O 1% dos mais ricos detém a metade da riqueza mundial, diz o Relatório Global de Riqueza de 2014

 

dolares

 

O grupo que compõe o 1% mais rico da população mundial está ficando mais rico ainda, detendo mais que 48% da riqueza global, segundo um relatório publicado nesta terça-feira, que alertou também que a desigualdade crescente poderá provocar uma recessão.

A reportagem foi publicada pelo jornal The Guardian, 14-10-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

De acordo com o Relatório Global de Riqueza de 2014 do banco Credit Suisse, uma pessoa precisa apenas de US$ 3.650,00 para estar entre os mais ricos do mundo. No entanto, exige-se mais de U$ 77.000 para alguém ser membro dos 10% que mais concentram a riqueza mundial, e U$ 798.000 para pertencer ao 1%.

“Considerada em seu conjunto, a metade de baixo da população global detém menos de 1% da riqueza total. Em contraste, os 10% mais ricos concentram 87% da riqueza mundial, e o 1% dos mais ricos contabiliza 48% dos ativos mundiais”, lê-se no relatório anual, agora em seu quinto ano.

O relatório, que calcula que a riqueza global tem crescido a um novo recorde – U$ 263 trilhões, mais do que o dobro dos 117 trilhões de dólares calculados para 2000 –, descobriu que a Inglaterra foi o único país no G7 a registrar um aumento na desigualdade no século XXI.

Ativistas antipobreza da organização Oxfam apoderaram-se destes resultados. No início do ano, eles haviam publicado uma pesquisa que mostrava que as 85 pessoas mais ricas ao redor do globo partilham uma riqueza combinada de 1 trilhão de libras esterlinas, nada menos do que os 3.5 bilhões mais pobres da população mundial.

“Estes números dão provas de que a desigualdade está extrema e crescendo, e que a recuperação econômica após a crise financeira tem ocorrido em favor dos mais ricos. Nos países pobres, o aumento da desigualdade significa a diferença entre os filhos terem, ou não, a oportunidade de ir para a escola/universidade e pessoas doentes de receber, ou não, medicamentos que salvam vidas”, disse a chefe Emma Seery, da Oxfam.

“Na Inglaterra, os sucessivos governos não conseguiram se familiarizar com o aumento da desigualdade. Este relatório mostra que os menos capazes em termos financeiros pagaram o preço da crise enquanto que mais riquezas inundaram os cofres dos mais ricos”.

O aumento de 20.1 trilhões na riqueza mundial ao longo do último ano é o maior registrado desde 2007. O total tem aumentado a cada ano desde 2008 e, atualmente, está 20% acima de seu pico antes da crise, segundo o relatório.

Nos EUA, a riqueza no ano passado cresceu 12.3 trilhões, tanto quanto o país perdeu na crise financeira.

Os analistas do Credit Suisse apontaram para o debate provado pela obra publicada por Thomas Piketty a respeito das tendências a longo prazo sobre a desigualdade. Disseram que, embora a desigualdade tenha crescido muitos países fora do G7, dentro do grupo das economias mais desenvolvidas foi somente na Inglaterra que ela, a desigualdade, aumentou desde a virada do século.

“Somente um destes países, a Inglaterra, registrou uma desigualdade crescente ao longo de todo o período de 2000 a 2014, e somente três mostraram um aumento após 2007: França, Itália e Inglaterra”, diz o relatório.

Sobre a Inglaterra, diz afirma: “Atualmente, o padrão da distribuição de riqueza na Inglaterra é bastante comum para uma economia desenvolvida. Quase 60% da população tem uma riqueza que excede os 100 mil dólares e há dois milhões de milionários entre a população”.

Outros cálculos feitos pela equipe do Credit Suisse “sugerem um aumento da desigualdade na participação da riqueza global em anos recentes”, e mostram que a riqueza geral nos EUA cresceu num ritmo mais rápido do que os rendimentos. Os autores alertaram que isto é uma tendência que pode levar à recessão.

“Por mais de um século, a taxa de rendimento da riqueza tem, em geral, ficado num intervalo estreito entre 4 e 5. No entanto, esta taxa se elevou, brevemente, acima de 6 em 1999, durante a bolha da internet, e quebrou tal barreira novamente durante o período de 2005 a 2007. Voltou ao ‘nível normal’ na sequência da crise financeira, mas o declínio vem sendo, desde então, revertido, e a taxa está agora num nível alto recorde de 6.5, podendo ser comparado somente com o período da Grande Depressão. Trata-se de um sinal preocupante, visto que as taxas de rendimento da riqueza demasiado altas sempre sinalizaram, no passado, uma recessão”, diz o relatório.

A China, hoje, tem mais pessoas no top 10% dos detentores da riqueza mundial do que qualquer outro país, exceto os EUA e Japão, tendo ocupado o terceiro lugar nos rankings, ultrapassando a França, a Alemanha, a Itália e a Inglaterra.

(EcoDebate, 17/10/2014) publicado pela IHU On-line, parceira editorial do EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “O 1% dos mais ricos detém a metade da riqueza mundial, diz o Relatório Global de Riqueza de 2014

  1. “O 1% dos mais ricos detém a metade da riqueza mundial, diz o Relatório Global de Riqueza de 2014”.

    Este quadro é muito negativo, e se torna ainda pior, quando sabemos que a maioria dos seres humanos, que sofre as agruras da pobreza, apoia e defende o capitalismo, pois é privada de uma educação que permita ter uma visão crítica da vida, nos aspectos relacionados à política, à economia, às religiões e ao meio ambiente. Ao contrário, sua visão e compreensão da ‘sociedade humana’ e de sua própria existência é adquirida da grande mídia, das pregações religiosas, das propagandas políticas realizadas pelos partidos conservadores. Ou seja, são os opressores que mostram a ‘realidade’ que os oprimidos devem enxergar. Essa camada da ‘sociedade’ – chamada de classe oprimida – vive sob tamanha pressão social, politica, econômica, religiosa, etc., e sob tão grande repressão do poder dominante constituído, que não lhe sobra qualquer possibilidade de escapar dessa força que a aniquila.

Comentários encerrados.

Top