Desenvolvimento para a Amazônia – os grandes projetos como discurso único, artigo de Rogério Almeida

[EcoDebate] Até o início da década o debate sobre a Amazônia gravitava em torno do incremento da BR 163, que liga Santarém, oeste do Pará à Cuiabá, capital do Matogrosso. A rodovia é um ingrediente das modalidades de transporte que configuram um dos eixos de integração planejados para a região. Os demais elementos do eixo de transporte são ferrovias e hidrovias.

Repaginar a BR 163 tem como objetivo a redução do custo no escoamento da produção de grãos do Centro Oeste do país. Tudo bancado com recursos públicos a partir da generosidade dos cofres do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As atividades do banco transbordam as fronteiras nacionais e alcançam o continente. Analistas sobre o assunto apontam que o BNDES superou em importância o Banco Mundial.

A base da economia da Amazônia continua a mesma desde a presença dos primeiros saqueadores, o extrativismo. A situação do saque se agrava posto a Lei Kandir, -cria do útero do PSDB -, garantir a isenção na exportação de produtos primários e semi-elaborados. Somos duplamente saqueados

Além de transporte, telecomunicações e energia completam a santa trindade de integração da Amazônia. No derradeiro eixo, energia, a criação de consórcio tem norteado o cenário nacional. Tais empreendimentos mobilizam cifras estratosféricas, casa dos bilhões, sem falar nos interesses políqueiros nacionais e paroquiais. A revolta dos operários contra as precárias condições de trabalho nas hidrelétricas do estado de Rondônia, Jirau e Santo Antônio colocaram a periferia na agenda da mídia e do debate político do centro do poder.

A inquietação do “povo do abismo” foi tão retumbante que até as centrais sindicais resolveram dá sinal de vida. No Congresso Nacional discursos são disparados a torto e a direito, na mídia artigos e reportagens buscam analisar o assunto. Uma comentarista de importante TV gancha a questão e detona as centrais sindicais, outros tratam os operários como “bandidos”, um especialista sobre a região cria um mosaico sobre os fatos. Não lembro alguém nomear as empresas que integram o consórcio.

Mas, parece que a maioria não atenta ao pano de fundo, que a meu ver tem relação com a disputa pelo território e os recursos naturais, a partir de grandes corporações. Os projetos agendados no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a Amazônia têm ratificado a indiferença aos direitos humanos, e em particular às populações locais que em regra socializam as desgraças que os mega-projetos têm internalizado ao longo dos séculos.

A feição do Estado com relação ao desenvolvimento da Amazônia parece irretocável desde o estado de exceção. Vale lembrar que a cadeira principal do Ministério de Energia é ocupada por velho apoiador do regime, que por ironia tem o sobrenome de Lobão.

Grandes corporações são bons anunciantes. Algumas possuem esmero em associar a imagem como empresas cidadãs, e alinhadas com o marketing e a responsabilidade social. E no próximo dia do meio compraram páginas dos jornais e espaços em outras mídias que exibirão belas peças publicitárias e celebraram o discurso único do processo colonial: só é possível o “desenvolvimento” da região a partir dos grandes projetos.

Ainda hoje o ciclo da borracha (1979 a 1912) é celebrado como indutor da modernidade nos centros urbanos dos estados do Amazonas e do Pará. Noutro extremo silenciam-se os massacres das populações indígenas. Aos olhos da elite e de parte de uma intelectualidade parece mais confortante celebrar as obras arquitetônicas.

Colaboração do jornalista Rogério Almeida, do Blog FURO, para o EcoDebate, 31/03/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top