Dilma e a esquerda sem povo, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  [Brasil de Fato] Os entraves políticos do governo Dilma não se dão apenas com sua fisiológica base aliada, mas também com aliados históricos que comungam muitas de suas causas. Podemos citar inúmeros casos desse desencontro: o golpe na Articulação do Semiárido na questão das cisternas e da convivência com o semiárido; o não andamento da reforma agrária; a falta de diálogo com o sindicalismo, que no governo Lula era praticamente correia

Porto de Açu e os equívocos da desapropriação de terras. Entrevista com Ana Maria Costa

  “A instalação do Complexo Industrial Porto do Açu provocará impactos diretos em 32 municípios de Minas Gerais e Rio de Janeiro por serem cortados pelo mineroduto. Porém, seguramente os mais impactados serão Campos dos Goytacazes e São João da Barra”, informa a assistente social. Confira a entrevista. Para que o Complexo Industrial do Porto de Açu seja construído, a estimativa é de que 1.500 famílias tenham suas terras desapropriadas. De acordo

Cúpula dos Povos na Rio+20: Sem confiança na ONU, sociedade civil constrói cúpula paralela

  Expectativa é que milhares de pessoas se reúnam na Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro, para defender outro modelo de desenvolvimento e rechaçar a proposta da Economia Verde que será defendida no evento oficial das Nações Unidas. O Aterro do Flamengo, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, abrigará em junho vários acampamentos e atividades com uma finalidade comum: questionar o atual modelo de desenvolvimento, que tem levado

‘É justa a pressão por mais ambição na Rio+20’, entrevista com Achim Steiner (Pnuma)

  Não basta assinar acordos, é preciso cumpri-los. O diagnóstico feito pelo diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, pode parecer óbvio. Mas não é. Como na área ambiental não existem sanções como as que vigoram no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), os países não são punidos por não cumprirem o que assinam. Aos 51 anos, o alemão, que vive hoje em Nairóbi (Quênia),

Relatório indica que lutas de agricultores contra Monsanto deram resultado

  Da África à América Latina passando pela Europa e a Índia, milhares de agricultores protestaram contra a Monsanto e seus alimentos geneticamente modificados, um esforço que teve resultados, já que levou os responsáveis políticos a regulamentar melhor o setor agroalimentar, segundo um relatório de várias ONGs. Matéria da AFP. "Onde a Monsanto está presente, as sementes locais passam a ser ilegais, a biodiversidade desaparece, as terras são contaminadas e os agricultores

Top