Relatório do IPCC e o efeito perverso entre produção de alimentos e mudanças climáticas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “De pé ó vítimas da fome; De pé famélicos da terra” Hino da Internacional Socialista     [EcoDebate] O relatório “Climate Change and Land”, do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, publicado dia 08 de agosto de 2019, trata da conexão entre o uso da terra e seus efeitos sobre a mudança climática. Existe um efeito perverso de retroalimentação, pois a produção de alimentos aumenta o aquecimento global, enquanto as mudanças climáticas

IPCC aponta que agricultura e usos do solo representam 23% das emissões de gases do efeito estufa

  Novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) aponta que mudanças no uso do solo são necessárias para limitar o aquecimento global a 2º C, conforme previsto pelo Acordo de Paris. Atualmente, a agricultura, a silvicultura e outros tipos de uso do solo representam 23% das emissões humanas de gases do efeito estufa. Ao mesmo tempo, a publicação alerta que as mudanças climáticas poderão agravar a degradação do solo no mundo,

IPCC defende ‘mudanças sem precedentes’ para limitar aquecimento global a 1,5 °C

  Limitar o aquecimento global a 1,5 °C exigirá “mudanças de longo alcance e sem precedentes” no comportamento humano, segundo um painel científico das Nações Unidas, que lançou nesta segunda-feira (8) um relatório especial segundo o qual algumas das ações necessárias já estão em andamento, mas precisam ser dramaticamente ampliadas.     ONU O IPCC, ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgou o relatório em Incheon, na Coreia do Sul, onde, na semana passada,

Síntese para formuladores de políticas, do Relatório Especial do IPCC sobre o Aquecimento Global de 1.5°C, é aprovado

Limitar o aumento da temperatura em 1,5°C em vez de 2°C terá enormes benefícios para a saúde humana, ecossistemas, oceanos, segurança alimentar, economias, infraestrutura, etc. . Limitar o aquecimento global a 1,5 ° C exigiria mudanças rápidas, de longo alcance e sem precedentes em todos os aspectos da sociedade, disse o IPCC em uma nova avaliação. Com benefícios claros para as pessoas e ecossistemas naturais, limitar o aquecimento global a 1,5 °

Próximo relatório do IPCC terá avaliação negativa sobre cumprimento das metas do Acordo de Paris

  Especialistas alertam que o próximo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês) vai prever grande dificuldade para o planeta cumprir a meta de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus centígrados (°C) até o fim deste século, como estabelece o Acordo de Paris, assinado por quase 200 países, durante a Conferência das Partes para o Clima, em 2015. Brasileiros que tiveram acesso a versões prévias do

População, mudanças climáticas e o IPCC, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“O Sistema Terra pode estar se aproximando de um limiar planetário que poderá tornar inevitável o caminho rápido e contínuo em direção a condições muito mais quentes – Terra Estufa” Will Steffen et. al., 2018     [EcoDebate] O crescimento exponencial da população e da economia fez com que a humanidade ultrapassasse a capacidade de carga da Terra, provocando uma degradação generalizada dos ecossistemas e a redução da biodiversidade do Planeta. Como alertou importante estudo liderado por

IPCC envia aos governos a versão final do Relatório Especial sobre o Aquecimento Global de 1,5ºC

    O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) está convidando os governos a comentar a versão final do Resumo para os Formuladores de Políticas (SPM) do Relatório Especial sobre Aquecimento Global de 1.5ºC (SR15) antes da aprovação da plenária. o SPM na 48ª sessão do IPCC no início de outubro.  O IPCC distribuiu a versão final do relatório, cujo nome completo é Aquecimento Global de 1,5 ° C, um relatório especial do IPCC sobre os

IPCC convoca especialistas para revisar documento sobre aquecimento de 1,5°C da Terra

    Segundo a vice-presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Thelma Krug, depois de 2014, se ampliou a literatura para servir de modelo para projeções sobre aquecimento do planeta. "Os dados mostram que a temperatura continua subindo", afirma. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) está convidando especialistas de todo o mundo a participar do processo de revisão da primeira versão do relatório especial sobre o aumento de

Um economista no comando do IPCC, por Junior Ruiz Garcia

  [EcoDebate] Essa semana recebemos a notícia da eleição do novo presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), o economista sul-coreano Hoesung Lee, especialista em energia e mudanças do clima. Ele comandará o IPCC por um período de 6 a 8 anos (Valor Econômico, 2015). O currículo de Hoesung Lee está disponível na página do IPCC, para visualizá-lo clique aqui. Hoesung Lee espera que possa melhorar o modo de operação do IPCC

IPBES, o ‘IPCC’ da biodiversidade, será nossa Arca de Noé? artigo de José Penalva Mancini

        Prof. Carlos Alfredo Joly, um dos coordenadores dos Grupos de Pesquisa do IPBES - o ‘IPCC’ da Biodiversidade - fez excelente conferência na 67ª SBPC em São Carlos, SP A Plataforma Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, o IPBES (da sigla em inglês) é um painel intergovernamental que tem por objetivo sistematizar todo conhecimento acumulado sobre biodiversidade em nosso planeta para subsidiar decisões políticas internacionais. Criada pela ONU – Organização das Nações

Relatório do IPCC funcionará como um guia para acordo climático global em 2015

    Líderes mundiais aguardam com expectativa a divulgação da síntese do quinto relatório de avaliação sobre mudanças climáticas, elaborado pelo Painel Internacional da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas - o IPCC, na sigla em inglês. Cientistas e membros de governos estão reunidos durante toda a semana, em Copenhague, capital da Dinamarca, a portas fechadas, para finalizar o documento, que promete ser o mais abrangente já elaborado no setor.

Extremos climáticos antecipam previsões iniciais do IPCC, diz Carlos Nobre, secretário do MCTI

    Em audiência pública do Senado Federal na última terça-feira (13), o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Carlos Nobre, reforçou a importância das ações na área de adaptação, diante do cenário de eventos climáticos extremos cada vez mais intensos e frequentes. A reunião teve como pauta a adaptação brasileira às mudanças climáticas e as medidas para financiar e diminuir

Top