Consumidor paulistano compra produtos relacionados à devastação da Amazônia

As grandes empresas que atuam no mercado da capital paulista continuam ligadas a crimes ambientais e sociais na Amazônia, mostra a pesquisa Conexões Sustentáveis. No entanto, o estudo anunciado ontem (23) pelo Fórum Amazônia Sustentável e do Movimento Nossa São Paulo mostrou redução dessa relação.

“Um fato importante foi o lançamento dos pactos setoriais da pecuária bovina, da soja e da madeira. Eles representam um importante esforço de empresas que não querem ver seus nomes ou seus produtos associados à devastação”, destaca o estudo.

A pesquisa analisou as cadeias produtivas da soja, carne e madeira – e rastreou os impactos na devastação da Amazônia até os varejistas que vendem esses produtos para o consumidor final. “São Paulo continua como a mais importante financiadora da devastação da floresta amazônica”, diz o estudo.

Na produção de soja, a pesquisa constatou que quatro grandes companhias, sendo três multinacionais, tiveram como fornecedor uma empresa que possuí áreas embargadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Mato Grosso. O grupo citado também é dono de uma propriedade instalada irregularmente na Terra Indígena Maraiwatsede. Segundo o relatório, ssas empresas agrícolas acumulam R$ 58 milhões em multas por crimes ambientais.

Em relação a carne, cinco frigoríficos foram identificados como compradores de animais de um pecuarista que teve áreas embargadas pelo Ibama. Por conta do desmatamento irregular, o produtor foi multado em R$ 14 milhões.

Os produtos finais fabricados com a soja e carne provenientes de fazendas infratoras são, segundo a pesquisa, revendidos por supermercados da capital paulista.

Na cadeia da madeira, o estudo mostra que o fornecedor de móveis para uma grande empresa de produtos populares comprou madeira de um produtor que figura no cadastro de áreas embargadas do Ibama. Além disso, o madeireiro mato-grossense também já constou na “lista suja” do trabalho escravo, publicada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Veja o 2º. Estudo Conexões Sustentáveis: São Paulo-Amazônia

Reportagem de Daniel Mello, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 24/02/2011

Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top