A população da Nigéria em 2100, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Publicado em setembro 28, 2012 por

Tags: população

 

população da Nigéria em 2100

 

[EcoDebate] A Nigéria pode se tornar, em termos demográficos, o país de maior crescimento absoluto no século XXI. A população nigeriana era de 37,8 milhões de habitantes em 1950 (época em que a população brasileira era de 52 milhões) e chegou a 124 milhões no ano 2000 e a 158 milhões em 2010. Mais que quadruplicou em 60 anos e aumentou em 34 milhões de habitantes somente na última década (o Brasil aumentou 20 milhões, em números redondos, de 170 para 190 milhões de habitantes entre 2000 e 2010)

A divisão de população da ONU estima que a Nigéria terá uma população de 230 milhões de pessoas em 2030, maior, portanto, do que a população brasileira que deve ficar em torno de 210 milhões nesta data. Para o ano de 2050, a Nigéria teve atingir uma população de 348 milhões, na hipótese baixa, de 390 milhões na hipótese média, e de 504 milhões de habitantes na hipótese alta. Para o final do século as hipóteses são: 505 milhões de habitantes, na hipótese baixa, de 730 milhões, na média, e 1,02 bilhão na hipótese alta.

Ou seja, a população da Nigéria pode variar entre 505 milhões a 1,02 bilhão de habitantes em 2100, dependendo fundamentalmente do comportamento das taxas de fecundidade e um pouco menos da migração. Desta forma, a população da Nigéria que ainda hoje é menor que a população brasileira pode ter um número de habitantes cinco vezes maior do que o Brasil no final do corrente século. Porém, o Brasil tem um território muito maior, assim como maiores recursos naturais.

Em 2010, a densidade demográfica no Brasil era de 23 habitantes por km2, enquanto na Nigéria era de 171 habitantes por km2. Para 2100, a densidade demográfica do Brasil deve cair para 21 hab/km2, enquanto na Nigéria deve chegar a 790 hab/km2. Evidentemente, esta alta densidade demográfica vai dificultar a articulação entre crescimento econômico, inclusão social e proteção ambiental, pois a Nigéria já tinha em 2008 uma pegada ecológica de 1,44 hectares globais (gha) para uma biocapacidade de somente 1,12 gha, de acordo com o relatório Planeta Vivo 2012, da WWF. Ou seja, o país africano mais populoso já possui um déficit ecológico e a situação vai ficar bem pior nas próximas décadas.

A taxa de fecundidade total (TFT) era de 6,4 filhos por mulher no quinquênio 1950-55 e subiu para 6,8 filhos em 1980-85. Esta alta taxa caiu ligeiramente para 5,6 filhos por mulher no quinquênio 2005-10. Isto quer dizer que a Nigéria tem uma estrutura etária jovem e alta proporção de jovens na população. Mesmo com a fecundidade iniciando uma queda mais acentuada, a população ainda vai crescer muito como os dados acima mostraram. A projeção média da ONU indica TFT de 3,4 filhos por mulher em 2045-50 e de 2,2 filhos por mulher em 2100. Portanto, mesmo caindo a fecundidade nigeriana ainda fica em um patamar bem acima do nível de reposição.

O número anual de nascimentos na Nigéria estava na casa de 1,8 milhões de bebês na década de 1950, chegou a 3,7 milhões em 1980-85, a 6 milhões em 2005-10, devendo atingir 10 milhões em meados do século e a 11,2 milhões em 2100. Para efeito de comparação, as estimativas apontam que o Brasil terá menos de 2 milhões de nascimentos por ano em 2100.

Se este número de nascimentos da Nigéria se confirmar na casa de 11 milhões e uma esperança de vida na casa de 76 anos em 2100, então mesmo que a população se estabilize ela ficará em torno de 830 milhões de habitantes. Este número colocará a Nigéria em terceiro lugar em tamanho populacional no mundo, devendo superar toda a população da América Latina e Caribe.

Evidentemente, vai ser muito dificil para a Nigéria garantir uma melhor qualidade de vida para a sua população mantendo este alto crescimento demográfico. Será mais difícil ainda promover a preservação ambiental com o alto crescimento populacional e com o aumento da produção econômica necessária para atender a demanda por uma melhor qualidade de vida de um número crescente de habitantes. Mesmo que a fecundidade caia no ritmo mais rápido (conforme a hipótes baixa da ONU), uma população superior a 500 milhões de habitantes na Nigéria será um enorme desafio e o sofrimento será maior entre a população mais pobre e excluída. Por enquanto, o país conta com certo montante de recursos do petróleo, mas são fontes fósseis finitas que vão esgotar em breve.

Evidentemente há alternativas para se evitar um agravamento da situação demográfica, econômica e social. Mas as possíveis soluções precisam ser agendadas desde já, para se evitar um desastre humano e ambiental de grandes proporções nas próximas décadas.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

EcoDebate, 28/09/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa


Comentários (1)

 

  1. rosa elisa villanueva disse:

    Até quando as pessoas vão esconder a realidade: não tem espaço, alimento e muito menos conservação ambiental, com esses aumentos da população. O mundo vai se transformar em caos, e cada vez mais os casos de crianças, que não pediram para nascer, subnutridas ou até morrendo de fome, vai se espalhar. Vamos comemorar os 8 bilhões de pessoas?