Integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF) é alternativa sustentável na Amazônia mato-grossense

 

integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF)

 

A Embrapa acaba de lançar o vídeo “iLPF: uma alternativa sustentável para a Amazônia mato-grossense”. A produção mostra como estão sendo desenvolvidas ações de transferência de tecnologia em integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF) na região Norte de Mato Grosso.

A iLPF integra sistemas produtivos agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área, de maneira consorciada, em rotação ou sucessão, de forma que haja benefícios para todas as atividades. Esta forma de produção contribui para otimização do uso da terra, aumento da produtividade, melhoria da qualidade dos produtos, diversificação de produção, maior segurança para o produtor e redução dos impactos ambientais.

Na região da Amazônia mato-grossense, a iLPF surge como alternativa sustentável para a produção, uma vez que dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) mostram que 90% do aumento da área de soja no estado ocorre em áreas de pastagens, sobretudo nesta região.

“O vídeo é uma ferramenta com objetivo de sensibilizar e motivar produtores e técnicos e mostrar que existem alternativas sustentáveis para esta região de bioma Amazônia”, explica o chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agrossilvipastoril, Lineu Domit.

A produção do vídeo faz parte das atividades de divulgação do projeto nacional de Transferência de Tecnologia em iLPF, conduzido por diferentes Unidades da Embrapa e com ações desenvolvidas em todo o país.

“Este vídeo é mais um instrumento para que as pessoas conheçam a iLPF. Mas, o processo de transferência de tecnologia até o produtor é mais complexo e exige um conjunto de atividades e ferramentas como capacitações, criação de Unidades de Referência Tecnológica, visitas técnicas, dias de campo, entre outras”, ressalta Lineu Domit.

O vídeo
Tomando três fazendas como referência, o vídeo “iLPF: uma alternativa sustentável para a Amazônia mato-grossense” apresenta os sistemas agrossilvipastoris e mostra o que levou os produtores a utilizarem a integração, como ocorreu a implantação dos sistemas e quais os resultados e expectativas.

A fazenda Gamada, em Nova Canaã do Norte, é o ponto focal do vídeo. Por meio de depoimentos dos proprietários Mário Wolf e Daniel Wolf e das equipes da Embrapa e UFMT, são apresentadas as configurações adotadas, a forma de condução do sistema e os resultados obtidos nesta propriedade que é uma das nove Unidades de Referência Tecnológica em iLPF montadas em Mato Grosso.

Outro exemplo é o da fazenda Bacaeri, em Alta Floresta, onde o proprietário Antônio Passos uniu a silvicultura de teca e a pecuária de corte em um sistema silvipastoril. Hoje, a propriedade é acompanhada pela Embrapa e também se tornou uma Unidade de Referência Tecnológica para a região.

O vídeo ainda mostra o caso da fazenda Rosane, no município de Nova Bandeirantes. Na procura por alternativas mais produtivas e sustentáveis, os proprietários Devanir Della Rosa e Henrique Della Rosa buscaram informações na Embrapa e decidiram implantar um sistema de iLPF.

Na sequência, o vídeo mostra como a instalação da Embrapa Agrossilvipastoril em Sinop poderá contribuir para o desenvolvimento e transferência de tecnologias em iLPF.

Como assistir
Assista abaixo o vídeo “iLPF: uma alternativa sustentável para a Amazônia mato-grossense” , produzido pela Tomada Dois Produção Audiovisual também disponível no Canal da iLPF Embrapa no YouTube.

 

 

Matéria de Gabriel Faria, da Embrapa Agrossilvipastoril, publicada pelo EcoDebate, 08/11/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top