A web promete para este ano um festival de barbaridades, artigo de Celso Figueiredo

 

web

 

[EcoDebate] Já virou lugar comum dizer que o que mais falta ao Brasil é a educação. Nas redes sociais, contudo, essa ignorância ganha contornos de batalha campal. Polarização, Fla-Flu, coxinhas versus mandiocas.

Chame-se como quiser, o fenômeno mais presente nas redes sociais hoje – e que promete ainda perdurar ao longo do ano – é a oposição furibunda. De ambos os lados – e parece que são apenas dois, embora saibamos que são muitos – vemos comparações grotescas, ataques ad hominem (quando se ataca a pessoa e não sua atuação em cargo público) provocações, bravatas e agressivas ostentações.

Impeachment, olimpíadas, crise e eleições municipais são os ingredientes desse caldo com sabor de crise econômica e frustração de expectativas. Não faz muito pensávamos que éramos ricos, que o consumo garantiria a consistência da estabilidade, que viajando para Miami nos tornaríamos pessoas melhores, que carro novo ou roupas de grife seriam o necessário para que o mercado de trabalho nos abrisse as portas, pagando altos salários para desempenhos medíocres. Ledo engano.

A frustração de expectativas fermenta a insatisfação com o desempenho do governo. A tolerância ao mau feito se esgotou com o crédito nos bancos e a emoção invade a razão no ambiente das redes sociais. Não há espaço para desenvolver-se argumentos, debates, trocas de ideias e pontos de vista. O que se vê hoje é uma feroz catarse, um grito primal que, a exemplo do futebol, não precisa fazer sentido.

Entretanto, o ambiente virtual não permite vitupérios gratuitos como os comuns nas partidas de futebol. As redes sociais são, na maioria dos casos, assíncronas, isto é, o momento em que alguém posta uma mensagem é diferente do ambiente e do momento daquele que acessa a mensagem gerando aí uma miríade de desentendimentos, incompreensão e impropérios.

Falta mesmo a educação, não aquela assentada na polidez e nos bons modos, mas a outra, mais profunda, que ensina a diversidade e o respeito, a tolerância e o siso, o amor pelo próximo e a possibilidade de construção coletiva do conhecimento. É dessa que precisamos, mas estamos tão longe…

*Celso Figueiredo é doutor em comunicação e semiótica e professor especialista em Mídias Sociais nos cursos de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

 

in EcoDebate, 31/03/2016

A web promete para este ano um festival de barbaridades, artigo de Celso Figueiredo, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/03/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/03/31/a-web-promete-para-este-ano-um-festival-de-barbaridades-artigo-de-celso-figueiredo/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top