Índice da edição de 01/04/2009

Agroquímicos: O veneno à nossa mesa, por Henrique Cortez 45 anos de uma sexta-feira, artigo de Nilo Sergio Gomes Receitas Verdes do Novo Ambientalismo, artigo de Carol Salsa (Aniversário de Marabá) Lembrete aos Errantes, artigo de Raimundo Gomes da Cruz Neto Pesquisa utiliza o boto-cinza para avaliar a saúde de ecossistemas marinhos MG: MPE, Secretaria da Fazenda e Polícia Militar combatem a ‘máfia do carvão’ por dano ambiental e tributário Melanoma: Novo método usa marcadores genéticos

Agroquímicos: O veneno à nossa mesa, por Henrique Cortez

[Ecodebate] Nos últimos anos cresce o debate da agricultura orgânica versus a agricultura “tradicional”, aqui entendida como a que utiliza agroquímicos visando aumento de produção e produtividade. Esta é uma discussão importante que se perdeu em argumentos binários, do tipo ‘os orgânicos são mais caros mas são mais saudáveis’ ou que a agricultura orgânica não possui produtividade suficiente para alimentar o planeta. A agricultura “tradicional” se orgulha

45 anos de uma sexta-feira, artigo de Nilo Sergio Gomes

Antônio Carlos Muricy, Joaquim Justino Alves Bastos, Homero Souto de Oliveira, Paulo Guerra e outros na Parada da Vitória (24 maio 1964). Arquivo Antônio Carlos Murici / ACM foto 063_1 / CPDOC [EcoDebate] Há 45 anos, um dia sombrio e estranho, com muitas notícias estranhas, marcou a vida de muita gente, e a minha também. Faltava menos de um mês para completar 14 anos, mas sou incapaz de lembrar-me como foi

Receitas Verdes do Novo Ambientalismo, artigo de Carol Salsa

Imagem: Corbis [EcoDebate] A crise financeira que assola os países desde fins de 2008 proporciona um revolvimento de suas bases econômicas, numa busca incessante de novas e esperançosas acomodações financeiras, sociais, ambientais e culturais que permitam lastrear um novo conceito de sustentabilidade em todo o mundo. O paradigma em que valores ecológicos se impõem aos valores econômicos serve de alerta para o necessário ajuste do andamento a ser dado ao

(Aniversário de Marabá) Lembrete aos Errantes, artigo de Raimundo Gomes da Cruz Neto

No cotidiano da vida ocorrem proposições que provocam ou não ações e relações, questionamentos ou acomodações. Geralmente as proposições que se tornam obrigações para ações são feitas por quem se considera com o poder de determinar para outros cumprirem, sem que haja uma discussão entre as partes: propositor, agentes das ações e supostos beneficiários ou compartilhados. 11855

Pesquisa utiliza o boto-cinza para avaliar a saúde de ecossistemas marinhos

O boto-cinza é um mamífero marinho que está no topo da cadeia alimentar e, por isso, tende a acumular em seu organismo contaminantes encontrados no ambiente e nos demais seres vivos do ecossistema Como saber se um ecossistema marinho está saudável ou contaminado por mercúrio? A resposta pode estar no boto-cinza (Sotalia guianensis), um pequeno cetáceo encontrado desde Santa Catarina até a América Central. Em sua dissertação de mestrado, defendida em

MG: MPE, Secretaria da Fazenda e Polícia Militar combatem a ‘máfia do carvão’ por dano ambiental e tributário

Carvoaria ilegal, em foto de arquivo MMA Operação “SOS Cerrado” faz busca e apreensão em todo o Norte e Noroeste do Estado O Ministério Público Estadual (MPE), a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) e a Polícia Militar do Estado de Minas Gerais (PMMG) deflagraram nesta manhã, dia 31 de março, uma operação, denominada “SOS Cerrado” para identificar e desarticular várias organizações criminosas que fazem parte da denominada “máfia do carvão”. Investigações

Melanoma: Novo método usa marcadores genéticos para dignosticar com precisão amostras de tecido benigno ou maligno

Mancha ou melanoma? – Um grupo de pesquisa da Universidade da Califórnia em São Francisco, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo método para distinguir entre manchas benignas e melanoma. A técnica consiste em medir diferenças nos níveis de marcadores genéticos. A novidade conseguiu distinguir entre lesões benignas na pele e melanomas com uma taxa da sucesso superior a 90%. Também teve bom resultado com relação a casos incorretamente diagnosticados. O método

Povos indígenas do Mato Grosso do Sul: A luta está cada vez mais difícil. Entrevista especial com Antonio Brand

Raposa Serra do Sol, a princípio, é um caso resolvido. Mas as condicionantes impostas na votação da questão envolvendo terras indígenas em Roraima também influenciam a vida e a luta de todos os povos indígenas do Brasil. O caso considerado mais problemático atualmente está relacionado aos povos indígenas do Mato Grosso do Sul. Lá, os proprietários de terras (a maioria para produção de cana e pecuária), os políticos e o

O Planeta necessita que mudemos de modelo de vida. Entrevista com Serge Latouche

Imagem: Stockxpert Serge Latouche, professor emérito de Economia da Universidade de Paris-Sul (Orsay), é um dos teóricos do decrescimento, uma proposta que rechaça o crescimento pelo crescimento e a sociedade de consumo. Convidado pelo Instituto do Território, Latouche alertou, em uma conversa em Valência, para a superexploração do Planeta. Urge uma mudança, razão pela qual, para Latouche, “a crise é uma boa notícia”. Segue a entrevista que Serge Latouche concedeu a Cristina

Bahia: Mamona atrai produtor, mas não vira biodiesel no Brasil

Mamona em floração. Foto da Wikipédia Produtores de regiões áridas do país investem na resistente oleaginosa e a vendem para a indústria ricinoquímica, que paga preços mais altos do que a indústria de biodiesel Semi-árido baiano - A Bahia é historicamente o maior Estado produtor de mamona do país. A cultura, que é uma tradicional alternativa para lugares de pouca chuva, chegou a ocupar 340 mil hectares do território baiano na safra

Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprova Código Ambiental que reduz área protegida

Desmatamento, em foto de arquivo MMA FLORIANÓPOLIS - A Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou na noite de hoje um novo Código Ambiental que diminui a área de preservação determinada pelo Código Florestal Brasileiro. Entre as principais mudanças está a redução da área de proteção das matas ciliares, às margens dos rios, de 30 para 5 metros. No caso das nascentes fluviais, a área cai de 50 para 10 metros. O

Top