Pilha de escória da CSN, depositada às margens do Paraíba do Sul, deverá ser reduzida para 4 metros de altura

  Uma liminar concedida ontem (9) pela Justiça Federal determinou à Companhia Siderúrgia Nacional (CSN) e à Harsco Metals que limite em quatro metros de altura a pilha de escória depositada, em Volta Redonda (RJ), às margens do Rio Paraíba do Sul. As empresas terão inicialmente 120 dias para cumprir a decisão. No entanto, o juiz Bruno Otero Nery informa que o prazo poderá ser revisto de acordo com questões técnicas

MP vai à Justiça contra pilha de escória da CSN depositada às margens do Paraíba do Sul

  Escória é subproduto da indústria siderúrgica e se acumula há décadas O Ministério Público Federal (MPF), em parceria com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), foi à Justiça em busca de uma solução para a enorme pilha de escória depositada pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em área no município de Volta Redonda (RJ), a poucos metros do Rio Paraíba do Sul. Uma ação civil pública foi ajuizada após denúncia

Justiça Federal obriga CSN a controlar as áreas contaminadas dos depósitos em áreas de Volta Redonda

    Companhia terá que elaborar e executar plano de trabalho prevendo o gerenciamento das áreas contaminadas O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP/RJ) obtiveram medida liminar determinando que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) elabore e execute plano de trabalho prevendo o gerenciamento das áreas contaminadas dos depósitos conhecidos como Márcia II, III e IV e Wander I e II, todos localizados em Volta Redonda,

Justiça condena CSN a pagar R$ 13 milhões por não cumprir acordo ambiental

    A Justiça do Rio condenou a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) a pagar R$ 13 milhões pelo descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado com o Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e o Estado do Rio de Janeiro em 2010. A quantia garantia o cumprimento de medidas para o controle de efluentes líquidos, águas pluviais, emissões atmosféricas, riscos potenciais e ruídos na Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda, a

Tribunal mantém decisão que determina redução de material particulado pela CSN

notícia

    TRF2 negou efeito suspensivo ao recurso da CSN. Atividade siderúrgica vem causando violações aos limites de emissão vigentes A desembargadora Federal Nizete Antônia Lobato Rodrigues Carmo negou efeito suspensivo ao recurso da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) contra decisão liminar obtida pelo Ministério Público Federal em Volta Redonda (MPF/RJ), que reconheceu que a atividade da siderúrgica vem causando violações aos limites de emissão de material particulado vigentes. Na decisão, a Justiça Federal de

Justiça determina fiscalização permanente da emissão de materiais particulados pela CSN

    Inea deverá produzir relatórios semanais; decisão para redução de emissões está valendo desde 22 de agosto Após pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ), a Justiça Federal determinou ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) que inicie, em 72 horas, a fiscalização permanente na Usina Presidente Vargas e produza relatórios semanais, inclusive quanto ao período noturno e em finais de semana, sobre os níveis de emissão de materiais particulados

BNDES vai analisar regularidade socioambiental em financiamentos à CSN

  CSN. Foto: Diário do Vale   Banco acatou recomendação e cobrará dos agentes financiadores que analisem a regularidade socioambiental da empresa O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) acatou recomendação do Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) e informou vai apurar a regularidade dos financiamentos indiretos concedidos à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) pelas instituições financeiras credenciadas nos últimos cinco anos, especialmente quanto ao cumprimento da legislação ambiental. Em reunião, os

RJ: Justiça determina à CSN comprimento de TAC, com medidas de proteção da Floresta da Cicuta

    Empresa descumpriu termo de compromisso firmado com o ICMBio em 2008, que previa a construção de sede administrativa e centro de visitação para educação ambiental Após atuação do Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ), a Justiça Federal determinou o cumprimento de acordo firmado entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) que prevê a construção de uma sede administrativa e de

Justiça Federal condena CSN por crime ambiental de poluição em Volta Redonda (RJ)

  CSN. Foto: Diário do Vale   MPF sustenta em ações despejo de 18,3 milhões de litros de substância de cor escura no rio Paraíba do Sul em 2010 A Justiça Federal condenou a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) pela prática do crime de poluição a ao ter despejado efluentes no Rio Paraíba do Sul, em 27 de novembro de 2010. O Ministério Público Federal sustenta nas ações, com base em laudos da Polícia Federal,

RJ: Justiça determina redução de emissão de materiais particulados pela CSN

  CSN. Foto: Diário do Vale   Decisão atende pedido do MPF e reconhece que a atividade da siderúrgica vem causando violações aos limites de emissão vigentes Após ação civil pública do Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ), a Justiça Federal de Volta Redonda determinou à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) que reduza, no prazo de 30 dias, a emissão de material particulado nas unidades de sinterização aos limites estabelecidos pela Resolução Conama

MPF recomenda ao BNDES que audite a política de responsabilidade socioambiental em empréstimos à CSN

  CSN. Foto: Diário do Vale   Banco deve observar política de responsabilidade socioambiental e analisar os empréstimos à empresa O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) expediu recomendação ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para que realize auditoria nos empréstimos concedidos à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Deverá ser instaurado processo administrativo, com ampla defesa e contraditório, com o fim de verificar se a empresa possui licença ambiental e

MPF/RJ pede a suspensão de atividades da CSN por falta de licença de operação e de danos ambientais

  CSN. Foto: Diário do Vale   A empresa não possui licença de operação desde 2012 e não cumpre obrigações estipuladas em termo de ajustamento de conduta O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) propôs ação civil pública para que seja declarada a inexistência de licença para as atividades exercidas no interior da Usina Presidente Vargas, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). O pedido decorre do descumprimento de diversas obrigações estabelecidas em termo

Secretaria do Ambiente do Rio cobra da CSN o cumprimento de 46 ações ambientais

    A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, na região sul fluminense, terá que cumprir 46 ações ambientais, em um prazo de dois anos, determinadas em um novo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) elaborado pela Secretaria Estadual do Ambiente. Em 2010, a CSN assinara um (TAC) com a secretaria, por meio do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), se comprometendo em cumprir 114 medidas para causar menos impacto ao meio

Presidente e diretor da CSN voltam a ser réus em processo de crime ambiental contra a siderúrgica

    O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) decidiu ontem (20) que o diretor-presidente e principal acionista da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, e o diretor-executivo de produção da empresa, Enéas Garcia Diniz, voltam a ser réus em processo penal contra a companhia. O presidente e o diretor da CSN são acusados de crime ambiental por poluir o ar do município de Volta Redonda e o rio Paraíba do

CSN é multada em R$ 35 milhões por contaminação de solo em Volta Redonda, RJ

  Foto: Luiz Morier / SEA   A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi multada em R$ 35 milhões pela contaminação do terreno onde está situado o Condomínio Volta Grande IV, em Volta Redonda, na Região do Médio Paraíba, com substâncias altamente poluentes, incluindo metais pesados e ascarel. A decisão foi divulgada nesta segunda-feira (08/04) pelo secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, e pela presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marilene Ramos, em

Descontaminação pela CSN do lençol freático de terreno em Volta Redonda pode custar até R$ 60 milhões

  Foto: Luiz Morier / SEA   O secretário do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, disse ontem (8) que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) deverá gastar entre R$ 50 milhões e R$ 60 milhões apenas com a descontaminação do lençol freático do terreno que a empresa doou para a construção de casas para funcionários. A área, localizada em Volta Redonda, estava contaminada por 18 tipos diferentes de produtos químicos com substâncias

CSN doa terreno contaminado com substâncias cancerígenas a funcionários

  Foto: SEA   O Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (Inea) confirmou nesta quinta-feira (04), que está contaminado com substâncias cancerígenas, o terreno cedido pela Companhia Siderúrgica Nacional, para construção de casas de funcionários em Volta Redonda, no sul do Rio de Janeiro. Segundo o estudo, os moradores estão expostos a substâncias extremamente perigosas e o terreno apresenta contaminação em nível intolerável à saúde humana. Apresentação de Isabela Vieira, da Radioagência

Governo do Rio multa CSN e pede retirada de famílias de área contaminada em Volta Redonda

    O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, anunciou nesta quinta-feira (04/04), em entrevista coletiva, que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) será multada em até R$ 50 milhões e que a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) solicitaram à Justiça que a companhia seja obrigada a retirar imediatamente 750 pessoas que residem em um terreno contaminado com substâncias tóxicas e potencialmente cancerígenas no Condomínio

CSN é multada em R$ 11,5 milhões por descumprir medidas de combate à poluição

    A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi multada ontem (19) em R$ 11,5 milhões por descumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com a Secretaria Estadual do Ambiente (SEA) do Rio de Janeiro. Entre os pontos que a siderúrgica deixou de cumprir estão medidas de controle de poluição atmosférica, de prevenção a vazamentos de material tóxico e de descontaminação de águas subterrâneas. No total, o secretário do Ambiente do

SC: CSN é multada por atraso nas obras de recuperação ambiental das áreas degradadas pela mineração de carvão

    Multa foi estipulada em mais de R$ 880 mil por descumprimento de acordo judicial O Ministério Público Federal em Criciúma (SC) conseguiu obter na Justiça a aplicação de multa à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), por atraso nas obras de recuperação ambiental das áreas degradadas pela mineração de carvão, estabelecidas no termo de acordo judicial (TAJ), assinado em 2010. Foram identificadas oito áreas sob responsabilidade da CSN que desobedeceram o cronograma de recuperação.

Top