Perdoar é sinal de atraso, artigo de Américo Canhoto

Dr. Américo Canhoto
Dr. Américo Canhoto

[EcoDebate] Nossas limitações de consciência nos conduzem a interpretações falsas ás vezes, e, sempre relativas. Á primeira vista o título do artigo pode nos chocar e até ofender; mas, é a pura realidade conforme veremos.

A rigor podemos dizer que maioria de nós está numa condição infra humana; pois, ainda está sob o comando dos impulsos; guiados pela variante da lei de ação e reação; estilo olho por olho dente por dente; daí que para nós, as pessoas que já conseguem perdoar de forma incondicional nos parecem anjos ou seres muito evoluídos; quando apenas se tornaram seres humanos de fato.

Na nossa precária condição somos atraídos por expressões conceituais que, embora verdadeiras; apenas espelham uma fase primária da nossa evolução.

Coisas do tipo: Perdoar é para os fortes. Os fracos agridem / Perdoar é para os corajosos. Os covardes retaliam.

Perdoar não é para qualquer um. É uma condição humana. Candidatos a seres humanos ainda não conseguem perdoar.


Perdoar é uma atitude inteligente. Perdoar é para pessoas já dotadas de raciocínio crítico. Quem pouco pensa, pouca capacidade tem de perdoar. A capacidade de perdoar é proporcional à capacidade de pensar.

Perdoar é uma forma de sentir. A emoção de perdoar torna-se o sentimento do perdão; desde que seja conduzida pela razão. Quem experimenta o prazer de perdoar, nunca mais deseja a passageira emoção da vingança.

Pensar perdão e sentir perdão de forma incondicional é humanizar-se. Progredir sempre, é lei.

Da simplicidade e da ignorância do animal que nos devolve o amor que lhe damos sem interpretações, nós seguimos em direção à criatividade humana; e a sinalização do caminho já trilhado no aprendizado do perdão; pode nos indicar com segurança quanto nos falta para atingirmos o nosso destino na humanização; quem ainda não sabe perdoar é um arremedo de ser humano.

Princípios ético morais a serem desenvolvidos para saber dar e receber perdão e amor.

Nosso padrão de qualidade íntima vai ditar como podemos um dia receber amor da melhor qualidade.

Há qualidade no amor? – Pois, nesta vida relativa, há. Então, é preciso que nos preparemos para receber amor – ele, é como um líquido precioso a ser distribuído para quem desejamos amar; daí, não deve ser guardado num vaso sujo.

Simplicidade ou pobreza em espírito. Aquele que não exige nada complicado se satisfaz com tudo o que possa receber; e se felicita com o que o outro tiver para lhe oferecer sem cobranças nem exigências descabidas. O simples se veste apenas com as qualidades que tem, e em virtude disso, raramente decepciona.
Humildade. Aquele que busca sempre servir antes de ser servido; ajudar ao invés de ser ajudado; não espera estar situado em primeiro plano no coração das pessoas; e, quando preterido não se ofende, não se magoa, não odeia.

A benevolência. O aprendizado da afabilidade e da doçura que compõe a benevolência, também são manifestações do preparo para dar e para receber compreensão, cuidados e amor; desde que não sejam apenas de aparência.

A paciência. Devemos aprender a sermos pacientes com tudo e com todos os que a natureza põe em nosso caminho, para que eles tenham tempo de nos compreender e para que possam aprender a nos amar.

A misericórdia. Esquecer e perdoar as ofensas constitui valioso recurso para que sejamos amados, e, para que as pessoas não temam aproximar-se de nós. Dentre nossos possíveis inimigos de hoje, estarão num futuro próximo pessoas que nos amarão com fervor.

A dignidade. Não basta sermos considerados dignos. Não basta sermos considerados bons. É preciso que o sejamos de fato, ou até mais que isso. É preciso que extrapolemos nossas obrigações e transformemos a dignidade na mais pura caridade.

A perseverança. Para que amemos e sejamos amados não existe tempo nem hora. Para quem já sabe o que quer e, se capacita para dar e receber, tudo acontece de forma natural.

A indulgência. Quem deseja capacitar-se ao amor deve fazer da indulgência um dever; pois, não há quem dela não precise para si mesmo. Todos necessitamos da indulgência uns dos outros, falhos e devedores que somos. Não julgueis com severidade senão as próprias ações.
Renúncia. Não está capacitado a dar e receber amor aquele que ainda não aprendeu a renunciar aos interesses do próprio orgulho e egoísmo em favor daqueles que pretende amar e dos quais deseja receber amor.

O amor é o produto final do aprendizado do esquecimento das ofensas e do perdão incondicional.

Quando nos detemos um pouco para pensar sobre o amor é natural que nos sintamos muito longe dele; porém, não vale desanimar nem justificar ou inventar desculpas para nossas atitudes de desamor; é preciso sim buscar praticá-lo em todas as pequenas ocorrências do dia a dia, sem descanso.

Na verdade, mesmo que o estudemos e falemos sobre ele o tempo todo, não o compreenderemos tão cedo.
Vivemos conceitos de amor doentios que nos foram repassados pela cultura; e por pessoas que ignoravam o que seja o amor; no entanto, achavam que sabiam, tal e qual nós no presente.

Estamos situados no que podemos chamar de a Era da Razão, nossa racionalidade atingiu razoável capacidade. Para usá-la de forma correta cabe nos ajudarmos uns aos outros a fim de que possamos realmente entender e praticar o amor em todos os campos do saber: intelectual, emocional, instintivo, ético/moral, religioso, científico. Agregando, integrando, conectando.

Não ofender-se com nada é tornar-se supra/humano.

Para os que sentiram ofendidos nas suas convicções com o título do artigo; oferecemos um outro foco para exercício de reflexão: A criatura que ainda precisa perdoar; é muito atrasada; pois, ainda se ofende – ou seja, ainda é portadora de incontáveis defeitos de caráter – causa única do sentir-se ofendido.

Respondendo á colocação do artigo anterior a respeito do perdão Divino: Deus não nos perdoa; caso contrário não seria Ele; mas um simples humanóide que nós criamos á nossa imagem e semelhança. A Fonte Criadora não se ofende conosco; daí vai perdoar o que?

Quem não se ofende não precisa perdoar.

Quando nós já nos encontrarmos nessa fase; a de não nos ofendermos com nada; estaremos caminhando em direção á fase Angelical ou de Avatar:

Trabalhar pelo bem estar e pela felicidade dos que nos ofenderam num remoto passado é Divino. É o principiar do puro amor.

Material para reflexão: Será que é preciso chegar na fase de não sentir-se ofendido para começar a perdoar e a trabalhar em favor dos que nos ofenderam, magoaram e causaram mal? – Ou dá para adiantar o expediente e acelerar o processo?

– “Quem sabe faz a hora não espera acontecer”?

Obs. Amanhã daremos um breve e simples roteiro para começar a treinar perdão.

Nota: o presente texto é uma continuação dos artigos “Aprender a perdoar é um santo remédio ” e “Requisitos para esquecer as ofensas“.

Américo Canhoto: Clínico Geral, médico de famílias há 30 anos. Pesquisador de saúde holística. Uso a Homeopatia e os florais de Bach. Escritor de assuntos temáticos: saúde – educação – espiritualidade. Palestrante e condutor de workshops. Coordenador do grupo ecumênico “Mãos estendidas” de SBC. Projeto voltado para o atendimento de pessoas vítimas do estresse crônico portadoras de ansiedade e medo que conduz a: depressão, angústia crônica e pânico.

* Colaboração de Américo Canhoto para o EcoDebate, 16/06/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

4 comentários em “Perdoar é sinal de atraso, artigo de Américo Canhoto

Comentários encerrados.

Top