Receitas Verdes do Novo Ambientalismo, artigo de Carol Salsa

green deal
Imagem: Corbis

[EcoDebate] A crise financeira que assola os países desde fins de 2008 proporciona um revolvimento de suas bases econômicas, numa busca incessante de novas e esperançosas acomodações financeiras, sociais, ambientais e culturais que permitam lastrear um novo conceito de sustentabilidade em todo o mundo.

O paradigma em que valores ecológicos se impõem aos valores econômicos serve de alerta para o necessário ajuste do andamento a ser dado ao crescimento sustentável, fundamentado no novo ambientalismo. O Estado do Mundo, anteriormente tido como fruto de um modelo equivocado de economia que insistia em dar certo, precisa acompanhar e incorporar a evolução das idéias interpostas nesse período crítico de inusitadas definições, necessárias ao estabelecimento do novo paradigma ambiental.

A propósito, a “Morte do Ambientalismo“ preconizado em ensaio por dois ex-ativistas norte-americanos Michael Shellemberger e Ted Nordhaus, traz a afirmação de que só através de uma revolução tecnológica chegaremos a solução dos problemas ecológicos. Os autores do ensaio são os ganhadores do Prêmio “ Heróis do Ambientalismo 2008” , instituído pela Revista Time ano passado.

Eles anteciparam em 2004, os últimos suspiros do ambientalismo que se chocou frontalmente com o advento da nova economia, decretando a sua morte. Uma frase de efeito é o convite que faz Michael a todos os envolvidos na causa ambiental: “precisamos articular uma visão inspiradora do futuro. Se fizermos isso, seremos capazes de mobilizar uma ação coletiva para concretizar os investimentos que precisam ser feitos“. Mesmo admitindo que só isso não seja suficiente, tecem considerações a maciços investimentos a serem aplicados a diferentes tecnologias. Uma nova visão e investimentos no futuro formam um binômio sobre o qual deverá repousar uma possível solução onde os lucros ambientais e sociais, antes excludentes, tomam assento ao lado dos lucros econômico-financeiros.

Uma das alegações de Michael, em entrevista a Revista Veja em 24 de novembro de 2008, é a de que “ é preciso centrar os investimentos num grupo de 20 países, com aproximadamente 80% das emissões no mundo. Isso é mais produtivo do que buscar um acordo global entre mais de cem países”.

Fazendo jus a posicionamentos progressistas, próprios dos que acreditam na possibilidade de uma mudança radical nos atuais padrões de desenvolvimento, eles lançam um olhar que se projeta além de um horizonte tido como intransponível: a nova economia. Diz ele, “é preciso uma política de possibilidades, algo voltado para impulsionar as grandes aspirações humanas, algo voltado para o investimento e a criação de uma nova economia” .

Movido por propósitos alvissareiros vislumbra soluções viáveis para minimizar os efeitos adversos do clima em todo o mundo. Ainda, em relação às mudanças climáticas, considera que não basta descreve-las como um pesadelo. A interpretação da frase nos leva a sugerir, talvez, a, transformação do pesadelo numa mola propulsora da nova forma de pensar e agir, ou seja, uma espécie de “boa nova” ambiental para a ainda incipiente educação que ora se inicia.

Carol Salsa, engenheira civil, pós-graduada em Mecânica dos Solos pela COPPE/UFRJ, Gestão Ambiental e Ecologia pela UFMG, Educação Ambiental pela FUBRA, Analista Ambiental concursada da FEAM ; Perita Ambiental da Promotoria da Comarca de Santa Luzia / Minas Gerais.

[EcoDebate, 01/04/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Um comentário em “Receitas Verdes do Novo Ambientalismo, artigo de Carol Salsa

  1. Os Produtos ORGÂNICOS & o AGUAPÉ é a SOLUÇÃO ! ! ! ! ! ! ! ! ! !

    Os ALIMENTOS são formulados / fabricados utilizando-se Produtos Agrícolas obtidos através de Práticas Agrícolas que induz o Produtor Rural a desenvolver Produtos Vegetais com Qualidade APARENTE porque o CONSUMIDOR, apenas, valoriza a sua BOA APARÊNCIA e isso induz-se o emprego excessivo de AGROQUÍMICOS TÓXICOS.

    Nos Produtos Industrializados algo semelhante, também, ocorrem. O CONSUMIDOR, apenas observa o SABOR do produtos, com isso as Indústrias ABUSAM do emprego dos ADITIVOS e entre eles o GLUTAMATO (REALÇANTE DE SABOR) é o mais utilizado.

    O GLUTAMATO, muito provavelmente é um dos grandes responsáveis pela alta incidência do MAL de ALZHEIMER.

    Um ALERTA a Colônia Nipo-Brasileira: a incidência do Mal de Alzheimer aqui no Brasil é o dobro do que ocorre lá no JAPÃO. No meu entendimento essa alta incidência aqui no Brasil se deve ao fato do Povo JAPONÊS tem o hábito de utilizar o GLUTAMATO (AJINOMOTO) no preparo dos seus ALIMENTOS e isso se soma com a utilização do nossos Produtos Industrializados, onde ocorre ABUSO do uso de GLUTAMATO.

    Aumentar a Fiscalização pouco resolve as questões – a Melhor ALTERNATIVA é fomentar a Produção dos ALIMENTOS ORGÂNICOS.

    A Produção Orgânica é o Melhor RECURSO de que dispomos para produzir Alimentos de Melhor Qualidade NUTRICIONAL e o mais indicado para a Preservação do MEIO AMBIENTE e a BIODIVERSIDADE – para Produção Orgânica o AGUAPÉ é a base para FERTILIZAÇÃO do Solo Agrícola ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! !

    Você pode ajudar a Sociedade Brasileira, dando as suas contribuições para criar e / ou fundar a ANPIA – Associação Nacional dos Profissionais Interessados pela AGUAPÉ

    O AGUAPÉ poderá abrir Uma Fantástica Porta para VOCÊ, Pesquisador ÉTICO ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! !

    MISSAO TANIZAKI
    Fiscal Federal Agropecuário
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@agricultura.gov.br (ESTÁ PARA MUDAR)
    Esplanada dos Ministérios, Bloco “D”, Sala 346-B, Brasíla/DF

    TUDO POR UM BRASIL / MUNDO MELHOR

Comentários encerrados.

Top