Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.542, de 05/03/2012

  D@s indignad@s, o movimento altermundialista e o retorno da questão política na obra de Daniel Bensaïd, por Esther Vivas A Nucleação como técnica auxilir para a recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica, artigo de Andréa Christine Oliveira Andrade, Alexandre Marques, José Renato dos Anjos e Tony Masser Oliveira O meteorologista e seu papel na sociedade, artigo de Mauro Banderali CO2 e H2O: As verdades que o mundo ignora, artigo

D@s indignad@s, o movimento altermundialista e o retorno da questão política na obra de Daniel Bensaïd, por Esther Vivas

  [EcoDebate] Assistimos um retorno do político e da contestação social. Uma onda de indignação recorre a Europa e o mundo, desde as revoltas no mundo árabe, passando pela levante dos indignados na Europa até o surgimiento do Occupy Wall Street nos Estados Unidos. Os de baixo se levantam e reclamam a recuperação e o controle, a capacidade de decidir, sobre aquilo que lhes roubaram. Daniel Bensaïd (1946-2010) não viveu estes

A Nucleação como técnica auxilir para a recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica, por Andréa Christine Oliveira Andrade, Alexandre Marques, José Renato dos Anjos e Tony Masser Oliveira

    A NUCLEAÇÃO COMO TÉCNICA AUXILIAR PARA A RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DA MATA ATLÂNTICA.     Andréa Christine Oliveira Andrade (Andrea.christine@uol.com.br) Alexandre Marques (alexxandre_sp@hotmail.com) José Renato dos Anjos (renatoanjosj@yahoo.com.br) Tony Masser Oliveira (masseradi@ig.com.br) Orientadora: Profª Renata Sebastiani Engenharia Ambiental - UNINOVE         Resumo: O objetivo deste artigo é analisar através de estudo de caso, métodos indicados para a recuperação de áreas degradadas na Mata Atlântica para que estes possam auxiliar as técnicas convencionais. Estes métodos auxiliares necessariamente deverão ser economicamente

O meteorologista e seu papel na sociedade, artigo de Mauro Banderali

  No dia do meteorologista (3 de março), saiba da importância deste profissional para o futuro do planeta e como a tecnologia disponível pode auxiliá-lo [EcoDebate] Nos últimos anos, as mudanças climáticas têm provocado alterações cada vez mais visíveis no planeta. Algumas de suas consequências já estão sendo vivenciadas por grande parte da população, como verões mais quentes e invernos mais frios, maior número de enchentes, secas e incêndios, derretimento das geleiras

CO2 e H2O: As verdades que o mundo ignora, artigo de Antonio Germano Gomes Pinto

Todo combustível quando entra em combustão produz gás carbônico (CO2) e água (H2O). A água gerada durante o processo de combustão é a chamada água de combustão. A molécula do combustível produz água quando entra em combustão porque tem na sua estrutura molecular átomos de hidrogênio (H) ligados a outros átomos da molécula do combustível, principalmente, aos átomos de carbono (C). Quanto maior for a relação hidrogênio/carbono, maior será o percentual de

Representantes de cinco biomas se reúnem para discutir mudanças climáticas

  [Por Bianca Pyl, para o Ecodebate] Vindos das regiões Norte, Nordeste e Sudeste, indígenas, pescadores, quilombolas e agricultores familiares se reunirão em Salvador (BA) hoje (5) para discutir o tema das mudanças climáticas. Durante o seminário Mudanças Climáticas e Desastres – analisando riscos e preparando alternativas locais integrantes de comunidades tradicionais e rurais, ligados a dezenove organizações brasileiras, terão a oportunidade de discutir metodologias para trabalhar o tema das mudanças

Lentidão da Justiça colabora para aumentar tensão entre índios e fazendeiros em MS

  A lentidão da Justiça brasileira para finalizar os processos relacionais às homologações de terras indígenas colabora para aumentar o clima de tensão e violência em as áreas de conflito, em especial no estado de Mato Grosso do Sul. A avaliação foi feita pela desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo e uma das fundadoras da Associação de Juízes pela Democracia (AJD) Kenarik Baujikian. Uma das observadoras da Aty Guasu, uma

Lideranças da etnia Guarani-Kaiowá ameaçam denunciar o Brasil para a OEA por violação de direitos dos povos indígenas

  Lideranças indígenas da etnia Guarani-Kaiowá de Mato Grosso do Sul decidiram dar um prazo de 90 dias para que a Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgue o resultado de seis estudos antropológicos, iniciados em 2008, para definir as áreas que poderão ser homologadas no estado. Caso o prazo não seja cumprido, os índios ameaçam denunciar o Brasil à Organização dos Estados Americanos (OEA) por violação de diretos dos povos indígenas. A

Justiça impede entrada em operação da Usina Hidrelétrica de Simplício

  Áudio: A 1ª Vara Federal em Três Rios impediu que a empresa Eletrobras Furnas iniciasse a operação do Complexo Hidrelétrico de Anta/Simplício, no Rio Paraíba do Sul, na divisa do Rio de Janeiro com Minas Gerais. Segundo nota divulgada pelo Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, a Justiça atendeu a um pedido dos ministérios públicos Federal e Estadual. Vitor Abdala A 1ª Vara Federal em Três Rios impediu que a empresa

Lei de floresta pública. ‘Leiam e verão o que é danoso à Amazônia’. Entrevista com Niro Higuchi, Inpa

  Para o engenheiro florestal e pesquisador do Inpa, a floresta amazônica tem um papel político fundamental para o clima global. Confira a entrevista. Na tentativa de buscar respostas para conhecer o real papel da Amazônia no controle climático, pesquisadores brasileiros fizeram algumas medições em relação ao CO2 e chegaram a resultados interessantes. Um destes cientistas é o engenheiro florestal Niro Higuchi, que concedeu a entrevista a seguir para a IHU On-Line por

‘Ministra fraca leva Código Florestal a um desastre’, entrevista com José Eli da Veiga

  A tramitação do Código Florestal com um ministro de Meio Ambiente fraco é um desastre. A avaliação é do professor do Instituto de Relações Institucionais da USP, José Eli da Veiga. A entrevista é de Pablo Pereira e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 04-03-2012. Acompanhando o processo no Congresso da nova legislação ambiental do País, em análise na Câmara, ele acredita que a presidente Dilma Rousseff está mal assessorada

Código Florestal será votado definitivamente na terça-feira, 6/3

  A votação do novo Código Florestal brasileiro, marcada para a próxima terça-feira (6/3), na Câmara dos Deputados, vai enfrentar fortes resistências dos setores ambientalista e científico. Mesmo assim, o governo não abre mão de ver a matéria aprovada definitivamente, como está, nesta semana. A primeira batalha a ser enfrentada pelos defensores do texto será com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que já se manifestou contrária à proposta

Vídeo mostra o que está por trás da reforma do Código Florestal

  © Paula Watson/ WWF-Brasil “De onde vem a força do agronegócio?” mostra, de maneira didática, quem ganha e quem perde na estruturação e financiamento do agronegócio brasileiro. O vídeo foi lançado na quarta-feira (29/2) durante café-da-manhã da Frente Parlamentar Ambientalista, na Câmara dos Deputados. Baseado em análise das pesquisadoras Regina Araujo, doutora em geografia pela universidade de São Paulo, e Paula Watson, também formada em geografia pela USP, o vídeo é a

Relator admite que reforma do Código Florestal promove anistia a desmatadores

  O relator da reforma do Código Florestal, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), admitiu que a proposta promove anistias para quem desmatou ilegalmente e a redução de áreas protegidas em propriedades privadas. O texto deve ser votado na Câmara nas próximas semanas. “Nas disposições transitórias, vai haver perdas, sim. O que você está chamando de anistia. É anistia”, disse o parlamentar, ao responder a uma pergunta feita em debate ontem, na Câmara. As

Rio+20: A solução é a ‘economia verde’? artigo de Ivo Lesbaupin

  "A solução para a grave crise ambiental que estamos vivendo não é, pois, a colocação de preço nos bens naturais e nos “serviços ambientais”. É a preservação dos bens e dos processos naturais como bens comuns, como bens de todos, de toda a humanidade. Nós não precisamos de uma “economia verde”: nós precisamos de uma outra economia, nós precisamos de um outro desenvolvimento", escreve Ivo Lesbaupin, integrante da diretoria executiva

Estudo indica que mudança no pH dos oceanos pode acabar com vida marinha ainda neste século

  Discoaster, nanofóssil calcário marinho. Foto: Universitat Autonoma de Barcelona As emissões de gás carbônico provocadas pelo homem não causam apenas o aquecimento global da Terra, mas também alteram o pH dos mares e oceanos, elevando sua acidez até níveis que poderiam acabar com a vida marinha em poucas décadas. Matéria da EFE. A advertência faz parte de um estudo [The geological record of ocean acidification, DOI: 10.1126/science.1208277] publicado nesta quinta-feira na revista

Redução do gelo em solos onde há pó afeta vida marinha e clima global

  Derretimento das geleiras provoca aumento das tempestades de poeira - Da Patagônia até a Islândia a diminuição das geleiras descobre solos de onde se levantam tempestades de poeira que afetam a vida marinha e o clima global, segundo estudo publicado na revista "Science". "A presença crescente de aerossóis minerais em altas latitudes é surpreendente", disse à Agência Efe Joseph Prospero, pesquisador da Universidade de Miami e autor do estudo. Reportagem da

Top