Mudanças climáticas: aqui já está acontecendo


A lógica ambiental parece estar andando na contramão da história, pois quem polui é que está aparentemente com a razão em nome de um progresso injusto e poluidor. Os políticos protegem o poder econômico que os financia com apoio de grande parte da mídia que também vive das vantagens financeiras. Está ficando muito difícil combater a poluição aqui no sul de Santa Catarina, pois estamos sendo intensivamente processados por defender a natureza.

As bacias hidrográficas do sul de Santa Catarina, Araranguá, Urussanga e Tubarão estão 90% comprometidas com a poluição causada pela atividade carbonífera desde a extração até a queima (outras atividades como a rizicultura, indústria, lixo e esgoto também contribuem). A FATMA, órgão licenciador/fiscalizador estadual é totalmente omissa, portanto cúmplice do caos. Uma outra termelétrica (USITESC 440MW) será instalada na região do ‘’Furacão Catarina’’, região que já não suporta mais impactos ambientais. A Jorge Lacerda 856MW (Tractebel/Suez) continua emitindo ininterruptamente gases venenosos, comprometendo a saúde pública e os recursos naturais da região num raio aproximado de 100 km, bem como descarrega diariamente, desde 1970, toneladas de CO², principal responsável pelo aquecimento global.

Infelizmente a vanguarda da comunidade ambientalista brasileira (e o governo também!) está voltada apenas a Amazônia, priorizando o combate ao criminoso desmatamento, esquecendo, porém que na verdade os combustíveis fósseis são os maiores responsáveis pelo atual desequilíbrio da climatologia da terra. Na região sul de SC, por exemplo, ocorrem as mais violentas enchentes do país, com repentinas trombadas d’água, como a do Natal de 1995, que matou 29 pessoas numa só noite em uma localidade abaixo dos Aparados da Serra. Nesta mesma região ocorrem tornados e recentemente um ciclone extra-tropical, mas o que mais assusta é a ocorrência do inédito e violento ‘’Furacão Catarina’’, coincidentemente ocorrido numa das regiões que mais emite CO² pela queima de carvão da América Latina.

O caso em questão na específica região deveria ser objeto de estudo, atenção e investigação pelas ONGs nacionais, comunidade científica e pelo Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas.

A Coordenação.
Sócios da Natureza – Desde 1980 dedicando-se voluntariamente a causa ambiental da região sul de Santa Catarina.
Araranguá SC, 13/Agosto/2008.

[Ecodebate, 16/08/2008]

Top