Cidadania, artigo de Aroldo Cangussu

[EcoDebate] Como quase todos os conceitos e valores morais da sociedade ocidental, a questão da cidadania também tem origem na Grécia Clássica. Entretanto, a palavra cidadania propriamente dita foi criada na Roma Antiga, do latim civitas que quer dizer cidade. Ela era usada para indicar a situação política de uma pessoa e os direitos que essa pessoa tinha ou podia exercer e também os seus deveres.

Infelizmente, este conceito ainda é muito escasso em nosso meio, notadamente com relação ao meio ambiente. Muita gente deixa de exercer esse fundamento que, nada mais é que solidariedade, respeito ao próximo, desprendimento, agir sem egoísmo e preservar a natureza.

Os valores materiais são predominantes na nossa contemporaneidade e o dinheiro significa tudo, ao contrário do que deveria ser norma, ou seja, o dinheiro serve para que vivamos com dignidade e nada mais.

Não gostaria de particularizar o nosso problema local, por que ele é geral, mas vamos relacionar alguns exemplos de falta de cidadania que acontecem diariamente aqui em Janaúba e na região:

– Desrespeito às leis de trânsito: entrar na contra mão, “cortar” pela direita, andar de bicicleta fora da ciclovia, buzinar, xingar o motorista do lado, guiar o carro à noite com os faróis apagados, dirigir em alta velocidade e não respeitar a sinalização;

– Descaso com o lixo: esse é um dos piores, pois as pessoas atiram todo e qualquer tipo de resíduo no chão, em lotes vagos, nos corpos d’água e nas ruas. Ainda colocam o lixo na porta da casa ou nos tambores fora do horário do caminhão, o que faz com que os cachorros provoquem enorme sujeira na cidade. Aproveito para dizer algo sobre a coleta seletiva: ela é decantada pelos ambientalistas, mas raramente funciona, inclusive nos países mais adiantados da Europa, porque os serviços públicos não estão preparados para exercer essa função ainda, com algumas exceções.

– Vandalismo: é impressionante. Nunca consegui entender por que algumas pessoas têm o prazer de destruir os equipamentos públicos sem obter nenhuma vantagem para si. São orelhões, lixeiras, bancos de praça, árvores (aí é um capítulo à parte, como gostam de cortar árvores, é incrível!), iluminação de ruas, automóveis, escolas e tudo o que estiver vulnerável eles destroem implacavelmente.

A solução? Educação, pois só através das práticas de ensino intenso podemos ter alguma esperança de mudar este quadro.

Ah! E também a repressão, pois a polícia tem um importante papel a desempenhar nessa questão.

* Colaboração de Aroldo Cangussu, Engenheiro, Coordenador Adjunto do Fórum Mineiro de Comitês de Bacia e Ex-Secretário de Meio Ambiente de Janaúba – MG, para o EcoDebate, 04/12/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top