Robôs sexuais sapiens, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

“Só penso em sexo quando respiro”
Woody Allen

 

robô

 

[EcoDebate] Há um consenso de que o mundo dos robôs está chegando. Dentre os potenciais usos, uma das promessas mais impactantes da Revolução 4.0 e que pode trazer felicidade para preencher a vida de bilhões de pessoas solitárias são os robôs sexuais sapiens. Ao contrário dos robôs assassinos que são projetados para a guerra e os conflitos militares, os robôs sexuais são idealizados para satisfazer as fantasias sexuais e para a plena efetivação dos desejos sentimentais e amorosos mais profundos do ser humano.

Os estudiosos dizem que o mercado de dildos e outros brinquedos sexuais é amplamente generalizado e espalhado em diversos tipos de “sex shop”. Mas tem aumentado a oferta de brinquedos sexuais que se adaptam ao perfil usuário, por exemplo, vibradores que percebem as contrações da pessoa e intensificam o orgasmo. Há inúmeros instrumentos e artefatos voltados a propiciar o prazer sexual.

Todavia, o que tem mais chamado a atenção são as/os bonecas/os sexuais cada vez mais realistas, feitas/os de silicone e esqueleto de metal articulado. Segundo reportagem da BBC, entre as empresas que fabricam robôs sexuais estão a Android Love Doll, a Sex Bot e a True Companion. A maioria delas já havia trabalhado, antes, na produção de bonecas eróticas bastante realistas, feitas de silicone. Agora, estão começando a produzir bonecas capazes de se mover e falar.

Mas isto é só o começo. O futuro deve promover o casamento da robótica e da Inteligência Artificial (IA), o que possibilitaria a construção de robôs sexuais sapiens. Robôs com o rosto e o corpo de atrizes e atores famosos, ou atletas olímpicos, etc. Existem até viúvos/as interessados em reproduzir as características físicas semelhantes às do/a falecida/o.

O grande salto qualitativo viria quando os avanços da nanotecnologia, da biotecnologia e do aperfeiçoamento de novos materiais. A revolução viria com os robôs sexuais sapiens (robôs com IA) cada vez mais parecidos com os seres humanos e capazes de mimetizar a inteligência emocional e atender os sonhos recônditos das pessoas. Os robôs sapiens poderiam se adaptar a qualquer orientação sexual, podendo atender aos desejos hétero ou homonormativos, além de atender relações monogâmicas, poligâmicas, etc.

Artigo de Nuño Domínguez, no jornal El País (05/07/2017), mostra que cresce a preocupação com o uso cada vez maior de robôs sexuais. Noel Sharkey, professor emérito de robótica e inteligência artificial da Universidade de Sheffield, foi coautor do documento “Nosso Futuro Sexual com os Robôs”, que revisa a literatura científica sobre o tema. Existem pesquisas que indicam que até 86% dos entrevistados opinaram que os robôs poderiam satisfazer os seus desejos sexuais.

O relatório analisa alguns modelos de robôs sexuais disponíveis no mercado, inclusive alguns equipados com sistemas de inteligência artificial, como robôs que têm várias personalidades programadas. O relatório também analisa o caso da empresa Trottla, fundada pelo japonês Shin Takagi, um “pedófilo confesso” cuja companhia fabrica bonecas sexuais de meninas.

Enquanto há estudiosos que consideram o uso de robôs sexuais um assunto de âmbito privado, há advogados que acreditam que este tipo de brinquedo sexual seria problemático e poderia incentivar comportamentos violentos e pedófilos.

Para o jornalista Hélio Schwartsman, colunista do jornal Folha de São Paulo, crimes sexuais precisam produzir vítimas reais e isto se aplica apenas para os seres humanos.

Schwartsman diz: “A menos que julguemos que o ser humano tem obrigações morais para com computadores, o que não está nem nos sonhos dos entusiastas da inteligência artificial, não há problema algum em estuprar androides ou cortá-los em pedacinhos. Fazê-lo não difere de desmontar uma torradeira” e conclui: “A sociedade deve fazer tudo o que estiver a seu alcance para reduzir os crimes sexuais, mas não deve imaginar delitos onde eles não existem”.

Referências:
Nuño Domínguez. Assim será nosso futuro sexual com os robôs, El País, 06/07/2017
https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/04/ciencia/1499198579_854901.html

Jane Wakefield. Os usos sexuais de robôs que estão preocupando cientistas, BBC, 11/07/2017
http://www.bbc.com/portuguese/internacional-40564247

Hélio Schwartsman. Sexo com robôs, FSP, 30/07/2017
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2017/07/1905519-sexo-com-robos.shtml

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/09/2017

Robôs sexuais sapiens, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 1/09/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/09/01/robos-sexuais-sapiens-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Robôs sexuais sapiens, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Comentários encerrados.

Top