Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.618, de 21/06/2012

  Rio+20: Quando a economia e o capitalismo se pintam de verde, artigo de Esther Vivas Fiasco+20, artigo de Eloy F. Casagrande Jr Saneamento básico é o maior problema ambiental do Brasil, diz especialista da UnB Estudo da ANA revela que quase metade das águas em área urbana tem má qualidade Brasil precisa investir R$ 50 bilhões na proteção de mananciais de águas captadas para uso urbano Metade dos ativistas ambientais

Rio+20: Quando a economia e o capitalismo se pintam de verde, artigo de Esther Vivas

  [EcoDebate] O verde vende. Desde a revolução verde, passando pela tecnologia verde, o crescimento verde até chegar aos “brotos verdes”, que teriam que nos tirar da crise. A última novidade: a economia verde. Uma economia que, contrariamente ao que seu nome indica, não tem nada de “verde”, além dos dólares que esperam ganhar com a mesma aqueles que a promovem. É que a nova ofensiva do capitalismo global por privatizar e

Fiasco+20, artigo de Eloy F. Casagrande Jr

  [EcoDebate] Depois de 25 anos, o que a conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) conseguiu produzir foi um documento muito semelhante que a mesma reunião de líderes do mundo debateu na Noruega, em 1987. Praticamente não se avançou em nada para implantar-se medidas efetivas para evitar a destruição do Planeta. Até o nome escolhido agora do novo documento “O Futuro que Queremos” é parecido com o antigo “Nosso

Saneamento básico é o maior problema ambiental do Brasil, diz especialista da UnB

  A falta de saneamento básico causa mais impacto ambiental negativo ao Brasil do que o desmatamento ou a execução de projetos para a obtenção de energia. A avaliação é do professor de engenharia civil e ambiental da Universidade de Brasília, Oscar Netto. “Em média, todo brasileiro vai se deparar, em algum momento do seu dia, com problemas ambientais causados pela falta de saneamento. Sobretudo no que se refere a saneamento

Estudo da ANA revela que quase metade das águas em área urbana tem má qualidade

  Apesar de 81% dos recursos hídricos monitorados no Brasil estarem em excelentes ou boas condições, o baixo índice de coleta e tratamento de esgotos faz com que 47% das águas localizadas em áreas urbanas sejam avaliadas como ruins ou péssimas. A constatação faz parte do estudo Panorama da Qualidade das Águas Superficiais – 2012, divulgado hoje (19) pela Agência Nacional de Águas (ANA). Dos 1.988 pontos monitorados em 2010 pela ANA,

Brasil precisa investir R$ 50 bilhões na proteção de mananciais de águas captadas para uso urbano

  Foto de Virginia Damas / ENSP Para proteger os mananciais superficiais de águas usados como fonte de captação para abastecimento urbano, o Brasil precisa investir cerca de R$ 50 bilhões nas redes coletoras e estações de Tratamento de Esgotos (ETE) de 52% dos municípios. Os valores, apresentados no estudo Panorama da Qualidade das Águas Superficiais – 2012, divulgado ontem (19) pela Agência Nacional de Águas (ANA), têm como base dados do Atlas

Metade dos ativistas ambientais assassinados na última década são brasileiros, diz estudo

    Líder de acampamento indígena Guarani-Kaiowá, Nísio Gomes está desaparecido desde novembro de 2011 Um estudo da ONG Global Witness concluiu que 711 ativistas foram assassinados no mundo todo ao longo da última década por protegerem a terra e a floresta - e mais da metade são brasileiros. De acordo com a pesquisa, divulgada durante a Rio+20, 365 brasileiros foram mortos entre 2002 e 2011 ao defenderem direitos humanos e o meio ambiente. Depois

MPF/ES quer retirada de terminal petrolífero de local de desova de tartarugas

  tartaruga-de-couro, tartaruga-gigante, tartaruga-de-cerro ou tartaruga-de-quilha (Dermochelys coriacea). A Reserva de Comboios é uma das três mais importantes do país para as atividades reprodutivas e para a conservação de tartarugas marinhas. Além disso, é a única região da costa brasileira na qual há ocorrências de ninhos da espécie Dermochelys coriacea, a tartaruga de couro, espécie em extinção O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado do Espírito (MPES) ajuizaram ação

Cúpula dos Povos: Pesquisadores e movimentos se mobilizam contra os agrotóxicos e a favor da agroecologia

  A Tenda 1 do Espaço Saúde, Ambiente e Sustentabilidade, montado na Cúpula dos Povos, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, pela Fiocruz, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e o Centro Brasileiro de Estudos em Saúde (Cebes) ficou lotada no sábado (16/6) à tarde, quando foi realizado o debate Impactos dos agrotóxicos na saúde e no ambiente, seguido do lançamento da segunda parte do dossiê da Abrasco sobre

Cúpula dos Povos: Manifestação dos movimentos sociais reuniu 50 mil pessoas no centro do Rio

  Rio de Janeiro - Manifestação contra o Código Florestal "Marcha Contra o Código Florestal na Rio+20 " em defesa dos bens comuns e contra a mercantilização da vida, realizada na avenida rio Branco, com a participação de estudantes e representantes de movimentos sociais. Foto de Marcello Casal Jr/ABr Milhares de pessoas participaram na tarde de ontem (20) de uma grande manifestação no centro da capital fluminense. Participam do movimento diversas entidades

Major Groups da Rio+20 – Declaração Conjunta

  Nós, representantes da sociedade civil dos nove Major Groups,[1] pedimos aos Chefes de Estado e Governo para garantir o sucesso da Rio+20 na adoção de uma visão ambiciosa e inclusive para toda a humanidade e o Planeta. A ONU foi formada para avançar a cooperação e a paz entre os países e as pessoas. Assolados com novos desafios e preocupações, mais do que nunca, o século XXI urge a solidariedade dos

Rio+20: ONGs protestam e querem tirar a expressão ‘com plena participação da sociedade civil’ do documento oficial

  Em nome de cerca de 1.000 organizações não governamentais (ONGs), o representante da Rede de Ação Climática, Wael Hmaidan, pediu ontem (20) para que a referência de apoio atribuída às entidades civis organizadas seja retirada do texto final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20. O apelo, em tom de cobrança, ocorreu na primeira sessão plenária da conferência, no final desta manhã. Hmaidan discursou por menos de cinco minutos,

Rio+20: ONGs e especialistas não acreditam em avanços em metas e ações

  O documento final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que chegou ontem(20) às mãos de chefes de Estado e de Governo é “aguado”, não apresenta metas claras, formas de financiamento de ações e está aquém do texto elaborado há 20 anos, na Rio92, conferência que vinculou o desenvolvimento ao meio ambiente. As avaliações foram apresentadas por representantes de organizações não governamentais (ONGs) que acompanharam as discussões do

Rio+20: A antropóloga Iara Pietricovsky considera negociações um retrocesso para debate ambiental

  Entrevista com Iara Pietricovsky, antropóloga, integrante da Rede de Integração dos Povos (Rebrip) e do Inesc. Para ela, governos estão cada vez mais longe de estabelecer compromissos como populações indígenas e tradicionais, além de desenvolver ações que garantam a conservação da natureza e as mudanças nos padrões de consumo. Apresentação Denise Viola e Beth Begonha da Radioagência Nacional / ABr EcoDebate, 21/06/2012 [ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido

Rio+20 só não é um fracasso porque a expectativa em torno dos resultados sempre foi muito baixa

  ACORDO FINAL POSTERGA AS DECISÕES PARA 2015 - DOCUMENTO FINAL APENAS CRIA AGENDA PARA PRÓXIMOS ANOS A Rio+20 só não é um fracasso porque a expectativa em torno dos resultados da conferência sempre foram muito baixos. O Brasil conseguiu o que queria com o documento-base, que agora será apresentado aos chefes de Estado: evitar o retrocesso em pontos já acertados na Rio92, há 20 anos. O maior avanço, no entanto, se

Rio+20: Povo indígena Kayabi pede regularização de terras e critica construção de hidrelétricas

  Entrevista com o líder indígena Taravi Kayabi. Durante a Cúpula dos Povos, comunidade reivindicou urgência na regularização de suas terras tradicionais, em Mato Grosso. População está preocupada com a previsão de construção de hidrelétricas em seu território. Apresentação Beth Begonha e Denise Viola, da Radioagência Nacional / ABr EcoDebate, 21/06/2012 [ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e,

Rio+20: Propostas brasileiras ignoram povos indígenas, dizem lideranças

  Índios Pataxós fazem uma passeata pela Cúpula dos Povos, evento paralelo à Rio+20. Foto de Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr Indígenas apontam falhas nas propostas finais do Brasil apresentadas ontem (20) às delegações da Rio+20, no Riocentro, por não incluírem a visão dos povos indígenas, protagonistas na preservação e conservação da biodiversidade. Reunidas na Cúpula dos Povos, as lideranças indígenas defendem uma governança ambiental que assegure, entre outros, o direito de incluir a demarcação

Rio+20: Antropólogo denuncia exploração escrava do conhecimento tradicional dos piaçabeiros na Amazônia

  O conhecimento tradicional em manejo de piaçaba, fibra utilizada na vassoura, vem sendo explorado por comerciantes que utilizam a mão-de-obra escrava de indígenas de várias etnias, principalmente tucanos e bares, no Médio Rio Negro, em Barcelos, município da Amazônia que faz fronteiras com a Venezuela. Esse foi o tema central da conferência "Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil", proferida pelo antropólogo Alfredo Wagner Berno de Almeida, professor da Universidade Federal do

Hidrelétricas e o aquecimento global. Uma revisão de valores. Entrevista com Philip Fearnside

  Propagada aos quatro ventos como fonte de energia limpa, as hidrelétricas também são responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa, e a omissão deste dado prejudica as tentativas de recuperação do clima, destaca o biólogo e pesquisador do Inpa. Confira a entrevista. Por estes dias, o mundo volta seus olhares para o Rio de Janeiro e para tudo o que está sendo discutido na Rio+20 e na Cúpula dos Povos,

Xingu+23: pare Belo Monte, artigo de Rodolfo Salm

  Paralelamente aos primeiros dias da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada de 13 a 22 de junho, na cidade do Rio de Janeiro, com a meta vaga de “contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas”, foi organizado em Altamira, no Pará, o encontro Xingu+23, com o objetivo explícito de lutar contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte no rio Xingu.

Top