Índice da edição de 14/12/2009

Novos estudos sugerem que projeções climáticas subestimam o impacto do CO2, por Henrique Cortez O jornalismo trivial ‘come mosca’ com a Suzano e com a Petrobras, artigo de Mayron Régis Crise ambiental global: O jovem-sempre o jovem, cadê eles? artigo de Américo Canhoto Florianópolis: um Natal sem árvore? E sem Circo? artigo de Ana Echevenguá Greenwashing: O querer e o não querer, artigo de Maurício Gomide Martins Crianças de Angra dos Reis enfrentam até três

Novos estudos sugerem que projeções climáticas subestimam o impacto do CO2, por Henrique Cortez

Temperaturas médias Plioceno Médio Temperaturas médias atualmente [EcoDebate] O clima pode ser de 30 a 50% mais sensível ao dióxido de carbono atmosférico a longo prazo do que o atualmente estimado. É o que sugerem novos estudos [Earth system sensitivity inferred from Pliocene modelling and data, publicado na revista Nature Geoscience e Pliocene three-dimensional global ocean temperature reconstruction, publicado na Climate of the Past]. De acordo com os estudos, as projeções sobre as

O jornalismo trivial ‘come mosca’ com a Suzano e com a Petrobras, artigo de Mayron Régis

Foto: SXC [Ecodebate] O mês de junho ainda está longe, mas isso em nada desabona que o lado infantil irrompa e gente grande brinque com rojões e fogos de artifícios como se fossem crianças. Um pouco diferente da Bahia, que privilegia o carnaval, o calendário de festas juninas no Maranhão é prorrogado pelos demais meses do ano. Acontece um seminário, chamam o bumba-meu-boi. Só não chamam o saci pererê, o boitatá

Crise ambiental global: O jovem-sempre o jovem, cadê eles? artigo de Américo Canhoto

Ativistas do mundo todo foram às ruas no fim de semana. Foto AP/DW [EcoDebate] Desde sempre a juventude foi a mola mestra nas necessárias transformações humanas; quando a inércia dos adultos se torna cúmplice do egoísmo da maioria e da estupidez dos detentores do poder. Cerca de 300 manifestantes foram detidos neste sábado após confrontos de rua em Copenhague, onde ocorre a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-15). Segundo a polícia

Florianópolis: um Natal sem árvore? E sem Circo? artigo de Ana Echevenguá

[EcoDebate] Criancinhas que acreditam em Papai Noel, não se apavorem ao lerem nos jornais da cidade: “Agora a programação de Natal está nas mãos da Justiça”1, “Sou obrigado a cumprir a decisão da Justiça. Nós vamos fazer de tudo para manter a programação de Natal, mas toda a festa está ameaçada” 1 Como se isso fosse parte de roteiro de filme de terror! E a Justiça fosse o vilão da história! Tomara

Greenwashing: O querer e o não querer, artigo de Maurício Gomide Martins

“O querer e o não querer foram postos numa balança.O querer por vontade e o não querer por vingança.” [EcoDebate] Depois que, em fevereiro de 2007, foi amplamente divulgado o relatório dos cientistas reunidos no Painel da ONU, pelo qual ficou evidenciada a degradação do planeta pela ação gananciosa do homem, o assunto ECOLOGIA - em vez de ser abordado com a seriedade e gravidade de sua evidência - tornou-se ponto

Crianças de Angra dos Reis enfrentam até três horas de barco para ir à escola

Cerca de 220 estudantes de Ilha Grande, em Angra dos Reis, a 250 quilômetros da capital fluminense, só chegam ao colégio pegando barcos escolares. Na localidade, embarcações prestam o serviço para a prefeitura e levam, diariamente, 217 alunos para 16 unidades em diversas praias da região. Na costa da Ilha Grande, Ilha da Caieira e da Gipóia, devido às condições geográficas, esse é o único meio de transportar os alunos.

Adolescentes caiçaras de Paraty cobram escolas e transporte escolar. Crianças são alfabetizadas pelos pais

Paraty (RJ) - Na varanda de casa, na região conhecida como Saco das Anchovas, um pequeno vilarejo da região costeira de Paraty, a menina Júlia Gomes Silva dos Remédios, 9 anos, mostra seu caderno com as primeiras palavras que aprendeu a escrever com a mãe, uma dona de casa que completou a 4º série do ensino fundamental Foto: Marcello Casal Jr/ABr Em pequeno vilarejo caiçara crianças são alfabetizadas pelos pais

Comunicado dos Povos Indígenas sobre a UHE Belo Monte

À Excelentíssima Sra. e Excelentíssimos Senhores: Deborah Macedo Duprat Vice- Procuradora – Geral da República; Luis Inácio Lula da Silva Presidente da República Federativa do Brasil; Edson Lobão Ministro de Minas e Energia; Carlos Minc Ministro do Meio Ambiente; Marcio Meira Presidente da FUNAI; Roberto Messias Franco Presidente do IBAMA; Tarso Genro Ministro da Justiça; Gilmar Mendes Presidente do Supremo Tribunal Federal Nós povos indígenas aqui representados: Povo Kayapó das aldeias Kokraxmõr, Pykarãrãkre, Kikretum, Las Casas, Kriny, Moxkàràkô; Kayapó do Xingu, aldeia Kararaô; Xipaia,

Comissão Pró-Índio de São Paulo lança o livro ‘Terras Guarani no Sul e no Sudeste’

Terras Guarani no Sul e no Sudeste. Autoras:Carolina K. I. Bellinger; Daniela Carolina Perutti; e Lúcia M. M. de Andrade Terras Guarani no Sul e no Sudeste O povo indígena Guarani está localizado em cinco países: Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Bolívia. Em nosso país, sua população está em torno de 55.302 índios, distribuídos principalmente nas regiões Sul (RS, SC, PR), Sudeste (SP, RJ, ES) e Centro-Oeste (MS). Trata-se de uma das

O mercado de carbono: trapezistas sem rede

Não há nada melhor do que criar um problema para ganhar um negócio. Isso é assim, no mínimo, para os experientes homens e mulheres de negócios. Desse jeito, por trás das guerras surge o negócio armamentista. Por trás da insegurança cidadã, decorrente em grande medida de modelos de injustiça econômica e social, está o negócio da segurança: seguros, sistemas de vigilância, grades, alarmes e políticos "salvadores" que agem com mão

Os riscos na economia com as mudanças no clima

O Brasil corre o risco de ter uma perda na economia de um a três bilhões de reais em 2050, caso nada seja feito para reverter os impactos das mudanças climáticas. As regiões mais vulneráveis à mudança do clima no Brasil seriam a Amazônia e o Nordeste, com perdas expressivas para a agricultura em quase todos os estados. Além disso, a previsão é de uma menor a confiabilidade no sistema

A Era dos movimentos sociais acabou?

Movimento versus Organização O PT, Lula e os movimentos sociais Mov. sindical. Exemplo de ‘estatização’ do movimento social? Numa sociedade profundamente desigual como a brasileira, o movimento social sempre desempenhou um papel importante. Basta lembrar aqui da importância do movimento camponês, operário e estudantil que se formou a partir de meados da década de 50 no país. Esses movimentos denunciavam, se opunham e lutavam contra a modernização conservadora em curso na sociedade

A crise ambiental e a nossa Casa Comum

A percepção dos brasileiros de que os EUA são o maior culpado pelo aquecimento global – percepção correta, uma vez que é o país que mais contribuiu historicamente para o acúmulo de gases do efeito estufa na atmosfera – leva à essência do problema do aquecimento global: o consumo excessivo. "Vivemos numa cultura da estupidez e da insensatez. Não é estúpido e insano que 500 milhões sejam responsáveis por 50%

Pegada Ecológica: De quantos planetas você precisa?

Imagem: Stockxpert A água que gasta no banho, a comida que põe no prato e até o tempo em que deixa a luz acesa. O consumo de recursos naturais de uma pessoa pode ser convertido em área. Cálculos internacionais indicam que, para sustentar seu estilo de vida, o brasileiro precisa em média do equivalente a três Maracanãs por ano – área usada, por exemplo, para cultivar alimentos, gerar energia e construir

Ativistas na Bolívia acusam mineradoras e multinacionais de dificultar acesso a água no país

Água contaminada por mineradoras na Bolívia. Foto AP/DW Em tempos de mudança do clima, a água se torna artigo escasso. Ativistas pedem que governos garantam por lei o direito básico a recursos hídricos, para evitar que a água vire instrumento de exploração econômica. Devido à exploração indiscriminada de recursos naturais e às mudanças climáticas, cerca de um bilhão e meio de pessoas no mundo sofrem com falta d'água. De acordo com a

COP 15: As questões da mudança climática na África, artigo de Tegegnework Gettu

África subsaariana sofre com crescentes ciclos de secas. Foto Getty Images [Le Monde] Desde 2008, os países da África intensificam seus esforços com a intenção de formar uma coalizão para as negociações em curso sobre a mudança climática. Agora, em Copenhague, eles se esforçam para enfatizar seu ponto de vista, suas preocupações e suas expectativas. A África é muito vulnerável. As alterações climáticas comprometem as condições de vida das populações em um

COP 15: As tempestades de Copenhague, artigo de Washington Novaes

[O Estado de S.Paulo] Eventos extremos, como as chuvas dramáticas, não estão acontecendo apenas em São Paulo, no Sul e em outras partes do País. Outros tipos de tempestade estão acontecendo também em Copenhague, na reunião da Convenção do Clima - de onde estas linhas estão sendo escritas na quinta-feira. Elas acontecem até mesmo nas negociações para um acordo que possa levar todos os países a reduzir suas emissões de

COP 15 Dinheiro do clima, artigo de Míriam Leião

[Blog Mìriam Leitão, O Globo] Um espectro ronda Copenhague: o dinheiro. Há discussões filosóficas, geopolíticas, científicas, ambientais mas tudo pega mesmo é na hora de discutir o financiamento. Dinheiro já oferecido some da mesa, moeda fácil é oferecida por milagreiros, e os lobbies correm atrás de miragens monetárias. No fundo, o que se discute aqui é quanto os poluidores pagarão e quem vai receber. Alta, louríssima, voz forte, a jornalista da

Top