Questão de Segurança, artigo de Montserrat Martins

 

opiniao

 

[EcoDebate] Nas últimas semanas, comunicadores populares tem erguido a voz pedindo ao Governador do Rio Grande do Sul providências na área de Segurança. David Coimbra escreveu que o governador parece indiferente e na crise é que se revelam os líderes, pedindo providências. Mais surpreendente foi em plena jornada esportiva dominical, o narrador Pedro Ernesto Denardin, ao receber notícias do plantão policial, “convocar” o governador a tomar uma atitude: “Governador, o senhor foi eleito para isso”.

Na verdadeira guerra política que se instalou no país, dos “coxinhas” versus “petralhas”, estes se queixam da grande mídia. Pois o Governador José Ivo Sartori, que se elegeu favorecido por uma “onda anti-petista” no sul do país em 2014 (associado à sua imagem de ter sido um bom prefeito, é claro), chegou a um ponto em que nem mesmo a mídia acusada de ser “conservadora” aguenta mais o “desgoverno”, em matéria de Segurança Pública, a que está entregue o Estado.

Falta de dinheiro é um problema real, evidente, mas se há uma área em que não se pode economizar é em Segurança. Sem ela não podem funcionar os Postos de Saúde, como tem acontecido na Vila Cruzeiro em Porto Alegre, onde as equipes de saúde às vezes não podem atender diante do risco que enfrentam. Escolas também não tem como funcionar bem, em meio a tiroteios. O comércio, como pode trabalhar? Como as pessoas poderão circular nas ruas sem segurança?

e o motivo da falta de iniciativas é econômico, falta alguém alertar ao Governador que a falta de segurança é um dos piores inimigos da Economia gaúcha. Qual empresa vai querer se instalar na região, com esse ambiente? Como o governo vai arrecadar ICMS se as pessoas ficam inseguras de sair na rua e o comércio de abrir as portas em certas regiões?

Inacreditável uma declaração recente do Secretário de Segurança do RS, quando entrevistado sobre as guerras de gangues na Bom Jesus e na Vila Cruzeiro, ao responder que não frequenta essas vilas – o que provocou no público a sensação de que ele estava recomendando “não frequentar” essas regiões, onde moram afinal milhares de pessoas, entregues ao poder tirânico dos patrões do tráfico.

Entre os comentários nas redes sociais à incrível fala do sr. Wantuir Jacini, uma dizia que “vocês frequentaram as vilas sim, quando foram pedir votos”. Nada mais representativo da realidade brasileira, do divórcio dos governantes com a população. São os chamados “governos de gabinetes”, que não frequentam as ruas. Justa a indignação da população, a que se somam agora os comunicadores da mídia.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é médico psiquiatra, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e ex-presidente do IGS – Instituto Gaúcho da Sustentabilidade.

 

in EcoDebate, 29/02/2016

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top