Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.716, de 09/11/2012

    Arábia Saudita: crescimento populacional e decrescimento das exportações de petróleo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Ufa ! artigo de Montserrat Martins O silêncio, nada inocente, do Programa Nuclear Brasileiro, por Zoraide Vilasboas Diálogo Tapajós: tentativa de lavagem cerebral das comunidades, por Telma Monteiro Limpeza de locais de águas subterrâneas contaminadas pode exigir décadas Ministra do Meio Ambiente defende preferência para hidrelétricas na ampliação da matriz energética do país Para diretor

Arábia Saudita: crescimento populacional e decrescimento das exportações de petróleo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A Arábia Saudita é o único território do mundo onde o nome do país é baseado no sobrenome de uma família. A família saudita manda e desmanda em toda a nação, que tem instituições democráticas frágeis e uma sociedade civil desempoderada e praticamente sem nenhuma liberdade de expressão, organização e manifestação. As mulheres sauditas carecem totalmente de autonomia e só participaram, pela primeira vez, das Olimpíadas de Londres porque

Ufa ! artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Até a meia-noite do dia da eleição, Romney tinha um milhão de votos e dezenas de delegados a mais que Obama: a apuração seguia o fuso horário (leste-oeste) e ele dominava a região central do país. Muitos não gostam de política, ou de americanos, mas todos seríamos afetados se a costa oeste (Hi, California), enfim, não virasse o jogo. Vamos lembrar alguns motivos para você dizer “ufa” e respirar

O silêncio, nada inocente, do Programa Nuclear Brasileiro, por Zoraide Vilasboas

    Dois acidentes, graves, em menos de um mês neste ano, no complexo minero-industrial da INB, na Bahia, paralisam, mais uma vez, a produção de urânio em Caetité Dois acidentes, graves, em menos de um mês, expõem, mais uma vez, as vulnerabilidades do Programa Nuclear Brasileiro. Mas as autoridades responsáveis não saem do “sapato alto”. Vale tudo pra tentar reforçar a cortina do silêncio, com a qual tentam blindar os crimes ambientais

Diálogo Tapajós: tentativa de lavagem cerebral das comunidades, por Telma Monteiro

  Moradores de Montanha e Mangabal, rio Tapajós - Foto: candidoneto.blogspot.com   "A reunião foi para fazer uma lavagem cerebral nas pessoas da comunidade".Com essa frase começou minha conversa por telefone com um integrante da comunidade Montanha e Mangabal que se localiza na beira do rio Tapajós. Na segunda-feira, 05/11, cerca de 20 pessoas foram chamadas de última hora para uma reunião com um representante da empresa Diálogo Tapajós, contratada pela Eletronorte. Gil Rodrigues

Limpeza de locais de águas subterrâneas contaminadas pode exigir décadas

    [EcoDebate] Pelo menos 126 mil locais nos EUA tem as reservas de águas subterrâneas contaminadas e requerem remediação, sendo que cerca de 10 % destes locais são considerados "complexos", ou seja, cuja restauração é improvável de ser alcançada nas próximas décadas, devido a limitações tecnológicas. Esta conclusão consta de um novo relatório [Alternatives for Managing the Nation's Complex Contaminated Groundwater Sites] da National Academy of Sciences. O relatório acrescenta que

Ministra do Meio Ambiente defende preferência para hidrelétricas na ampliação da matriz energética do país

    A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, voltou a defender ontem (8) as usinas hidrelétricas como forma mais segura e barata de ampliação da matriz energética no país. Segundo ela, a outra opção possível, a obtenção de energia a partir de usinas nucleares, além de mais cara, é menos limpa ambientalmente. “Nenhum país que tem potencial hidrelétrico renuncia [a esse potencial], porque é uma energia mais barata e segura. Outra opção

Para diretor do Greenpeace, Brasil perdeu o senso de urgência da mitigação das mudanças climáticas

    Em audiência pública na tarde desta quarta-feira (7), parlamentares, especialistas e representantes do governo discutiram os planos públicos setoriais de mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Durante a reunião, realizada pela Comissão Mista Permanente de Mudanças Climáticas (CMMC) do Congresso Nacional, o diretor de campanhas da organização não governamental Greenpeace, Sérgio Leitão, afirmou que o governo federal perdeu a noção de quão urgente é o tema para o país. - A

Baixa coleta limita escala industrial na produção de biodiesel com óleo residual de fritura

  Nível de acidez pode tornar óleo residual inadequado para produção de biodiesel   Produção evita que resíduos cheguem ao meio ambiente, mas requer mudanças para aproveitar mais o óleo A utilização de óleos residuais de fritura no Brasil em escala industrial na produção de biodiesel ainda é limitada pela pequena escala de coleta e armazenamento do óleo descartado, como mostra uma pesquisa do Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da USP. O estudo

Tecnologias sociais levam água potável à população carente

    Fundação Banco do Brasil em parceria com a entidade Articulação do Semiárido e a ONG Verdejar inauguram cisternas também no Complexo do Alemão e melhoram qualidade de vida da comunidade Graças ao poder das tecnologias sociais que unem soluções simples e de baixo custo, desenvolvidas com o envolvimento da comunidade, regiões carentes pelo Brasil afora já recebem água potável. O sistema de cisternas criado na própria região consiste na construção de

MPF/TO instaura procedimento para apurar desmatamento na APA do Lageado

    Informações sobre graves danos ambientais chegaram ao conhecimento do Ofício da Defesa do Meio Ambiente por intermédio da rede social Twitter O Ministério Público Federal no Tocantins (MPF/TO) instaurou procedimento preparatório para inquérito civil com objetivo de apurar possíveis danos ambientais na Área de Proteção Ambiental da Serra do Lageado (APA do Lageado). A medida considerou informações postadas por cidadão palmense na internet por meio da rede social Twitter, em cujos

Incra tem seis meses para obter licenciamento ambiental de assentamentos em Mato Grosso

    Segundo decisão judicial, autarquia também está proibida de criar e implantar novos projetos de assentamento sem o prévio licenciamento ambiental A Justiça Federal determinou um prazo de seis meses para que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) obtenha o licenciamento ambiental dos assentamentos da reforma agrária implantados em Mato Grosso. O Incra também está proibido de criar e implantar novos projetos de assentamento sem o prévio licenciamento ambiental. Em

Top