É possível aderir à energia solar sem mudar seu estilo de vida

casa solar
Projeto da Universidade de Minnesota. Para acessar o infográfico do NYT clique aqui.

John Hamilton fez uma pausa no conserto das bombas de calor, canos e tanques ordenados à sua frente, o centro mecânico de uma pequena casa montada no National Mall, para ler o medidor elétrico montado na lateral.

A tela digital mostrava que, durante os dois dias anteriores, a estrutura parecida com um pavilhão, projetada por estudantes de arquitetura e engenharia da Virginia Tech, havia extraído cerca de 20 quilowatts/hora da rede elétrica. No mesmo período, entretanto, células foto-elétricas no telhado haviam gerado cerca de 60 quilowatts/hora de volta.

“Isso é ótimo”, afirmou Hamilton, que regulava os sistemas de controle da casa numa tarde de quinta-feira, pois sua empresa, a Siemens, é um dos patrocinadores. “Nós a usamos muito nesta manhã”. Reportagem de Henry Fountain, The New York Times.

Os membros da equipe da Virginia Tech estiveram ocupados com preparativos de última hora para a inauguração de seu projeto, chamado Lumenhaus, e para o lançamento do Solar Decathlon, uma competição do Departamento de Energia dos EUA envolvendo o projeto e a construção de uma residência eficiente e habitável usando energia solar. O evento de dez dias inclui 20 equipes de universidades dos Estados Unidos, Canadá e Europa.

Alguns grupos têm se apressado de forma ainda mais frenética. Alunos e conselheiros acadêmicos da Universidade de Wisconsin, em Milwaukee, estavam usando capacetes, serrando e martelando, e ainda trabalhavam bem depois das cerimônias de abertura da uma da tarde. A produção de energia em rede da casa da Virginia Tech valerá alguns pontos na competição. Mas essa e as outras inscrições não serão julgadas somente pelo uso da eletricidade. Serão concedidos pontos pelo projeto arquitetônico, habilidade de engenharia, conforto e possibilidade de comercialização – ao todo, são dez categorias.

“A ideia é provar às pessoas que a energia solar funciona, e que você não precisa abandonar seu estilo de vida para usá-la”, disse Richard King, diretor da competição bienal do Departamento de Energia, que concede US$ 100 mil a cada equipe para iniciar os projetos. O evento também tem a intenção de fazer os estudantes pensarem em solucionar os problemas de energia de maneiras viáveis – todos os projetos precisam ser direcionados a um mercado específico, de baixa a alta renda.

As casas, limitadas a 75 metros quadrados, são totalmente abastecidas com mobília e decoração – até mesmo lençóis, toalhas e livros. Os membros das equipes não moram nelas, mas precisam realizar atividades domésticas como cozinhar e lavar roupas, e são julgados se seu sistema é capaz de manter uma temperatura de ar confortável e produzir água quente em quantidade suficiente. A televisão tem de ser deixada ligada por seis horas ao dia, para demonstrar que há eletricidade o suficiente para diversão.

Com as casas alinhadas em duas fileiras à sombra do Monumento de Washington, a competição lembra um parque de trailers futurista. Há materiais e projetos inovadores por todo lado – na casa da Equipe Ontário, venezianas exteriores auto-ajustáveis que também podem refletir a luz do sol para dentro da construção; uma parede de água plástica no projeto da Universidade do Arizona, que absorve a luz solar que libera calor; e, no Lumenhaus, painéis móveis translúcidos separados com aerogel, o que permite a passagem da luz.

Painéis solares, tanto fotoelétricos quanto termais, adornam os telhados. Alguns são montados da maneira convencional, inclinados de forma que os raios do sol os atinjam quase perpendicularmente para aprimorar a eficiência da conversão. Algumas casas, porém, possuem painéis horizontais, ou nas laterais, como telhas de alta tecnologia (e alto preço), ou com mecanismos para permitir que eles se inclinem, seguindo o sol.

A competição estimula a sustentabilidade, então a maioria das casas tem sistemas para usar a água da chuva e reutilizar a água de limpeza para as plantas. Produtos reciclados são encontrados nas partes externas (tábuas feitas de papel e madeira prensados na casa da Universidade de Minnesota) e internas (portas de armários feitas de talo de sorgo prensado da cozinha da Equipe Missouri).

Muitos dos interiores são projetados para serem flexíveis e adaptáveis. No Lumenhaus, por exemplo, armários centrais podem ser arrastados na direção das paredes para isolar o quarto da área comum, e um balcão móvel pode cobrir grande parte das superfícies da cozinha ou ser usado como uma mesa.

Hamilton, representante da Siemens, gostou tanto do interior que tinha uma proposta aos estudantes da Virginia Tech. “Disse a esses garotos que eu viveria nesta casa”, afirmou ele.

Reportagem [Solar Living, Without Compromising on Lifestyle] do New York Times, no UOL Notícias, Ciência e Saúde.

EcoDebate, 19/10/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top