Falta de acesso a energia e uso de combustíveis inadequados causam 2 milhões de mortes por ano no mundo

A cada 20 segundos uma pessoa morre nos países em desenvolvimento vítima de doenças causadas pela exposição à fumaça de fogões rudimentares, que usam como combustível carvão ou biomassa. São cerca de 2 milhões de mortos por ano. No Brasil, males causados por esse tipo de combustível — o que inclui pneumonia, doenças pulmonares ou câncer no pulmão — causam uma morte a cada hora; 10,7 mil por ano. 21735

Fugindo do combustível fóssil, artigo de Michael Spence

"Responsabilizar só os países avançados pelas emissões de carbono não funcionará" [Valor Econômico] É crucial a transferência de tecnologia para que os países em desenvolvimento cresçam e restrinjam suas emissões Há muitos problemas com os combustíveis fósseis. Eles são caros e fonte de volatilidade política e de oferta. À medida que o consumo cresce globalmente, os custos associados a eles aumentarão acentuadamente. Pior, envolvem custos expressivos e insustentáveis em termos de emissões

Um ecocídio no Paraguai

Um "bombardeio" deliberado? É muito suspeito o caso de intoxicação coletiva que atingiu mais de 200 índios Ava-Guarani, habitantes da região oriental do Alto Guarani, no Paraguai. A reportagem é de Fulvio Gioanetto, publicada no jornal Il Manifesto, 26-11-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto. 21729

COP 15 rumo ao fracasso: Plano chinês para desacelerar emissão de gases está aquém do esperado

* A proposta chinesa é de reduzir até 2020 a chamada intensidade de carbono - ou a quantidade de dióxido de carbono emitida por unidade de produto econômico - em 40% a 45% em comparação aos níveis de 2005. Segundo essa medida, as emissões ainda aumentariam, apesar de haver uma desaceleração da taxa. * O governo chinês anunciou na quinta-feira que estabeleceu uma meta para desacelerar o crescimento de suas emissões

Recuo das geleiras no Himalaia pesa sobre o futuro da Ásia

Khardung La, Ladakh. Foto do IndiaMike.com Neve a 5.606 metros de altitude? Não, quase nenhuma. A passagem de Khardung La, no distrito de Ladakh, no norte da Índia, pode ser a estrada transitável mais elevada do mundo, mas a neve não domina por lá. O ar é rarefeito, o céu imaculado, e os militares que vigiam essa passagem que leva à cordilheira de Karakoram, na direção da China, examinam com paciência

Top