Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.613, de 14/06/2012

Na era do automóvel, artigo de Aroldo Cangussu Ensaio sobre a cegueira ambiental e social, artigo de Débora F. Calheiros Cerca de 70% dos brasileiros não sabem dizer o que é consumo sustentável Publicação do WWF lista os desafios que ainda ficaram depois de 20 anos da Rio92 Impactos dos grandes empreendimentos hidrelétricos em populações ribeirinhas Xingu+23 reúne ativistas contrários à Usina de Belo Monte Justiça acata nova ação de

Na era do automóvel, artigo de Aroldo Cangussu

  [EcoDebate] Na década de 60, para irmos de Janaúba para Montes Claros, tínhamos, à nossa disposição, dois trens diários, que pegávamos e íamos tranquilamente tomando guaraná quente e comendo farofa de frango. Para Belo Horizonte, era só embarcar no leito e ir dormindo sossegadamente. A partir do momento que o governo resolveu mudar a política desenvolvimentista e aplicar tudo na indústria automobilística tudo isto mudou. Hoje a pressa fala mais alto

Ensaio sobre a cegueira ambiental e social, artigo de Débora F. Calheiros

  [EcoDebate] Parafraseando José Saramago, tomo a liberdade de comparar o universo criado pelo autor com o que vivemos atualmente às vésperas da Rio + 20. O Brasil poderia estar à frente em termos mundiais, dando exemplo de como conservar seu patrimônio natural, crescer economicamente de forma qualitativa, detentor do que deveria ser uma combinação eficiente: uma das maiores reservas de biodiversidade e de água do planeta, associadas a uma legislação

Cerca de 70% dos brasileiros não sabem dizer o que é consumo sustentável

  Imagem: iStockphoto O tema será amplamente discutido durante a Rio+20. O consumo sustentável é o uso dos bens sem poluição e sem desperdício. Apresentação de Andrhéa Tavares, Radioagência Nacional / ABr EcoDebate, 14/06/2012 [ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ] Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do

Publicação do WWF lista os desafios que ainda ficaram depois de 20 anos da Rio92

  O legado deixado pela Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio92) e os desafios que permanecem desde a sua realização, há 20 anos, é o tema da publicação Rio 92, Para Onde Foi? Rio+20, Para Onde Vai?, lançada ontem (13), em evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). O documento traz uma série de entrevistas com especialistas envolvidos nos dois eventos, contendo

Impactos dos grandes empreendimentos hidrelétricos em populações ribeirinhas

  Hidrelétrica. Foto de Jorge Gerônimo Hipólito Impactos do desenvolvimento em populações ribeirinhas - Professora da UFMG problematiza concepção hegemônica de meio ambiente que emerge de estudos de impacto ambiental Quando se fala nos grandes empreendimentos hidrelétricos, por mais que se seja favorável à sua construção, é difícil negar o fato de que eles em geral produzem impactos profundos no regime de vazão de rios e afetam de maneira significativa as populações que

Xingu+23 reúne ativistas contrários à Usina de Belo Monte

  Simultaneamente à abertura, no Rio de Janeiro, da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, começou ontem (13), em Altamira (PA), o encontro Xingu+23. Até o próximo dia 17, o evento organizado pelo Movimento Xingu Vivo Para Sempre pretende reunir pescadores, ribeirinhos, pequenos agricultores, índios, acadêmicos, ativistas e representantes de diversos movimentos sociais. A expectativa dos organizadores é que ao menos 500 pessoas contrárias à construção da Usina Hidrelétrica de

Justiça acata nova ação de criminalização da Norte Energia contra o Xingu Vivo

  Na tarde desta quarta, 13, o juiz Horácio de Miranda Lobato Neto, da 2ª Vara Cível de Altamira, deferiu, em caráter liminar, novo interdito proibitório contra o Movimento Xingu Vivo, dois de seus membros e seu assessor de imprensa. De acordo com o juiz, o interdito se justificaria em função dos materiais de divulgação do encontro Xingu +23 na internet e de supostos “registros fotográficos de atos de vandalismos e de

Relatório do Cimi indica que situação indígena piorou, apesar de queda no número de assassinatos

  O número de índios assassinados em 2011 é o menor identificado pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) desde 2005, quando foram registrados 43 casos, contra os 51 do ano passado. Desde 2008, o número se mantinha em 60 casos anuais. Embora a quantidade de mortes tenha ficado abaixo inclusive da média anual (55,8) calculada para o período entre os anos de 2003 e 2011, quando, ao todo, foram mortos 503 índios; a

Relatório ‘Violência contra os Povos Indígenas no Brasil’ indica aumento da mortalidade infantil entre povos indígenas

  O relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil, divulgado ontem (13) pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), indica que, em 2011, 126 crianças menores de 5 anos morreram devido à falta de assistência médica. O número é maior que o registrado em 2010, quando a organização indigenista ligada à Igreja Católica identificou 92 casos. O dado é um dos indicadores que demonstram que, embora o número de assassinatos (51) seja menor

Violência atinge tribos indígenas em disputa por terras

  Os pistoleiros desceram de picapes ao amanhecer, com seus rostos escondidos por balaclavas, e invadiram um acampamento cercado por uma plantação de soja em Aral Moreira, no Mato Grosso do Sul, na porosa fronteira do Brasil com o Paraguai. Matéria de Simon Romero*, do The New York Times, no UOL Notícias. Testemunhas disseram que os homens atiraram em Nisio Gomes, 59, um líder do povo indígena Guarani, colocaram seu cadáver na

Desenvolvimento sustentável requer transformação também na ciência

  Em novo paradigma da ciência para a sustentabilidade global, cientista tende a ser mais multidisciplinar e mais participativo na sociedade, segundo Lidia Brito, diretora da Divisão de Políticas Científicas da Unesco Depois de concluir que é preciso reinaugurar a relação entre a ciência e a sociedade para viabilizar as ações necessárias para a sustentabilidade global, a comunidade científica internacional se deu conta de que já foi dado o primeiro passo nessa

Top