O preço da energia eólica já está mais barato que o de hidrelétricas de grande porte no Brasil

 

Energia eólica está mais barata que hidrelétrica – O preço da energia eólica já está mais barato que o de hidrelétricas de grande porte no Brasil.

É o que mostra levantamento publicado pela revista Brasil Energia, que chega às bancas hoje.

Nos leilões de energia A-3 (que serão fechados daqui a três anos), realizados em agosto, o preço médio da eólica ficou abaixo de R$ 100 por megawatt hora.

A hidrelétrica de Garibaldi, em Santa Catarina, de 300 MW, foi leiloada no ano passado por R$ 107,98 por megawatt hora.

A usina eólica mais barata do leilão, Cerro Chato VI (RS), da Eletrosul, negociou seus 30 MW a R$ 96,39/MWh.

O valor é inferior ao preço da gigante Santo Antônio (RO), do Rio Madeira, que foi vendida a R$ 96,71/MWh.

Informe do jornalista Guilherme Barros, no Portal IG.

EcoDebate, 17/10/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

3 comentários em “O preço da energia eólica já está mais barato que o de hidrelétricas de grande porte no Brasil

  1. Esse acompanhamento de potencialidades ao sabor do “passo a passo” nos avanços da competição entre energia eólica (assim como e também na solar e oceânica) é de entristecer.
    Apesar de se poder racionalmente constatar que as alternativas eólica e solar já ganham substancialmente a competição quando se agrega aos valores da hidreletricidade por barramento e volumosos reservatórios os custos não agregados e pagos pela humanidade pela degradação e agressão à natureza e à biodiversidade, continuam nesse jogo nanico do par a par por medições desiguais.
    A energia hidrelétrica por barramento e elevação de queda estará definitivamente enterrada em um passado vencido a não muito longo tempo do breve e logo.
    Somente quem está sentado na sela de um “modelo de economia insustentável” tenta galopar seu cavalo hediondo até quando ele mesmo lhe der o basta e atira-lo ao rés do chão. Terão que aceitar que foi um mal, embora necessário no seu tempo e que será renegado pela humanidade da nova era. Os donos do modelo arcaico não aceitam sua proscrição e estão a odiar a substituição pelo novo, mais racional e ecologicamente correto.
    Claro. Muitas fábricas e comércio que se sustentam pelos atuais monstrengos serão fechadas e os seus produtos levados aos museus. Isto se aplica, também às promessas e metas políticas de “pseudo desenvolvimentismo arcaico”.
    Esperemos acontecer, mesmo que não o vejamos.

  2. Estamos lidando com o assunto seríssimo de energia elétrica, amadores dando opiniões estapafúrdias é inadmissível, energia eólica mais barata que que as hidros, é piada de muito mal gosto. Se dependessemos de pseudos estudos dessas pessoas, não construiríamos a ponte Rio-Niterói, Cristo Redentor, Petrobrás, Embraer, etc e por aí vai.
    Abraço,
    Amaro

  3. Já se passaram alguns seculos, e ainda continuamos produzindo energia da mesma forma… é triste… apenas com os projetos eolicos que ficaram prontos ate 2013 teremos uma Belo Monte, ao mesmo preço.

Comentários encerrados.

Top