Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.600, de 26/05/2012 – Especial ‘Vetos ao Código Florestal’

  Dilma decide vetar 12 itens e fazer 32 mudanças no Código Florestal Brasileiro Planalto não divulga detalhes das mudanças do Código Florestal Greenpeace critica falta de detalhamento dos vetos e modificações ao Código Florestal Governo obriga replantio de mata nativa nas áreas de preservação permanente ao longo dos rios Vetos ao Código Florestal desagradam à bancada ruralista da Câmara Anúncio do governo sobre vetos ao Código Florestal divide entidades ambientalistas

Dilma decide vetar 12 itens e fazer 32 mudanças no Código Florestal Brasileiro

  A presidenta Dilma Rousseff decidiu vetar 12 itens do Código Florestal e fazer 32 modificações no texto aprovado pela Câmara dos Deputados no fim de abril. O governo vai editar uma medida provisória (MP) para regulamentar os pontos que sofreram intervenção da presidenta. Os vetos e a MP serão publicados na edição de segunda-feira (28) do Diário Oficial da União. "Foram 12 vetos e 32 modificações, das quais 14 recuperam o

Planalto não divulga detalhes das mudanças do Código Florestal

  Os detalhes sobre os 12 vetos e as 32 modificações feitas pela presidenta Dilma Rousseff no Código Florestal Brasileiro serão divulgados somente segunda-feira (28), quando for publicada a exposição de motivos no Diário Oficial da União. “Não queremos antecipar essa divulgação sem fazê-la ao Congresso Nacional”, justificou o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Adams adiantou apenas que, das 32 modificações feitas ao texto (além dos 12 vetos), 14 recuperam o

Greenpeace critica falta de detalhamento dos vetos e modificações ao Código Florestal

  O coordenador de campanhas da organização não governamental (ONG) Greenpeace, Márcio Astrini, criticou a falta de detalhamento dos vetos e modificações no texto do Código Florestal, anunciados ontem (25) pelo governo. A presidenta Dilma Rousseff decidiu vetar 12 itens e fazer 32 modificações no texto, mas as alterações não foram detalhadas e só serão divulgadas na segunda-feira (28), com a publicação do texto final no Diário Oficial da União e o

Governo obriga replantio de mata nativa nas áreas de preservação permanente ao longo dos rios

  Uma das principais intervenções feitas pela presidenta Dilma Rousseff no novo Código Florestal Brasileiro foi a ampliação da faixa que deverá ser reflorestada nas margens de rios em áreas de preservação permanente (APPs). Os produtores rurais terão que recompor entre 5 e 100 metros de vegetação nativa das APPs nas margens dos rios, dependendo do tamanho da propriedade e da largura dos rios que cortam os imóveis rurais. As novas regras

Vetos ao Código Florestal desagradam à bancada ruralista da Câmara

  Ambientalistas elogiam as mudanças, mas acreditam que a presidente Dilma deveria ter vetado integralmente o novo código. A bancada ruralista da Câmara ficou descontente com os vetos anunciados pelo Executivo ao novo Código Florestal (PL 1876/99). Foram 32 mudanças no texto aprovado pela Câmara no último mês de abril. Para o deputado Nelson Padovani (PSC-PR), a quantidade de alterações foi um “exagero que deve prejudicar a produção agrícola brasileira”. As mudanças no

Anúncio do governo sobre vetos ao Código Florestal divide entidades ambientalistas

  Os vetos e as alterações de texto do Código Florestal apresentados ontem (25) pelo governo federal dividiram organizações ambientalistas. Enquanto algumas entidades criticaram a pouca abrangência dos vetos, outras consideraram as decisões capazes de garantir a preservação. A falta de detalhes sobre as mudanças, entretanto, impediu análises mais detalhadas. Justamente, por falta de informações oficiais sobre o texto da medida provisória que será divulgada na segunda-feira (28), o Comitê Brasil em

Greenpeace: Código Florestal, mais um capítulo infeliz

  A saga das mudanças no Código Florestal ainda não acabou. Mas teve direito à teatro no Planalto. A presidente Dilma Rousseff colocou três ministros em um tablado para falar que retalhou o texto que saiu da Câmara a fim de recuperar o projeto de lei que havia saído do Senado. Como o que os senadores produziram era ruim para as florestas e o governo não mostrou na coletiva com que retalhos

WWF: Governo ignora apelos da maioria dos brasileiros e sanciona parcialmente projeto do Código Florestal

  Legislação florestal brasileira segue indefinida e sob risco - Governo ignora apelos da maioria dos brasileiros e sanciona parcialmente projeto para reforma do Código Florestal. Apenas veto integral traria possibilidade de debate democrático para regulamentação da lei atual. por Aldem Bourscheit, do WWF Brasil. Brasília (DF) – O governo federal sancionou parcialmente nesta sexta (25) o projeto de novo Código Florestal aprovado pelo Congresso no fim de abril, contrariando os apelos da

ISA: Governo anuncia veto parcial, mas mantém anistia e redução de áreas protegidas

  Texto integral dos vetos e conteúdo de Medida Provisória que vai complementar nova lei só serão divulgados nesta segunda. Grande parte de anistias a desmatamentos ilegais e redução de áreas protegidas em propriedades rurais foi mantida O governo anunciou, na tarde desta sexta-feira, que fará doze vetos à proposta de revogação do Código Florestal aprovada pela Câmara. O texto integral dos vetos só será divulgado na segunda, no Diário Oficial. No

‘Veta Tudo’ não funcionou, e só segunda-feira será possível saber o tamanho do estrago, por Tania Pacheco

  [Racismo Ambiental] O Ministro Advogado Geral da União, Luís Inácio Adams, foi o responsável pelo anúncio inicial das decisões da Presidência em relação ao Código Florestal. Na síntese por ele apresentada, o projeto sofreu 12 vetos, dentre os quais o artigo 1, que recompõe os princípios para a recuperação da sustentabilidade do Meio Ambientes, e o artigo 61, que envolve ao mesmo tempo as questões ambiental, produtiva e social. Além

Top