórtice. “(18)

O Movimento Slow Movement está sendo construído, de forma colaborativa, por indivíduos que tiveram experiências e insights similares, relacionados inicialmente com a preparação e consumo de alimentos, mas agora incluindo muitas áreas de atividade humana. Ele se espalhou para além do nível individual, para incluir as vilas e cidades lentas, assim fazendo uma transição de valores individuais para políticas públicas.

O movimento Slow Movement e outros como ele, como o Movimento Not So Big House (NSBH) (Casa Não Tão Grandes) (19), são interessantes porque levam em conta os mecanismos que conduzem ao consumismo e dão saídas para eles. Por exemplo, considere slow food. Pode-se, com o tempo, criar uma identidade como um cozinheiro especializado, satisfazer “as necessidades de posicionamento”, demonstrando sua habilidade para outros, e endereçar a adaptação, através da melhoria contínua. O mesmo se aplica a outras atividades como música, pintura, jardinagem, etc Os movimentos Slow e NSBH também fomentam uma atitude muito diferente com relação ao consumo de materiais, que enfatiza a qualidade sobre a quantidade. Isto é ilustrado em uma descrição recente de uma abordagem “lenta” para a aquisição de bens materiais:

Viver artisticamente pode requerer a dedicação de tempo para comprar coisas com alma para o lar. Uma boa roupa, um tapete especial, ou um bule simples pode ser uma fonte de enriquecimento não apenas em nossa própria vida, mas também nas vidas de nossos filhos e netos. Aquecer a alma neste sentido alargado de tempo. Mas não podemos descobrir a alma de uma coisa sem primeiro ter tempo para observá-la e estar com ela por um tempo. Este tipo de observação tem uma qualidade de intimidade com ela, não é só estudar um guia para consumidor , com análise factual e técnico. Superfícies, texturas, e como se sentem contam muito, como a eficiência (20).

A abordagem de aquisição descrita acima é o que pode ser vista em operação uma exposição de artes e artesanato, uma mostra de antiguidades, ou mercado de fazendeiros. O movimento NSBH transfere essa sensibilidade para a nossa compra mais significativa, como consumidor – a nossa casa.

Se houvesse um eleitorado com os valores que Keynes expôs, com força e vontade para agir de acordo com esses valores, não seria difícil de conceber uma vasta gama de políticas que refletem esses valores. Uma dessas políticas, sob consideração ativa hoje, é a proibição da publicidade dirigida à jovens e crianças (21). Indo mais longe, com base no reconhecimento dos impactos psicológicos negativos do consumo de posicionamento e a dificuldade de adaptação, pode-se justificar um imposto de renda fortemente progressivo, como parte de um esforço da sociedade para criar um razoável equilíbrio de vida. Na verdade, uma reconhecida especialista em política recentemente fez esta sugestão. (22) Há evidências de que políticas sociais, orientadas por valores, podem afetar as escolhas entre o excesso de trabalho e o lazer. Considere as correntes explanações concorrentes por mais horas de trabalho, nos EUA, em comparação com o foco de muitos países da Europa Ocidental sobre o valor das escolhas políticas orientadas por valor. Um estudo recente afirma que as políticas fiscais mais agressivas da Europa explicam a maior parte da diferença (23). Uma resposta reivindica que uma explicação mais plausível é a ação sindical, levando a uma semana de trabalho mais curtas e maior disponibilidade de feriados chave que, por sua vez, fazem atividades de lazer com a família e amigos uma alternativa mais atraente (24). Ambas as explicações sugerem que decisões de política social / econômica podem afetar a capacidade de atração do lazer. Curiosamente, a segunda explicação reflete uma tentativa consciente de partilha do trabalho, um mecanismo que Keynes esperava ser parte da solução para o Problema Permanente.

Elaborar boas políticas é sempre um desafio, mas não é o maior obstáculo aqui. O grande obstáculo é encontrar os pontos de entrada e de alavancagem a partir dos quais se possa acionar uma mudança com base em valores. Como Keynes viu, e ilustrou tão maravilhosamente em seu ensaio, é essa mudança que está no cerne do Problema Permanente. Elencar todas as mudanças orientadas por valor está totalmente fora do escopo deste breve artigo. No entanto, duas observações são pertinentes. Como os exemplos fornecidos anteriormente nesta seção mostram, mudanças de valores podem abordar os mecanismos que promovem o consumismo, reorientando-os em direções que aumentem o nosso bem-estar. E, como a discussão na próxima seção vai mostrar, os esforços para melhorar o bem-estar nos Países Desenvolvidos, poderia se encaixar com os esforços para ajudar os Países em Desenvolvimento.
Convergência
Suponha por um momento que os Países Desenvolvidos escolham, como Keynes esperava que fizessem, rejeitar o excesso de trabalho e de consumismo, e, ao invés, cultivar a arte de viver bem, especialmente a utilização satisfatória do “lazer”. Isto poderia ter uma série de efeitos importantes que reforçaria a capacidade de outros países para avançar.

Um foco em tempo, ao invés de riqueza material, entre os moradores dos Países Desenvolvidos poderia criar um modelo diferente de riqueza que, como o consumismo, hoje, poderia se espalhar por todo o mundo. Como a afluência em tempo reduz a ênfase na acumulação de riqueza material como um fator na SWB, a adoção deste modelo, a nível mundial, provavelmente resultaria em um maior SWB em qualquer nível de renda nacional. O efeito seria, reduzir os níveis de rendimento necessário para “resolver” o Problema Econômico, para refletir uma noção razoável de necessidade.

Como podem os residentes nos Países Desenvolvidos utilizar o lazer.? Nos Países Desenvolvidos há muitos exemplos de aconselhamento voluntário, programas como o Big Brothers and Sisters, assistência à criação de empresas fornecidas por empresários aposentados, etc Estas atividades de lazer contribuem para o bem-estar de ambos, dos participantes (25) e dos receptores. É razoável antecipamos que, num mundo com maior lazer e comunicações muito reforçadas, tais atividades podem ser desenvolvidas em larga escala e com uma ampla cobertura geográfica. Isso poderia contribuir para a convergência.

O argumento sendo oferecido acima é um exemplo clássico do que é normalmente chamado de “duplo dividendo” ou efeito “win-win” (ganha-ganha). Como Keynes fez, nós começamos a partir da premissa, apoiados pelas pesquisas disponíveis sobre o SWB e consumismo, que o maior lazer é a melhor escolha para os “Ricos”. Passamos então a argumentar que o uso do lazer também poderia melhorar as perspectivas dos “pobres”. Pode-se ir a argumentar que há outros vínculos benéficos, tais como os que envolvem emissões e o meio ambiente (26).

E sobre os efeitos do aumento do lazer para os “ricos”? Substanciais declínios econômicos são possíveis. Uma mudança para maior lazer tornar prováveis esses efeitos adversos? Ao analisar isto, é útil ter os seguintes pontos em consideração:

Na época da revolução industrial (ie, 1840-1850), as jornadas médias de trabalho eram substancialmente maiores do que são hoje. O declínio dramático nas jornadas de trabalho tem sido acompanhado por uma maior prosperidade, não declínio (27).

Políticas, tais como aquelas típicas de um Estado de Bem-Estar Social, de estilo europeu, promovem limitada realização dos objetivos de Keynes, hoje. Embora muitos economistas salientem o impacto negativo de tais políticas sobre o PIB per capita, há evidências de que elas tem impactos positivos, também (28).

Maior lazer é susceptível de promover o desenvolvimento do capital humano através de mais educação formal e uma maior aprendizagem ao longo da vida. Ele também oferece a oportunidade para uma maior participação em grupo e cívica, contribuindo assim para o capital social. Capital humano e social reforçado podem, por sua vez, tornar possível para países ricos continuar a prosperar e crescer enquanto vivem bem (29).


Observações finais
A discussão neste documento fornece um ponto de partida para a consideração dos rendimentos e bem-estar no contexto do nosso futuro econômico. Para continuar essa discussão é preciso posicionar os pontos levantados pelo ensaio de Keynes “dentro de uma discussão mais ampla das possibilidades que a humanidade enfrentará nos próximos 100 anos (30). Também é necessário voltar aqui e perguntar se SWB fornece um quadro adequado para uma discussão sobre o bem-estar, ou se uma noção mais ampla de bem-estar é necessária. (31) e, claro, é preciso abordar a questão da mudança de valor em uma forma sistemática e exaustiva. Estas questões interessantes e importantes são deixadas para outro dia.

NOTES AND REFERENCES
(1) Keynes, John Maynard, 1963, Essays in Persuasion, New York: W.W. Norton & Co.
(2) The use of GDP per capita as well as some variants on it are discussed in Myers, Norman
and Jennifer Kent, 2004, The New Consumers: The Influence of Affluence on the
Environment, Washington, Covelo, London: Island Press.
(3) The data in Table 2 are cited in North, Douglass C., 2005, Understanding the Process of
Economic Change, Princeton and Oxford: Princeton University Press. The original source
of the data is Maddison, Angus, 2001, The World Economy: A Millennial Perspective,
Organisation for Economic Co-operation and Development.
(4) Brown, Clair, 1994, American Standards of Living, Oxford, UK and Cambridge, MA:
Blackwell Publishers.
(5) See, for example, the paper by Smeeding and Rainwater in Wolff, Edward N., ed., 2004,
What Has Happened to the Quality of Life in the Advanced Industrialized Nations?
Cornwall, Great Britain: Cornwall Books, Ltd.
(6) A very useful introduction to SWB is provided by the introduction to Diener, Ed and
Eunkook M Suh, eds., 2000, Culture and Objective Well-being, Cambridge, MA and
London, England: The MIT Press. Kahneman, Daniel, Ed Diener and Norbert Schwarz,
eds., 1999. Well-Being: The Foundations of Hedonic Psychology, New York: Russell
Sage Foundation provides a more extensive introduction.
(7) The reasonableness of considering SWB as a function of income is discussed in the
article by Diener in the first volume cited in (6). The essay in that volume by Inglehart
and Klingemann uses the $13,000 threshold. In Layard, Richard, 2005, Happiness:
Lessons from a New Science. New York: The Penguin Press, using the data developed by
Inglehart and Klingemann, Layard sets the threshold at $20,000
(8) The data upon which this argument rests are all provided in the volume by Layard cited
in (7), and in the volume edited by Diener and Suh cited in (6).
(9) Helpman, Elhanan, 2004, The Mystery of Economic Growth, Cambridge, MA and
London, England: The Belknap Press of Harvard University Press.
(10) See, for example, the discussion of the Market Forces and Policy Reform scenarios for
the future presented in Global Environment Outlook Scenario Framework: Background
Paper for UNEP’s Third Environmental Outlook, 2004, Boston, MA: Stockholm
Environment Institute-Boston Center.
(11) DeGrazia, Victoria, 2005, Irresistible Empire: America’s Advance through 20th-Century
Europe, Cambridge, MA and London, England: The Belknap Press of Harvard University
Press.
(12) Schor, Juliet B., 1992, The Overworked American: The Unexpected Decline of Leisure,
USA: Basic Books.
(13)
AVERAGE WEEKLY HOURS WORKED BY EACH ADULT
IN A TWO-PARENT FAMILY
– – – – – – – – – – – – Income Quartile – – – – – – – – – – – –
Year First Second Third Fourth Top Average
1979 24 30 33 38 43 33
2000 27 36 39 41 42 37
Based on information provided in Mishel, Lawrence et al., 2003, The State of Working
America 2002/2003, Ithaca, NY: Cornell University Press. Data was provided in terms of
annual hours worked by two married individuals; assumed 2 weeks vacation and thus
divided annual hours by 50 and then by 2 to determine individual weekly hours.
(14) Hamermesh, Daniel S. and Jungmin Lee, 2003, Stressed Out on Four Continents: Time
Crunch or Yuppie Kvetch?, Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research.
(15) For a description and discussion of these mechanisms see Jackson, Tim and Laurie
Michaelis, 2003, Policies for Sustainable Consumption, a report to the Sustainable
Development Commission; and Chapter 3 of Rayner, Steve and Elizabeth L. Malone,
eds., 1998, Human Choice & Climate Change: Volume I – the Societal Framework,
Columbus, OH: Battelle Press.
(16) Cross, Gary, 2000, An All-Consuming Century: Why Commercialism Won in Modern
America, New York: Columbia University Press.
(17) On the spread of U.S. influence see the volume cited in (11). On consumers outside the
rich countries see the volume cited in (2).
(18) For an overview of the Slow Movement see Honoré, Carl, 2004, In Praise of Slowness:
How a Worldwide Movement Is Challenging the Cult of Speed, San Francisco, CA:
HarperCollins. The quote is from the preface to that volume.
(19) Susanka, Susan, 2001, The Not So Big House: A Blueprint for the Way We Really Live,
Newtown, CT: Taunton Press.
(20) Moore, Thomas, 1992, Care of the Soul: A Guide for Cultivating Depth and Sacredness
in Everyday Life, HarperCollins.
(21) See, for example, the discussion in Part IV, particularly Chapter 12 of Kasser, Tim and
Allen D. Kanner, eds., 2004, Psychology and Consumer Culture: The Struggle for a
Good Life in a Materialistic World, Washington, DC: American Psychological
Association.
(22) See the volume cited in (21) for a discussion of the adverse psychological impacts. Such
a tax is discussed in the volume cited in (7).
(23) Prescott, Edward C., 2004. Why Do Americans Work So Much More Than Europeans?,
Working Paper 10316, Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research.
(24) Alesina, Alberto, Edward Glaeser and Bruce Sacerdote, 2005, Work and Leisure in the
U.S. and Europe: Why So Different?, Working Paper 11278, Cambridge, MA: National
Bureau of Economic Research.
(25) See, for example, the essay by Argyle in the volume edited by Kahneman et al. cited in
(6).
(26) See, for example, Chapter 2 in Princen, Thomas, Michael Maniates, and Ken Conca, eds.,
2002, Confronting Consumption, Cambridge, MA and London, England: The MIT Press.
(27) See the volume cited in (12).
(28) Atkinson, A.B., 2001, The Economic Consequences of Rolling Back the Welfare State,
Cambridge, MA and London, England: The MIT Press.
(29) See, for example, the volume by North in (3) as well as the volume cited in (9).
(30) For a much broader discussion of possible futures see Raskin, Paul et al., 2002, Great
Transition: The Promise and Lure of the Times Ahead, Boston, MA: Stockholm
Environment Institute – Boston.
(31) For a discussion of multiple approaches to the definition of well-being see McCready,
Stuart, ed., 2001, The Discovery of Happiness, Naperville, IL: SourceBooks, Inc.

** Tradução de Claudio Estevam Próspero para o EcoDebate, 05/01/2009.

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

4 comentários em “O Problema Econômico (Keynes) está prestes a ser solucionado? artigo de John Stutz

  1. Por que vocês eliminaram as notas de rodapé do artigo de John Stutz?

    Resposta do EcoDebate:

    Cara Helena,

    Agradecemos a observação. De fato, por um erro de edição, as notas foram omitidas. Graças à sua colaboração a falha foi corrigida.

    Grato,

    Henrique Cortez
    coordenador do Portal EcoDebate

Comentários encerrados.

Top