Envelhecimento da população mundial: O tsunami grisalho, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

Envelhecimento da população mundial

[EcoDebate] A população mundial atingiu a maior taxa de crescimento da história da humanidade na década de 1960, cerca de 2,1% ao ano. Foi nesta época que se começou a se difundir a visão catastrófica da “bomba populacional”. De lá para cá, o ritmo de crescimento demográfico tem diminuído, estando em torno de 1,1% ao ano, no quinquênio 2010-15. Ou seja, a chamada “bomba populacional” está sendo desarmada. A população mundial está crescendo menos e vivendo mais. A esperança de vida ao nascer era de 48 anos em 1950-55 e subiu para 68 anos no quinquênio 2005-10.

Mas enquanto a população como um todo cresce em ritmo mais lento, a população idosa cresce num ritmo mais veloz, pois a grande onda de nascimentos e de filhos sobreviventes depois da Segunda Guerra Mundial, especialmente das décadas de 1950 e 1960, está se transfomando em uma grande onda de idosos que chegam à “terceira idade” agora no século XXI. Alguns autores estão chamando este fenômeno de tsunami grisalho (grey tsunami).

De fato, existiam no mundo 204 milhões de pessoas com 60 anos e mais de idade, em 1950. Este número passou para 610 milhões em 2000, para 760 milhões em 2010 e deve atingir 1.378.945.000 (um bilhão e trezentos e setenta e oito milhões e 945 mil) idosos em 2030. Enquanto a população total deverá apresentar um crescimento de pouco mais de 3 vezes entre 1950 e 2030, a população idosa (60 anos e +) deverá apresentar um crescimento de quase 8 vezes, no mesmo período. Ou seja, esta onda de tamanho quase 8 vezes maior está sendo chamada de tsunami grisalho.

Em 1950 o total da população mundial era de 2,532 bilhões de habitantes. Em 2075, a divisão de população da ONU projeta que o mundo terá 2,539 bilhões de pessoas com 60 anos e mais de idade. Ou seja, haverá mais idosos no mundo em 2075 do que toda a população mundial de 1950.

Nos países desenvolvidos a população de 60 anos e mais era de 95 milhões em 1950, passando para 269 milhões em 2010, devendo chegar a 370 milhões em 2030. Nos países em desenvolvimento a população idosa era de 109 milhões de habitantes em 1950, passou para 491 milhões em 2010 e deve chegar a 1 (um) bilhão de pessoas em 2030. Portanto, a grande maioria dos idosos (60 anos e +) do mundo estarão localizados nos países em desenvolvimento.

Paralelamente ao tsunami grisalho houve uma queda das taxas de fecundidade no mundo. Isto significa que além da redução do ritmo de crescimento demográfico passa a haver uma mudança da estrutura etária da população, com o progressivo estreitamento da base e o alargamento do topo da pirâmide populacional. Ou dito em outros termos, a queda da fecundidade acelera o processo de envelhecimento populacional. Portanto, o desafio não é apenas o fato de haver mais idosos na população, mas também o fato de haver menos jovens e adultos para cuidar e contribuir com a manutenção do padrão de vida desta população idosa.

Em 1950, as pessoas com 60 anos e mais de idade representavam apenas 8% da população mundial este número passou para 11% em 2010 e deve chegar a 17% em 2030. Nos países desenvolvidos, as pessoas com 60 anos e mais de idade representavam 12% da população total em 1950, passando para 22% em 2010 e devendo chegar a 29% em 2030. Nos países em desenvolvidos, as pessoas com 60 anos e mais de idade representavam apenas 6,3% da população total em 1959, passando para 9% em 2010 e devendo chegar a 14,4% em 2030.

Portanto, os países em desenvolvimento vão ter o maior volume de pessoas idosas, mas são os países desenvolvidos que já apresentam o maior percentual de idosos na população. Isto é, o processo de envelhecimento populacional é universal, mas os países desenvolvidos vão ter uma carga de dependência demográfica mais pesada de idosos nas próximas décadas. O tsunami grisalho vai atingir primeiro os países desenvolvidos e, algumas décadas mais à frente, os países em desenvolvimento.

O tamanho da onda do envelhecimento vai variar conforme os países e as regiões. Mas ninguém vai ficar imune ao tsunami grisalho, pois esta onda vai afetar a dinâmica econômica e demográfica de todo o mundo, que precisa, desde já, se preparar para lidar com este fenômeno inevitável.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

EcoDebate, 20/04/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top